Na dúvida, vai de colete

Ele funciona como um curinga, ajudando a esconder defeitinhos e dando estilo a qualquer look

Ana Bardella

Na dúvida, vai de colete | <i>Crédito: Divulgação
Na dúvida, vai de colete | Crédito: Divulgação
Para sempre acertar na produção

Os coletes de alfaiataria são versáteis. “Podem ser usados tanto no ambiente de trabalho (por cima de camisas e calças ou vestidos sociais) quanto em ocasiões casuais”, diz Chris Tarricone, consultora de estilo de São Paulo. 

Quer usar cores, estampas, texturas e franjas com frequência, mas ainda tem medo de arriscar? Experimente esses elementos no colete, que é fácil de combinar.

 Tecidos mais rígidos, que vão até a linha do quadril, são interessantes para quem deseja disfarçar a região. Vale ainda evitar os modelos curtos e apostar nos que têm capuz!

Quem tem seios e ombros robustos pode optar por lapelas finas, bolsos ou pregas embaixo. Quem tem braços gordinhos deve evitar contraste de cores – e não exagerar nos detalhes das mangas.

O colete aberto é uma das melhores opções para quem está acima do peso, pois cria uma linha vertical, dando a impressão de que
a parte central do corpo é mais fina. Se a cor das peças de baixo for uma só, e a do colete for diferente, esse efeito fica ainda mais intenso.

Quem é baixinha e está tentando deixar as pernas mais longas pode combinar os coletes com shorts e saias – em ambiente informal, claro. Se não, o salto alto pode ajudar.


Poncho para o friozinho!

Os ponchos prometem invadir as ruas e as vitrines durante o outono! Chris explica que os modelos abertos são indicados para quem está acima do peso e para as baixinhas, pois ajudam a criar uma linha vertical. Se você é fã dos modelos fechados, procure deixar os punhos à mostra e vestir roupas mais justinhas na parte de baixo.

02/06/2016 - 14:00

Conecte-se

Revista Ana Maria
Coleção CARAS