Dieta Low-Carb: saudável e eficiente

A fórmula de emagrecimento mais queridinha dos brasileiros pode ser colocada em prática com prazer. Descubra como!

Júlia Arbex

Dieta Low-Carb: saudável e eficiente | <i>Crédito: iStock
Dieta Low-Carb: saudável e eficiente | Crédito: iStock

Low-carb é um termo em inglês que significa “pouco carboidrato”. Logo, a dieta propõe redução da ingestão dessa substância. Segundo o livro Dieta Low Carb – Como Emagrecer com Prazer e Saúde (Matrix Editora, R$ 44,90), existem muitas teorias sobre a causa do  ganho de peso. A principal? Acúmulo de gordura pela produção elevada de insulina associada a uma dieta rica em amido presente em alimentos como arroz, macarrão, pão, batata, doces... A seguir, você entenderá como o excesso de carboidrato, segundo o autor do livro, o médico e psicólogo Caio Augusto Fleury, afeta a saúde e gera doenças como diabetes, pressão alta e obesidade. De quebra, ele ensinará você a secar de maneira correta.

Benefícios da dieta
■ PREVINE DIABETES: como o regime propõe comer apenas carboidratos com índice glicêmico baixo (vegetais, legumes, grãos e frutas), ele pode ajudar a prevenir o diabetes tipo 2.
Entenda: ao ingerir carboidratos de índice glicêmico alto, ocorre um aumento do nível de glicose no sangue e consequentemente
o de insulina também.

■ PROPORCIONA SACIEDADE: os alimentos que não são carboidratos possuem muita fibra, responsável por manter a fome bem longe de você.

■ AUXILIA NA PERDA DE PESO: os carboidratos podem ser aliados do emagrecimento quando consumidos de forma correta. Opte pelas versões com índice glicêmico baixo ou moderado, pois, como citado acima, elas contribuem para a queima do estoque de gordura do corpo. 

Como emagrecer com prazer
A prática regular de atividade física, sono equilibrado e baixo nível de estresse fazem com que a saúde melhore de maneira geral, mas é por meio da alimentação que acontecem as principais mudanças. Por isso, confira os alimentos que fazem parte da dieta low-carb:

CARNE VERMELHA, PEIXES E AVES: para o autor, diferentemente do que muitos acreditam, nós podemos, inclusive, consumir  carnes com gordura, como filé de alcatra, maminha e picanha. Os peixes gordos de água fria, como salmão, truta e bacalhau, são ricos em ômega-3, ácido graxo responsável por reduzir os níveis de colesterol ruim (LDL) e controlar o apetite.

FRUTAS: entre as mais nutritivas e com teor mais baixo de açúcar estão as chamadas frutas silvestres, como morango, amora, mirtilo e cereja. Já as versões mais tradicionais no Brasil, como banana e manga, são ricas em carboidrato e, portanto, devem ser consumidas com moderação.

OLEAGINOSAS: nozes, castanha-do-pará, macadâmia, avelã e amêndoa são ótimas opções. Porém, também devem ser  consumidas com controle devido ao alto teor calórico. Um punhado de mix de castanha por dia está ótimo.

ÓLEOS E ÁCIDOS GRAXOS ESSENCIAIS: óleos provenientes de azeite de oliva extravirgem, de peixe e de coco promovem um
melhor funcionamento do organismo e mantêm os níveis de colesterol adequados. Cuidado: não fazem parte da dieta óleos de sementes processados como de soja, canola e milho, ricos em gorduras trans.

Como deve ser o consumo de carboidratos?
Em uma alimentação convencional, consome-se entre 50 a 55% de carboidrato. Já no método low-carb, o macronutriente deve compor cerca de 30 g a 100 g por dia, provenientes de frutas e legumes. Tubérculos, como batata-doce, mandioca, mandioquinha, inhame e abóbora, podem fazer parte da dieta, mas apenas uma pequena porção por dia. Grãos processados, como pães, tortas, macarrão, doces e bolos, mesmo em sua forma integral, são prejudiciais à saúde e propiciam o aumento de peso. Logo, você deve
mantê-los fora do prato. Porém, vale ressaltar que a redução extrema de carboidratos pode até auxiliar no emagrecimento, mas não de forma saudável. Ou seja, existe o risco do efeito sanfona, além de desencadear uma série de consequências para a saúde, como falta de energia, tontura e desmaios. Antes de embarcar nessa, procure um médico.

Dieta low-carb na prática
INCLUI: frutos do mar, carne vermelha, frango, legumes e verduras pobres em amido, sementes, ovos, castanhas e iogurte integral sem açúcar.

COM MODERAÇÃO: queijos, manteiga, azeite, óleo de coco e creme de leite.

ESPORADICAMENTE: chocolate acima de 70% cacau e bebidas como vinho e uísque.

NÃO INCLUI: açúcar e alimentos ricos em amido, como todo tipo de pães, massas, arroz e batata.

01/08/2018 - 14:00

Conecte-se

Revista Ana Maria