AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria

Devo levar ou não o cachorro na próxima viagem em família?

Veja recomendações que prezam pelo bem-estar do animal e, consequentemente, de seus donos

Da Redação Publicado em 02/08/2022, às 08h20

Como deixar o cachorro confortável na próxima viagem em família? - Emerson Peters/Unsplash
Como deixar o cachorro confortável na próxima viagem em família? - Emerson Peters/Unsplash

Fazer uma viagem em família pode ser uma ótima oportunidade para relaxar e recarregar as energias. Com programação fechada, hospedagem e transporte garantidos, vem a dúvida: e o cachorro? Levar ou não? E, se ficar, qual a melhor opção?

De acordo com a geneticista Camilli Chamone, consultora em bem-estar e comportamento canino, são muitas as variáveis para responder a estas questões, mas todas giram em torno de um foco: prezar pela segurança e pelo bem-estar do animal. E isso passa por, obrigatoriamente, conhecer suas particularidades e necessidades.

"Para tomar essa decisão, tente responder: sair de casa será melhor, para o meu cachorro, do que ficar? Só leve se a resposta for positiva", enfatiza. Alguns pontos importantes para esta decisão envolvem logísticas, como duração da viagem, meio de transporte e local de destino.

"Cães não devem ser transportados em bagageiros de ônibus, pois são pouco ventilados. E, no avião, só se, além de tolerarem calor, já serem habituados a usar a caixa de transporte. Já para viagem em cabine, precisam ser calmos e educados, até para não incomodarem as outras pessoas", pontua a geneticista.

Além disso, se já apresentam comportamentos agressivos, o ideal é não arriscar uma mudança de ambiente, pois isso poderá causar mais transtornos do que benefícios – para eles e para seus donos.

VAI LEVAR?

Caso a escolha seja por inserir o peludo na viagem, é fundamental que o lugar seja condizente com suas necessidades naturais, incluindo, por exemplo, contato com sol, terra, mato e cachoeiras, permitindo que fareje prolongadamente as árvores e brinque tranquilo. Por isso, destinos que envolvam a natureza, com passeios, são boas opções. "Se o local não for apropriado e ele ficar trancado, sozinho, em quarto de hotel, melhor não submetê-lo a esse estresse", pontua.

E, se a escolha for por não levá-lo, Chamone aponta três caminhos com foco em seu bem-estar: hospedar em um hotel para cães, com supervisão contínua de profissionais; manter em casa, com uma pessoa de confiança; ou deixar na casa de familiar ou amigo.

Em todos os casos, se o animal não conhece as pessoas ou o ambiente no qual ficará neste período, é imprescindível passar por uma adaptação – algo a ser feito com, no mínimo, 30 dias de antecedência.

“O desenvolvimento cognitivo de um cachorro é o mesmo que o de uma criança de dois anos de idade. Logo, o que faríamos se precisássemos deixar nosso filho de dois anos na casa de alguém? Com certeza, não seria com um desconhecido”, exemplifica.

Segundo a geneticista, os cães não têm noção da impermanência. Com isso, entendem que o cenário vivido no momento é definitivo. "Eles não têm a percepção de que o dono vai voltar; por isso, é comum que, ao serem colocados em locais totalmente desconhecidos, entrem em luto e em um quadro grave de sofrimento. Eles entendem que foram abandonados ali", pontua.

Por isso a necessidade da adaptação gradual, ou seja, levar o cachorro no local que vai ficar aos poucos, bem antes da viagem ocorrer. "Comece deixando-o ali por algumas horas. Depois, por um período; dali mais uns dias, por mais tempo, e assim sucessivamente. Com isso, ele já vai se habituando ao novo ambiente".

No caso de hoteizinhos, é preciso identificar os que entendem de comportamento canino, pois recebem outros animais por ali e precisam saber gerenciar o convívio entre eles.

NA CASA DO "TIO" OU DA "TIA"

Caso a opção seja por deixá-lo na casa de amigos ou familiares na qual ele já está habituado a ir, esse cuidado pode ser dispensado, pois já é um lugar seguro e conhecido. A mesma lógica serve para o animal que permanecer em sua própria casa.

No entanto, seja qual for a opção, Chamone aponta a importância de manter a rotina, pois cães são muito apegados a ela – se muda de uma hora para outra, pode gerar estresse, afetando até o funcionamento do seu sistema imunológico.

"Não raro, cachorros afastados de forma abrupta de casa e das pessoas nas quais convivem desenvolvem doenças de pele, otite, infecção intestinal e vômitos. Manter rotina e fazer adaptação gradual (quando necessário) são ações que evitam o sofrimento desse baque emocional e, consequentemente, não compromete o funcionamento do sistema imunológico", ressalta.

Assim, se o animal passeia todo dia – algo, inclusive, ideal para sua saúde física e mental –, é recomendável, por exemplo, contar com um serviço de dog walker. "Também é essencial propiciar o enriquecimento do ambiente – além de passeios, brinquedos interativos ou um osso para roer; assim, o cão se mantém entretido e sem tempo ocioso".

Com esses cuidados, é possível curtir plenamente a viagem em família, com ou sem o peludo, com a certeza de que, independentemente da escolha, o bem-estar e a segurança estarão garantidos.