Crônica da Xênia: A força que vem do passado

A novela Além do Tempo faz despertar memórias adormecidas, mágicas e poderosas

Publicado quinta 29 outubro, 2015

A novela Além do Tempo faz despertar memórias adormecidas, mágicas e poderosas
XENIA - RAUL JUNIOR
Escrevo esta coluna em um sábado preguiçoso, curiosamente quieto... E o passado que mora em mim acabou me remetendo à Avenida Paulista. Há muitos anos, eu jovem – e, modéstia inclusa, linda –, saindo do trabalho e recebendo como presente um espetáculo de imensa beleza! Naquele tempo, ela era estreita, de mão dupla, poucos carros e, de ponta a ponta, ipês formavam um lindo túnel de flores amarelas e lilases, forrando o chão com um tapete que dava dó pisar. 
A Avenida Paulista era o lugar preferido de moradia dos barões do café. Gente muito rica, os chamados paulistas quatrocentões. Entre eles, havia também italianos. A família Matarazzo era a mais famosa: italianos que fizeram fortuna no Brasil. Hoje, o palacete que se transformou em estacionamento, não causaria tanta admiração. Mas, naquele tempo, era um castelo encantado. Quando passávamos pela calçada, tínhamos o cuidado de não falar alto ou bater o salto do sapato para não incomodar a baronesa! A Casa das Rosas tinha um jardim enorme, e as rosas exalavam um perfume suave, porém, que poderia ser sentido de longe. 
Mas tudo acabou. Foi expulso em nome do progresso. A avenida abriu-se, derrubando os casarões e os jardins. Os carros precisavam passar empesteando o ar com seus motores! A novela Além do Tempo me traz um pouco daquela época, não posso negar, pois mora em mim, mesmo correndo o risco de ser chamada saudosista. Às vezes, para viver o presente, é preciso buscar forças no passado. 




Comente a coluna no Facebook: facebook.com/anamaria

Último acesso: 18 Sep 2021 - 19:19:51 (1008292).