A gordura que ajuda a perder peso

Descoberta recente mostra que a tal gordura marrom acelera o emagrecimento

Ana Bardella

A gordura que ajuda a perder peso | <i>Crédito: Shutterstock
A gordura que ajuda a perder peso | Crédito: Shutterstock
O nome pode parecer estranho, mas de ruim ela não tem nada. Pesquisas estão mostrando que um tipo específico de gordura, chamada de “marrom”, mais presente nos recém-nascidos, também é encontrada no organismo de adultos. E por que essa é uma boa notícia? Basicamente porque esse tecido tem um funcionamento diferente da gordura tradicional. Ele é mais “gastador”. Ou seja, para manter a temperatura corporal, utiliza mais a energia vinda dos alimentos. Justamente por isso, ajuda a acumular menos gordura branca (aquela que, em excesso, coloca a saúde em risco).


Por que ela é mais comum nos bebês?
Eles passam por um longo processo de desenvolvimento até que consigam se vestir por conta própria. Então, quando sentem frio, não são capazes de aliviar o desconforto sozinhos, com um agasalho, por exemplo. Mas, como a natureza é sábia, as crianças já
vêm preparadas pra isso com uma dose extra de gordura marrom. “Com ela, o organismo se esquenta de maneira rápida e eficaz, mantendo a temperatura do corpo com mais facilidade”, diz o endocrinologista Bruno Halpern, de São Paulo. Com o passar dos anos, sua quantidade no organismo diminui, já que a necessidade de utilizá-la também cai. Tanto é que, até pouco tempo, alguns especialistas achavam que ela sumia de vez nos mais velhos. Para nossa sorte, eles conseguiram descobrir que ela pode, sim, permanecer no corpo.


Mas todo mundo tem?
Muitos estudos estão sendo feitos sobre o assunto, por isso ainda “não é possível afirmar que 100% da população possuí esse tipo de gordura no organismo”, explica o médico. Mas não desanime! O doutor adianta que a capacidade de formá-la está presente em
todos nós. Por exemplo, é provável encontrar uma maior concentração de gordura ativa no organismo dos moradores de países mais frios, uma vez que o corpo, nessas condições, precisa se esforçar mais para manter-se numa temperatura confortável. Já em países de clima tropical, como é o caso do Brasil, o esforço é menor e, por isso, as pessoas tendem a ativar menos o funcionamento dessa gordura. Mas os fatores externos não são os únicos que contam. A genética também é importante! Sabe aquele seu amigo que pode comer de tudo sem engordar? “A quantidade maior de gordura marrom pode ser uma das explicações para isso”, pontua o endocrinologista.


Como usá-la, então?
Por ser um assunto recente, as dúvidas ainda não foram todas respondidas. Pesquisa publicada num jornal norte-americano indica
que a prática regular de exercícios libera no corpo um hormônio capaz de transformar a gordura branca em marrom. Apesar de ainda serem necessários outros testes para confirmar a eficácia do método, não custa tentar! “O mais importante pra gerar resultados não é o tipo, mas a frequência. Caminhar de 30 a 60 minutos três vezes por semana seria o suficiente”, diz Pedro Assed,
pesquisador do grupo de obesidade e transtornos alimentares da PUCRio. “Existe ainda uma teoria de que ficar em lugares iluminados à noite inibe a produção de melatonina, substância que recruta a gordura marrom”, complementa Halpern. Ou seja, ficar acordada até tarde pode estar sabotando sua dieta! Prefira o escurinho para relaxar! 


Não vale se esquecer da alimentação...
Ela não poderia ficar de fora! Quando o assunto é emagrecer e levar uma vida saudável, a reeducação alimentar nunca perde a importância. Num primeiro momento, para diminuir os números da balança, 80% dos resultados dependem de uma dieta bem equilibrada. Os outros 20% ficam por conta dos exercícios físicos. “Somente quando se atinge o peso ideal, para manter os resultados, é que os números se invertem”, garante Assed. Evitar comidas ricas em açúcar e gordura, e investir numa dieta rica em alimentos naturais, como frutas, legumes e verduras, é parte fundamental do processo. Tomar bastante líquido, preferencialmente água, também é fundamental para o sucesso!

10/01/2017 - 14:00

Conecte-se

Revista Ana Maria