Você no azul: Milhas são um bom negócio?

Cuidado! Elas parecem gratuitas, mas, acredite, não são...

Marcela Kawauti

Você no azul: Milhas são um bom negócio? | <i>Crédito: iStock
Você no azul: Milhas são um bom negócio? | Crédito: iStock
"Uma amiga costuma pagar tudo com o cartão de crédito, pois acha mais fácil controlar os gastos e ainda aproveita as milhas. É uma boa mesmo?”

L.A., por telefone

A concentração dos pagamentos por um único método pode ser bastante interessante quando usamos a fatura como um instrumento de controle de gastos. Afinal, as despesas estão em apenas um lugar e, ao acompanhar a nota com bastante frequência, fica bem
mais fácil saber o quanto gastamos ao longo de todo o mês. Alguns cartões de crédito, inclusive, divulgam a fatura separadamente por tipo de gasto, como lazer, vestuário e alimentação. Essa medida simples também ajuda a facilitar esse controle. Outra vantagem bem interessante: poder postergar o pagamento. A compra é feita hoje, mas  a fatura é paga em até 40 dias, o que dá um fôlego pra gente organizar o caixa. No entanto, existe um porém... O problema é que a maior parte dos usuários da modalidade crédito não é assim, digamos, exatamente controlada. Com isso, existe o risco de não haver dinheiro suficiente para pagar a fatura no dia do vencimento. A consequência disso? Os gastos se transformam em uma dívida enorme. Logo, é importante também que haja sempre uma folga para possíveis imprevistos. Assim, se houver algum evento inesperado, você evita torrar mais do que pode e enfrentar as consequências de pagar juros. Sobre as milhas, cuidado. Elas parecem gratuitas, mas, acredite, não são! Já que para conseguir um acúmulo suficiente para trocas interessantes (como uma passagem aérea, por exemplo), o gasto do cartão precisa ser significativo. O risco aqui é gastar mais do que precisa apenas para acumular os pontos. Além disso, muitos cartões até têm uma forma mais vantajosa de acumular milhas, porém, cobram anuidades muito caras.

Para que serve o limite do seu cartão?
Muita gente não dá bola para o valor do limite do cartão. Ou pior: acredita que quanto maior, melhor. Mas não é bem assim. O
limite deve ser ajustado a quanto realmente você pode pagar. Dessa forma, é possível garantir que terá dinheiro para fazer frente ao valor da fatura, e, portanto, evitará cair na cilada da dívida.

Olho superaberto em relação às regras
Atenção: pode haver mudanças nos termos, que alteram tanto o acúmulo quanto a troca das milhas. Fique atenta também à data de validade para não deixar que os pontos expirem. Além disso, programe-se com antecedência para a aquisição de passagens com
milhas, já que a disponibilidade é menor para compras desse tipo.

Marcela Kawauti é formada em economia pela USP e tem mestrado da FGV. Com mais de dez anos de experiência, é economista-chefe do SPC Brasil e colaboradora do portal de Educação Financeira Meu Bolso Feliz.

Envie suas perguntas para Marcela Kawauti pelo e-mail anamaria@maisleitor.com.br

06/09/2017 - 14:00

Conecte-se

Revista Ana Maria