AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria
Notícias / BBB / Complicado!

Mãe da Natália revela mudança no vitiligo da sister após entrar no BBB

Mãe de Natália contou que o confinamento alterou a quantidade de manchas

Da Redação Publicado em 17/03/2022, às 11h07

Mãe da Natália revela mudança no vitiligo da sister após entrar no BBB - Reprodução/Instagram
Mãe da Natália revela mudança no vitiligo da sister após entrar no BBB - Reprodução/Instagram

Natália Deodato chamou a atenção do público desde que entrou no BBB 22, por sua personalidade e por ser a primeira pessoa com vitiligo a participar do reality.

Embora a sister demonstre que convive bem com a doença, o vitiligo já teve grande impacto na autoestima da mineira. “A primeira marca de Natália apareceu aos 9 anos. Aos 11, o corpo dela já estava praticamente tomado”, contou a mãe da designer de unhas, Daniela Aparecida Rocha, em entrevista ao portal Metrópoles.

Daniela aproveitou para contar que se preocupou com a decisão da filha de entrar no BBB 22. “Desde criança, ela queria aparecer na TV. Eu fui meio contra. Achei que seria agressivo para ela. Mas, este ano, meu pensamento mudou e a incentivei”, revelou.

Assistindo diariamente o pay-per-view, a mãe de Natália notou diferença nas manchas da sister durante o confinamento. “Ela está com novas marcas. Acho que o estresse e a pressão do BBB pioraram o quadro dela”, contou.

DEMORA NO DIAGNÓSTICO

Segundo a cabeleireira, Natália levou um ano para ser diagnosticada por profissionais da saúde. “Nunca tive uma boa condição financeira, mas levei Natália a um médico da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) assim que a primeira mancha surgiu. As marcas dela vinham acompanhadas de bordas avermelhadas e, por isso, biópsias precisaram ser realizadas até o diagnóstico final de vitiligo”, explicou.

A origem do vitiligo da sister é hereditária, ela também tem parentes com a mesma doença. Apesar de receber orçamento familiar para tomar medicamentos que ajudassem a lidar melhor com isso, Natália enfrentava problemas com sua autoestima.

“Ela se sentia rejeitada, ficava muito cabisbaixa, mas me surpreendeu. Aos 13 anos, quando trocou de escola, Natália mudou a postura e ficou mais autoconfiante. Acho que ela me ajudou mais do que eu a ajudei. Afinal, como mãe, também fiquei abalada com a doença”, contou Daniela.

Por fim, Daniela aproveitou para aconselhar mães que também têm filhos com vitiligo. “Dê atenção para o seu filho. Muitos jovens têm depressão e cometem suicídio hoje em dia. Esteja por perto e busque informação”, finalizou.