AnaMaria
BBB / BBB

BBB 22: Advogada de Linn da Quebrada faz denúncia de crimes transfóbicos

Advogada de Linn da Quebrada vai à policia denunciar crimes de transfobia

Da Redação Publicado em 25/02/2022, às 15h07

Linn da Quebrada está sendo alvo de comentários transfóbicos - Reprodução/Globoplay
Linn da Quebrada está sendo alvo de comentários transfóbicos - Reprodução/Globoplay

A equipe de Linn da Quebrada começou a tomar providências acerca dos comentários transfóbicos que a artista vem recebendo do lado de fora do programa. Nesta quinta-feira (24), os administradores do perfil de Lina no twitter pediram para os internautas encaminharem as ofensas.

Com os materiais, nesta sexta-feira (25), a assessoria de Lina afirmou que a advogada da artista vai abrir um boletim de ocorrência contra os autores.

"A advogada de Linn da Quebrada, Juliana Souza, registrará, às 15h desta sexta-feira, dia 25, na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), em São Paulo, boletim de ocorrência em defesa da artista", disse o comunicado. 

Dentre eles, estão os três podcasters que foram transfóbicos com Linn da Quebrada.

"São, pelo menos, três crimes de transfobia tendo a Linn como vítima", detalhou a assessoria, "presentes em um link de um programa do YouTube, e ataques que foram reportados à equipe da Linn por meio da rede social ou por email.".

ENTENDA O CASO

Mesmo confinada no BBB 22, Linn Da Quebrada foi alvo de transfobia, na tarde desta quinta-feira (24).

Na ocasião, os apresentadores Robert Kifer, Arthur Petry, Bianca e Kaio D'Elaqua, do podcast "Tarja Preta" se referiram à cantora como "troço". Mas os internautas não deixaram barato.

"Eu acho que tem que parar de chamar travesti de ela. Começar a chamar de 'troço' que aí ninguém vai reclamar. Se alguém me chamasse de ele, eu só iria falar assim: Não, eu não sou ele", disse Bianca.

"Nossa, mas o "troço" fica bravo lá no BBB. Fica bravo, né?", completou ela.

Outro apresentador fez questão de debochar, e disse que não tem a obrigação de saber como se referir às pessoas. 

"Aí eles me dizem: Ai, você como homem branco, cis, hetero me ofende. Meu poupe, vai tomar no c*", disse irritado.

Bianca ainda caçoou do fato de Lina ter o pronome "ela" tatuado na testa. A mesma já explicou que decidiu marcar a palavra na pele para que os outros a respeitem e entendam sua vontade de ser tratada no feminino.

"E aquele troço lá ainda tem 'Ela' tatuada na "cara". Acho que deveria ser ainda mais centralizado no rosto porque mesmo assim alguém ainda errou", disse.