Solange Frazão: “Na minha casa não vai ter bolo”

Aos 54 anos e prestes a ganhar seu primeiro neto, Solange Frazão garante: não será uma vovó tradicional!

Ana Bardella

Entrevista com Solange Frazão | <i>Crédito: Máximo JR./Assessoria Solange Frazão
Entrevista com Solange Frazão | Crédito: Máximo JR./Assessoria Solange Frazão
"Hoje o dia está corrido porque precisei pegar minha filha no médico.” No cotidiano, Solange Frazão é assim: se desdobra para dar atenção aos três filhos e aos assuntos profissionais – tudo isso sem descuidar da saúde! Agora, sua rotina vai mudar: a filha do meio, Thabata, de 28 anos, está na reta final da gravidez de seu primeiro bebê, Thiago. Confira o bate-papo com essa futura vovó, que está com tudo em cima!


Quando você era mais nova, imaginava que passaria dos 50 com tanta energia?
De jeito nenhum! Não enxergava o futuro dessa forma. Eu achei que fosse ser uma avó como a minha mãe foi. Ela teve o primeiro neto jovem como eu, mas já naquela época costurava, bordava... As avós antigamente eram do lar. Hoje em dia, sei que vou ser uma avó completamente apaixonada pelo trabalho! Claro que vou procurar ter tempo para ficar com meu neto, mas não pretendo bordar e nem fazer crochê [risos].


Como é a sua rotina?
Meus dias são diferentes uns dos outros. Em alguns faço a gravação do programa Saúde & Bem Estar [do canal MegaTV] e em outros, do Mãe É Tudo [da Record News]. Também faço palestras. Fora isso, participo de campanhas publicitárias, faço aulas-show
e tenho linhas de produtos que levam o meu nome. Por causa deles, abri uma empresa. Ou seja, sou bem ocupada. Mesmo assim, procuro reservar a parte da manhã para cuidar de mim. E faço meus exercícios.


Que tipo de exercícios você faz?
Vou à academia cinco vezes por semana. Meu filho [Lucca, de 24 anos] é especialista em fisiologia e é ele quem cuida da minha preparação física. É bem personalizado, por causa da minha idade. Dou muita importância à musculação, pois a partir dos 40 o corpo começa a perder músculos – e quanto menos músculos, menos vida, menos força no coração. Mas também pratico luta e outros exercícios funcionais. Nos finais de semana, gosto de correr ou jogar tênis.


Já deixou de praticar algum exercício por causa da idade?
Evito aqueles de alto impacto para não prejudicar as articulações, que vão se desgastando ao longo do tempo. Há cinco anos, rompi
o ligamento praticando uma luta, então evito certos movimentos. Também não corro mais maratonas longas. Admiro muito o crossfit, mas também evito, pois considero uma modalidade voltada para as pessoas jovens e com boa consciência corporal.


Que benefícios a atividade física pode trazer para as pessoas?
Não pratico os exercícios só pra ficar com o corpo bonito. Eles fazem com que a mente permaneça saudável também! Refletem nas emoções, no psicológico. Me considero equilibrada, consciente, sempre de bom humor... Tenho amigos mais novos que já estão
com depressão ou síndrome do pânico. Essas são doenças da vida moderna. O consumo de açúcar, gordura e o sedentarismo contribuem para o aparecimento delas.


O que diria para desmotivados?
Atividade física é como escovar os dentes: você não deixa de fazer só porque não gosta. Não tem como escapar! O exercício físico é programado, tem hora para começar e intensidade certa para alcançar. E não tem idade: meu pai, por exemplo, só começou a praticá-lo depois de se aposentar. E hoje gosta bastante!


E quando você soube que seria avó, qual foi a sua reação?
Senti uma realização... É o momento mais maravilhoso na vida de uma mulher! Estou emocionada e feliz. Com meus filhos foi uma luta: me separei muito cedo e ficava sozinha para cuidar das coisas. Trabalhava, levava e buscava na escola, me desdobrava
nas férias ou quando ficavam doentes... Quando olho para trás, fico feliz porque criei adultos educados e bem-sucedidos. E agora mais uma vida.


Como se imagina como avó?
Acho que vou ser uma avó muito incentivadora do esporte. Um pouco diferente, confesso... Na minha casa não vai ter bolo, vai ter salada de frutas. Lógico que vou mimar, mas meus filhos tiveram uma infância saudável, são gratos por isso, e pretendo fazer da mesma forma com o Thiago.



As coisas mudaram mesmo!
No Brasil, há 26 milhões de pessoas acima dos 60 anos. “O idoso deste século é diferente do que era algumas décadas atrás”, garante José Elias Soares Pinheiro, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Hoje, o uso da tecnologia traz inúmeros benefícios. Por meio dela é possível se comunicar com a família e com os amigos, manter-se atualizado... Muitos idosos também vão à academia!



Modernas que só!
“Há alguns anos, meu esposo quis perder peso e nós começamos a frequentar a academia juntos. Gostamos muito e hoje fazemos
musculação e esteira três vezes por semana. Consegui perder 6 kg porque aliei a atividade a uma dieta funcional. Para mim, o que importa é o pensamento, não a idade. Por exemplo: só uso as roupas que me caem bem. Não as roupas que são consideradas boas
para as mulheres de mais idade.”

Maria do Socorro Chaves de Sousa, 64 anos, aposentada, é avó de Felipe (23), Mariana (20), Henry (7) e Ananda (3)


“Na minha casa não entra fritura! Evitamos doces e procuramos ter uma alimentação bem regrada. Eu e meu marido fazemos
atividade com um personal trainer duas vezes por semana, mas também andamos muito de bicicleta no parque. Quando minha neta está conosco, ela participa de tudo. Anda de skate, dá cambalhotas... É uma delícia! Espero continuar ativa dessa maneira por muitos anos”

Sonia Tabosa, 54 anos, professora de educação física, é avó da Maria Luiza (9)

08/03/2017 - 14:00

Conecte-se

Revista Ana Maria