Abuso sexual infantil: mais perto do que se imagina!

Laura (Bella Piero), de O Outro Lado do Paraíso, emocionou ao encarar o abusador de sua infância. Na vida real, pelo menos 50 denúncias do crime são registradas todo dia no Brasil!

quarta 28 fevereiro, 2018
O marido de Laura (Bella Piero), Rafael (Igor Angelkorte), dando apoio à moça
O marido de Laura (Bella Piero), Rafael (Igor Angelkorte), dando apoio à moça Foto:Marilia Cabral

Um problema de dimensões assustadoras: em um período de dois anos, 37 mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes foram registradas no Brasil. Isso quer dizer que, a cada dia, cerca de 50 pessoas se mobilizam para denunciar casos semelhantes ao que acompanhamos através da novela. Infelizmente, a história de Laura faz parte do padrão: a cada dez vítimas, sete são meninas e quatro têm menos de 11 anos. A maior parte dos crimes é cometida por homens adultos. Ao ver o assunto escancarado na televisão, ficamos indignados. Mas na vida real, muitas famílias acabam se calando por medo ou vergonha – afinal, o abusador pode ser alguém querido, alguém agressivo que dá medo ou até quem banca a maior parte das contas da casa.

O que configura o abuso sexual infantil?

Veja mais

O abuso sexual infantil é quando um adulto ou uma pessoa três anos mais velha que a criança ou o adolescente age visando o prazer e a gratificação própria, explorando sexualmente a vítima. “Isso pode acontecer com toque físico, como beijo, carícia, penetração com objetos e sexo oral, ou até mesmo sem qualquer tipo de contato físico, como cantadas e exibicionismo”, explica Luiz Francisco, professor de psicologia da FADISP (SP).

Sintomas de que algo está errado

De acordo com Ellen Moraes Senra, psicóloga e especialista em terapia cognitivo comportamental, a criança costuma manifestar que algo está errado ficando mais ansiosa e medrosa, ou com alterações no sono, na alimentação e no desempenho na escola. “As vítimas de violência sexual também podem repetir a violência que sofreram por meio de brincadeiras sexualizadas ou com outros colegas. É importante também observar se há marcas no corpo”, diz ela.

Traumas

Segundo os especialistas, todo ato de abuso sexual compromete o desenvolvimento da criança e do adolescente. “Além de provocar ansiedade elevada e estresse pós-traumático, as vítimas podem desenvolver problemas com a própria sexualidade”, explica Francisco.

Papel dos pais

Quem relata que sofreu violência sexual já está sensível. Por isso, a melhor coisa a se fazer é confiar na criança ou no adolescente. Quando o diálogo entre pais e filhos é aberto e acolhedor, a criança se sente à vontade para revelar o abuso. Feito isso, procure orientação de um psicólogo e psiquiatra para a denúncia.

O caminho da denúncia

Nem sempre as pessoas da casa estão dispostas a falar. Por isso, se você tem contato com uma criança e desconfia que algo possa estar acontecendo com ela, denuncie. “Esse ato é importantíssimo para interromper o ciclo de violência no qual ela está envolvida”, explica Denise Maria Cesario, gerente executiva da Fundação Abrinq. Essas denúncias podem ser feitas através do Disque-100 (você não precisa nem se identificar) ou de outras instâncias, como um Conselho Tutelar. De lá, as informações passam para delegacias especializadas, que investigam os fatos e intimam os envolvidos para depor. A criança pode ser encaminhada para o SUS, a fim de checarem suas condições físicas e também de receber atendimento psicológico. Uma vez comprovado o crime, a Justiça julga o caso e penaliza o abusador de acordo com a legislação.

Ana Bardella e Júlia Arbex
Leia Mais:

Assine a Revista Digital

  • Assine a revista AnaMaria

BEM-ESTAR

  1. 1 Confira um guia completo para evitar as varizes Saiba como evitar as varizes com um guia completo
  2. 2 Especialistas esclarecem mitos e verdades sobre a gripe
  3. 3 O que posso usar para substituir o açúcar?
  4. 4 Por que o câncer é mais comum em algumas famílias?
  5. 5 Conheça as 3 fases para emagrecer com saúde