Você no azul: Previdência privada ideal

Em primeiro lugar, procure uma empresa – banco ou seguradora independente – confiável. E considere pontos abaixo

Marcela Kawauti

Previdência privada ideal | <i>Crédito: iStock
Previdência privada ideal | Crédito: iStock
"O que levar em conta na hora de escolher um plano de previdência privada?” 

K.P., por e-mail

Se planejar com antecedência é fundamental para ter tranquilidade na aposentadoria. E se escolher um plano de previdência privada, em primeiro lugar, procure uma empresa – banco ou seguradora independente – confiável. E considere os seguintes pontos: 

1) Opte por um plano que melhor se adeque ao seu perfil de riscos. Nos de Renda Fixa, o dinheiro ficará investido só em títulos públicos, que são seguros. Há também os planos de Crédito Privado, em que as aplicações são feitas em empréstimos a grandes empresas; e os Multimercados, nos quais o dinheiro pode ser aplicado em ações. Os dois últimos casos têm mais riscos. Ou seja, você poderá ter um rendimento maior que a renda fixa, mas existe a chance de ficar abaixo dele.

2) Decidir entre as modalidades PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livres). No PGBL, você pode deduzir do seu IR as contribuições feitas até o limite máximo de 12% da sua renda bruta anual. Porém, no resgate, o IR é cobrado sobre o total acumulado. No VGBL não há dedução, mas no momento do resgate você pagará apenas sobre rendimento e não o total acumulado.

3) Escolher a forma de tributação. Na modalidade regressiva, quanto mais tempo deixar o seu dinheiro, menor será o imposto pago, podendo chegar a 10% para aplicações acima de dez anos. No caso da progressiva, a alíquota é de 15%, mas é necessário o ajuste posterior na declaração de IR. 4) Atenção às taxas. As principais são a de administração e de carregamento. Quanto menores, maior será o retorno líquido do investimento. 

Acha que falta muito para se aposentar?
O ideal é começar a se preparar para a aposentadoria quando ainda falta muito tempo para ela chegar. Quem começa a se preocupar com isso desde cedo pode guardar um pouco por mês para obter um montante interessante depois de anos. Agora, quem deixa para depois, precisará fazer um sacrifício bem maior para conseguir juntar dinheiro. Afinal. o período de tempo é bem menor

Há outras formas de se preparar
A previdência privada é bem interessante se você escolher uma boa instituição e um plano adequado às suas necessidades. Mas há outras maneiras seguras e com bom rendimento para se preparar. Você pode usar para isso o Tesouro Direto, os CDBs e Fundos de Renda Fixa. Só não vale resgatar o dinheiro no meio do caminho!

Marcela Kawauti é formada em economia pela USP e tem mestrado da FGV. Com mais de dez anos de experiência, é economista-chefe do SPC Brasil e colaboradora do portal de Educação Financeira Meu Bolso Feliz.

Envie suas perguntas para Marcela Kawauti pelo e-mail anamaria@maisleitor.com.br

10/08/2017 - 16:00

Conecte-se

Revista Ana Maria