Bursite: o tratamento pode estar no seu prato

Dificuldade para mover o braço e dor no ombro são os sintomas mais comuns do problema

Karla Precioso

Bursite: o tratamento pode estar no seu prato | <i>Crédito: iStock
Bursite: o tratamento pode estar no seu prato | Crédito: iStock

A dor no ombro é uma situação tão recorrente que, segundo especialistas, 70% das pessoas terão esse tipo de incômodo ao menos uma vez ao longo da vida. E, entre as várias causas, a bursite do ombro é uma das mais comuns, explica o ortopedista Gustavo Constantino de Campos. Essa condição ainda pode causar limitação dos movimentos e sensibilidade ao toque, prejudicando as atividades. A prescrição de anti-inflamatórios é uma prática comum, mas a boa notícia é que o consumo regular de certos alimentos reduz a inflamação. Conheça o cardápio tirado do livro O Segredo de uma Vida Saudável, de Sidney Oliveira, presidente da Ultrafarma.

Fatores de risco
Idade: a ocorrência de bursite se torna mais comum com o envelhecimento.

Ocupações ou hobbies: se uma pessoa trabalha em uma profissão ou tem um hobby que requer movimento repetitivo ou que exerça pressão sobre uma articulação específica, essa pessoa possui mais chances de desenvolver a doença.

Outras condições médicas: artrite reumatoide, gota e diabetes aumentam o risco da inflamação.

Tratamento não medicamentoso
 Evite carregar muito peso.

 Não fique na mesma posição por muito tempo. Alongar-se durante trabalhos muito parados, manter-se no peso metabolicamente saudável e praticar exercício físico é bom.

 Coloque bolsa de gelo durante 20 minutos, cerca de três vezes ao dia.

 Faça acupuntura: através da aplicação das agulhas na região afetada ou no meridiano correspondente é possível reduzir a inflamação e a dor.

Alimentos anti-inflamatórios para o alívio da dor
Eles previnem e inibem a inflamação, além de equilibrar as funções básicas do organismo:

Azeite de oliva e oleaginosas (nozes, castanhas, amêndoas e avelãs): fontes de oleocanthal, um agente natural anti-inflamatório, e vitamina E, que previne danos celulares nos tendões e articulações. 

Carnes: alimentos de origem animal, no geral, são fontes de zinco. Esse mineral melhora a defesa do organismo e combate a dor decorrente da inflamação.

Chia e linhaça: repletos de ômega-3, diminuem a produção de substâncias que acentuam a inflamação.

Cúrcuma: graças ao ativo curcumina, alivia a dor. Em pó, adicione em sopas e saladas. Se usar a raiz fresca, refogue com arroz e vegetais.

Frutas ácidas (laranja, morango, abacaxi, acerola e limão): são ricas em vitamina C, um poderoso antioxidante que combate a inflamação, a dor e o inchaço, além de ajudar na produção de colágeno – proteína essencial para a manutenção da saúde das articulações.

Frutas vermelhas (romã, melancia, morango e goiaba): cheias de antocianina – nutriente com ação anti-inflamatória.

Peixes (atum, sardinha, arenque, salmão e cavala): são ricos em ômega-3, que atenua a inflamação, a rigidez das articulações e as dores da
bursite. Além disso, contêm vitamina D, que ameniza a inflamação.

Suplementação: outra boa escolha
Na rotina acelerada do dia a dia, nem sempre conseguimos obter todos os nutrientes através da dieta. Os suplementos dietéticos são similares aos alimentos em relação aos nutrientes fornecidos e, portanto, também podem auxiliar no combate à bursite. Caso haja necessidade de suplementação, consulte sempre um nutricionista. Não é legal sair tomando remédios sem orientação de um profissional competente.

Plantas que agem como um pronto-socorro natural
Andiroba: com propriedades antiinflamatórias, funciona ainda como analgésico.
Modo de usar: o óleo é utilizado tanto na aplicação tópica (que é passar por cima da pele), como por via oral. Adulto: 15 gotas diluídas em leite ou mel.

Gengibre: possui gingerol e selênio, substâncias com elevado poder analgésico e ação anti-inflamatória. Também apresenta resultados positivos no tratamento de desordens reumáticas.
Modo de usar: prepare um chá com 1 litro de água e 2 colheres (chá) de gengibre picado. Deixe ferver por dez minutos. Coe e tome de duas a quatro vezes ao dia.

Raiz garra-do-diabo: alivia a dor e a inflamação. Indicada para tratamento de bursite, artrite, artrose, fibromialgia e tendinite. É contraindicada para gestantes, lactantes e pessoas com problemas intestinais e estomacais.
Modo de usar: ferva 1,5 litro de água com 2 colheres (sopa) da raiz. Desligue o fogo e abafe com uma tampa por cinco minutos. Coe e beba 1 xícara (chá) duas vezes ao dia, sem adoçar. 

Unha-de-gato: planta com ação anti-inflamatória, eficaz contra dores e inflamações. Fortalece o sistema imunológico.
Modo de usar: use as cascas e as folhas, em forma de chá e infusão. A dosagem usual é de três xícaras por dia.

Compressa anti-inflamatória

De vinagre de maçã: o tempero contém magnésio, cálcio, potássio e fósforo. Restaura a alcalinidade do corpo para reduzir a inflamação de um modo muito rápido. Misture ½ xícara (chá) de vinagre de maçã com 1 colher (sopa) de mel. Umedeça uma toalha de rosto com essa mistura
e aplique na região afetada por 15 minutos.

 

27/11/2017 - 10:00

Conecte-se

Revista Ana Maria