Crônica da Xênia: Mentir pra si mesmo é impossível

Mais importante do que agradar aos demais é deitar no travesseiro e dormir satisfeita

Xênia Bier

Crônica da Xênia: Mentir pra si mesmo é impossível | <i>Crédito: Shutterstock
Crônica da Xênia: Mentir pra si mesmo é impossível | Crédito: Shutterstock
Cara leitora, sinceramente, não me preocupo com o que os outros pensam a meu respeito. E não é por ser pretensiosa não! Me preocupo com o que eu penso de mim. Porque sou eu o juiz mais severo, aquele que me julga no tribunal da consciência. Posso mentir para o mundo, mas nunca para mim mesma. Por esse motivo, eu não sei mentir. Não é por virtude, é por respeito. Fico
ridícula quando tento soltar uma mentirinha! E fico abismada com a preocupação que as pessoas têm a respeito delas mesmas. Procuram de todas as maneiras distorcer um fato para não lhes causar constrangimento. Gente que vive em função da opinião alheia! Gente que vive com medo “do que os outros vão dizer”. Entende, cara leitora, por que não me preocupo com o que pensam a meu respeito? Sinceramente, muitas vezes (muitas vezes mesmo!) tive vergonha do que encontrei escondido dentro da minha
consciência. Por esse motivo, tenho sempre um pisca-alerta ligado, me avisando que o mais importante na vida é vencer a si mesmo. Porque é impossível vencer qualquer jornada quando você por dentro é um perdedor. Conheço muita gente com a maior pinta de dono do mundo, mas que não passa de um perdedor, de um infeliz solitário. Recentemente, o mundo teve um exemplo: a eleição de
Donald Trump para presidente dos Estados Unidos – que desde a forma de andar anuncia um pobre coitado que, apesar de milionário, não consegue vencer.

14/03/2017 - 10:00

Conecte-se

Revista Ana Maria