Dicas para preparar o chá perfeito

Sim, existem jeitos para tirar o melhor proveito da bebida queridinha da estação mais fria do ano

Karla Precioso

Dicas para preparar o chá perfeito | <i>Crédito: iStock
Dicas para preparar o chá perfeito | Crédito: iStock

Você deve pensar: “Não tem segredo para preparar um chá”. Tem, sim! Seguir alguns macetes faz toda a diferença. Além de garantir  sabor à bebida, você pode até intensificar seus benefícios à saúde se seguir certos passos. Segundo Simone Izar Skorek, da casa Chá com Alice, a regra principal é seguir o tempo certo de infusão e temperatura da água: “As folhinhas de chá t êm taninos, de sabor  amargo. No preparo da bebida, a água é quem vai extrair essa substância. Quanto mais tempo a erva ficar na água, mais taninos ela vai extrair – e mais amargo o chá vai ficar. O mesmo ocorre com a temperatura da água. Se usá-la muito quente, é amargor na certa. E suas funções terapêuticas podem ficar comprometidas também!” A especialista comenta ainda que os processos de preparo também interferem no resultado: “Decidir entre infusão e decocção, por exemplo, vai interferir diretamente na eficácia da bebida. Por isso, é bom sempre levar em consideração o ingrediente que está sendo utilizado, já que ele também pode indicar a forma adequada de uso”,  conclui. Conheça outras dicas importantes.

Regras que valem ouro!

Tipo de água
A qualidade da água é tão importante quanto a das folhas. Se ela tiver um gosto estranho, pode ter certeza de que o chá carregará essa característica. Use água filtrada ou mineral.

Tempo de contato entre a erva e a água
Os chás mais escuros devem ficar um período maior em contato com o líquido. Mas não exagere, senão a bebida fica com um sabor amargo:

CHÁ BRANCO: entre 3 e 4 minutos.
CHÁ-VERDE: entre 3 e 4 minutos.
CHÁ-PRETO: entre 4 e 5 minutos.
CHÁ OOLONG: entre 3 e 4 minutos.
OUTRAS ERVAS, FRUTAS E FLORES: entre 5 e 10 minutos.

Temperatura ideal
Nesse quesito, há variação: tudo depende do sabor que você escolheu

CHÁ-PRETO: temperatura a 100 °C.
CHÁ BRANCO: entre 70 °C e 80 °C.
CHÁ-VERDE: entre 70 °C e 85 °C.
CHÁ OOLONG (originário da cultura chinesa, é semioxidado e semifermentado): entre 75 °C e 85 °C.
OUTRAS ERVAS, FRUTAS E FLORES: entre 90 °C e 100 °C.

Caso você não tenha um termômetro, fique de olho na chaleira. Quando as primeiras bolhinhas começam a subir, a água está
aproximadamente entre 70 °C e 75 °C. Quando o tamanho das bolhinhas aumenta um pouco, assim como a velocidade em que elas
sobem, a água está aproximadamente entre 80 °C e 90 °C.

Não adoce
Os chás e as infusões têm o sabor na medida, garante a especialista. Recomenda-se não adoçar, portanto.

Pode resfriar, mas não enrole para beber
Quer fazer um chá e depois levar à geladeira? Sem problema. Dá até para saborizar de acordo com seu gosto (com limão, por exemplo). O importante é consumir no mesmo dia para aproveitar seu sabor e manter a bebida fresca.

Quantidade ideal
Em geral, você deve usar 1 colher (chá) de erva para 200 ml de água.

Armazenamento
Guarde o chá da forma correta: ao abrigo da luz, do ar e da umidade, e longe de outras substâncias aromáticas (temperos fortes e especiarias).

Dicas gerais
Evite preparar chás em grandes quantidades para armazenar e consumir durante vários dias. Pode acontecer, com o passar do tempo, a fermentação. Prepare somente o do dia. Ao preparar o chá, use vasilhames esmaltados, de louça ou barro. Esqueça os recipientes de alumínio ou ferro. Depois de pronto, armazene a bebida em utensílios de vidro, barro ou louça.

Cada erva, uma função!

Segundo a Organização Mundial da Saúde, 80% da população já apelou para algum tratamento natural, com bons resultados. Reforce o seu estoque já!

BOLDO: má digestão, pedras na vesícula e problemas no fígado.
CAMOMILA insônia, ansiedade, inflamação e má digestão.
CAPIM-CIDREIRA OU LIMÃO: ansiedade e dores de cabeça de origem nervosa.
CARQUEJA: má digestão.
CHÁ-PRETO: inchaço, colesterol alto, hipertensão,
ácido úrico e pedras nos rins.
CHÁ-VERDE: obesidade e problemas cardiovasculares.
ERVA-CIDREIRA: gases.
ERVA-DOCE tosse, gases, febre, cólica, resfriado e faringite.
ESPINHEIRA-SANTA: gases, úlcera e gastrite.
GENGIBRE: asma, bronquite, rouquidão e problemas no sistema circulatório.
HIBISCO: inchaço, ansiedade, hipertensão, pedra nos rins e problemas na bexiga.
MELISSA: ansiedade e depressão.

Modos de preparo
TISANA (bebida feita na água fervente com plantas terapêuticas): coloque a água para ferver e, ao levantar fervura, adicione a erva.
Deixe ferver por mais cinco minutos, tampe e deixe descansar por alguns minutos antes de coar e consumir.

INFUSÃO (feita com a água fervente): em um recipiente, coloque as raízes, talos, cascas, folhas ou flores e reserve. Leve a água ao fogo e, quando ferver, derrame-a por cima da erva e tampe. Deixe descansar dez minutos (flores e folhas) e entre 20 e 30 minutos (cascas, talos e raízes).

DECOCÇÃO (fervura da planta junto com a água por poucos minutos): coloque as ervas e a água ainda fria em um recipiente e leve ao fogo. Quando começar a ferver, deixe por mais alguns minutos (dez minutos para flores, folhas tenras e brotos. Para cascas, raízes e talos, que são mais firmes, o tempo é de 15 min.). Tampe e deixe descansar com o fogo desligado. Após uns minutos, coe e consuma.

MACERAÇÃO (consiste em imergir a planta em água fria durante dez a 24 horas): coloque as ervas em água fria. As partes mais tenras, como as folhas, flores e brotos, devem ficar entre dez e 12 horas. Os talos, raízes e cascas, que são mais duros, devem ser cortados em pedaços e deixados de molho durante 24 horas. Assim, mantêm as propriedades terapêuticas da planta.

Você sabia?
Não é que exista hora certa para o consumo da bebida, mas, dependendo do horário que você tomar o chá, ele pode trazer mais benefícios para a saúde. O chá-preto consumido pela manhã estimula os neurotransmissores cerebrais que ajudam a dar energia. O chá-verde após as refeições ajuda na digestão e é diurético, e o chá de camomila à noite ajuda a acalmar.

08/06/2018 - 09:40

Conecte-se

Revista Ana Maria