Agilidade emocional: Como ela pode te ajudar a ser feliz - iStock

Agilidade emocional: Como ela pode te ajudar a ser feliz

Os truques da psicóloga Susan David para conquistar a realização profissional e pessoal

Luciana Bugni Publicado em 16/07/2018, às 16h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

A vida não tem manual. A frase é um clichê que acaba explicando bem o quanto é difícil tomar decisões e, principalmente, saber se estamos certas ou erradas. Há inúmeros fatores que podem afundar nossos planos em nossa caminhada e nem sempre estamos alertas às armadilhas que se formam por aí. A ideia da psicóloga Susan David, professora na Harvard Medical School e autora do livro Agilidade Emocional (Editora Cultrix, R$ 44,90), é justamente saber driblar essas armadilhas e, assim, tomar decisões mais acertadas.

O que é:
Agilidade emocional: relaxar, se acalmar e viver com mais propósito.

A quem ajuda: pessoas com autoimagem negativa, aflição, dor, ansiedade, depressão, procrastinação, transições difíceis etc.

Como fica quem é emocionalmente ágil: dinâmica, flexível em lidar com o nosso mundo complexo, capaz de tolerar estresse e reveses, capaz de enfrentar a raiva, tristeza com curiosidade, autocompaixão e aceitação, ambiciosas de uma maneira mais eficaz.

Há situações em que as emoções desencadeiam questões antigas, confundindo nossa percepção do que está acontecendo com situações dolorosas do passado.

Como reagimos aos desafios?
Quando nossos sentidos captam informações – sinais de perigo, indícios de algum interesse amoroso, pistas que indicam que estamos sendo aceitos ou excluídos por nossos colegas – nós nos ajustamos fisicamente a essas mensagens. Nosso coração bate mais rápido ou mais devagar, nossos músculos se contraem e relaxam, nosso foco mental intercepta a ameaça ou se tranquiliza no calor da companhia de alguém em quem confiamos. Essas reações físicas incorporadas mantêm nosso estado interior e nosso
comportamento exterior em harmonia com a situação em que nos encontramos e podem nos ajudar não apenas a sobreviver, como
também a florescer. Nosso sistema de orientação natural, que se desenvolveu ao longo de milhões de anos por meio do processo de
tentativa e erro, é muito mais útil quando não tentamos lutar contra ele.

4 passos para adquirir agilidade emocional:

1 Olhar de frente: significa enfrentar voluntariamente seus pensamentos, emoções e comportamentos, com boa vontade, curiosidade e gentileza. Ao olhar esses pensamentos e emoções, podemos trabalhar com eles e seguir em frente.

2 Afastar-se: depois de enfrentar, afaste-se deles e observe de longe apenas o que eles são – pensamentos e emoções. Essa observação evita que nossas experiências nos controlem. Passamos a nos ver como um tabuleiro inteiro de xadrez, repleto de
possibilidades, em vez de nos vermos apenas como uma peça com movimentos limitados.

3 Ser coerente com seus motivos: ao olhar de frente e afastar-se, você passa a ser capaz de ver mais longe. Assim, saberá a maneira mais adequada de chegar lá. Seus valores essenciais norteiam sua busca na direção certa.

4 Seguir em frente: ajustar as partes rotineiras e habituais da vida é poderoso para a mudança! Quando alguma coisa se desequilibra, o poder de se corrigir vem do seu centro. Encontrar o equilíbrio perfeito entre o desafio e a competência. Mantenha um sentimento de desafio e crescimento sempre se perguntando “como eu fracassei hoje?”. Isso vai te levar longe!

Não faça!

Reações autodestrutivos

“SOU REALMENTE UM PERDEDOR”

“SEMPRE DIGO A COISA ERRADA"

“EU SEMPRE CEDO QUANDO CHEGA A HORA DE LUTAR PELO QUE EU MEREÇO”

“VOU ME MAGOAR"

“NÃO É POSSÍVEL CONFIAR NAS PESSOAS”

Bem-estar e Saúde

Leia também

4 fatos que você precisa saber sobre o contraceptivo DIU


Estudo revela que botox pode ajudar a tratar casos de bruxismo


O que acontece se dormir de maquiagem?


Brasil lança nova campanha de incentivo à vacinação


Mito ou verdade: Veja as dúvidas frequentes sobre o implante dentário


Confira 7 alimentos que combatem o cansaço