Depressão e insônia em jovens tem a ver com o tempo de tela, diz estudo

Descubra a hora certa de agir e quais são os limites e as orientações indicadas por especialistas

Izabel Duva Rapoport

Quanto mais tempo nas redes sociais, internet e TV, piores os sintomas | <i>Crédito: Shutterstock
Quanto mais tempo nas redes sociais, internet e TV, piores os sintomas | Crédito: Shutterstock

Resultados de um novo estudo americano indica que quanto mais tempo adolescentes passam diante de alguma tela, piores são seus sintomas de insônia e também de sentimentos depressivos. De telas, entende-se não apenas a navegação na internet, redes sociais, TV ou filmes, mas também o uso de videogames, segundo a Associação de Sociedades Profissionais de Estudos do Sono de Baltimore, nos Estados Unidos. Para perceber os sintomas e saber o que fazer para evitar a saúde mental dos pequenos, conversamos com a psicóloga e coach Livia Marques e com a psicopedagoga do Instituto NeuroSaber Luciana Brites. 

Como perceber que o tempo na frente das telas está afetando a saúde mental da criança ou do adolescente? 
É preciso se atentar a situações que fogem da normalidade. "Se essa criança ou adolescente está parando de comer para jogar, por exemplo, ou se está deixando de dormir, tomar banho e fazer suas necessidades fisiológicas por conta do jogo, é um sinal. E tudo isso acontece", diz Luciana, que conhece jovens que ficaram 36 horas acordados direto, jogando. "Quando isso começa a afetar a saúde da criança, ela começa a não querer mais sair de casa para brincar. Isso é muito prejudicial". Para Livia, além de ficar atento quando o jovem deixa de lado tarefas que antes davam prazer, é preciso observar também possíveis mudanças no comportamento."Perdas acadêmicas e aumento da irritabilidade e do isolamento social são alertas importantes".

O tempo de tela pode causar insônia e depressão?
De acordo com as especialistas, as telas, quando utilizadas por muito, aumentam a ansiedade e, com isso, geram depressão e insônia. "Elas fazem com que as pessoas fiquem tão atentas que chega a alterar o sono e o comportamento", explica Luciana. A depressão, segundo Livia, pode acontecer especialmente por causa da falta de contato social e da perda de vontade de realizar tarefas que antes eram prazerosas. E o sono pode ser prejudicado pela ansiedade de terminar de assistir a um filme, por exemplo, ou passar a fase de um jogo. 

Veja também:
O doutor Google nem sempre ajuda...
Como falar sobre morte com os filhos
Roer as unhas? Nunca mais!

Os pais devem estipular um limite de tempo para os filhos ficarem em frente às telas?
Segundo Luciana, tudo na vida deve ter limite. "O aumento de exposição à tecnologia ocasiona uma série de problemas à pessoa, já que os sistemas computadorizados e os jogos eletrônicos estimulam muito a percepção, que é um tipo de estimulação neurológica que pode viciar. São vários neurotransmissores estimulados no cérebro e, por conta de terem resposta automática (já que a cada clique há uma resposta), as crianças e adolescentes podem até ficarem viciadas em tecnologia", alerta. Livia ressalta também a importância de os pais darem limite de dias e horas. "Hoje, algumas crianças ficam até 8 horas vendo televisão, no computador, tablet ou celular. E em muitos dos casos ainda sem orientação de um adulto".
 
Afinal, qual é o tempo máximo recomendado?
Existem vários estudos que indicam que crianças de 0 a 3 anos não deveriam nem usar tecnologia. "Já tem pesquisa mostrando que criança abaixo de 3 anos que usa tablet demora mais para falar", conta a psicopedagoga do Instituto NeuroSaber, que recomenda de 30 minutos a uma hora de tela por dia para crianças de 4 a 6 anos. Depois disso, o tempo limite gira em torno de 2 a 3 horas. "Mas é preciso cautela. É importante oferecer outras atividades e incentivar a criatividade e autonomia", alerta Livia.
 
Sem esse limite, que tipo de prejuízo as crianças e os adolescentes podem ter na vida adulta?
"Podemos falar de perdas acadêmicas, laborais e diminuição da concentração. Além da dificuldade de se relacionar", esclarece a pscicóloga.

Como pais e amigos podem ajudar?
Luciana recomenda propor experiências e atividades que saem do foco do computador, da tela, do celular ou do tablet. Conversar com empatia e respeito também pode ser um bom caminho, sugere Livia. "Mas é preciso estar atento e saber que essa pessoa pode não admitir sua dependência em tecnologias. Caso necessário, vale buscar auxílio de um profissional para auxiliar neste processo". 

08/06/2018 - 12:43

Conecte-se

Revista Ana Maria