AnaMaria

19 de maio: Dia Mundial de Doação de Leite Humano

1 litro de leite materno doado pode alimentar até 10 recém-nascidos por dia

Izabel Duva Rapoport Publicado em 19/05/2018, às 07h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

Um pouquinho é capaz de fazer a diferença - iStock
Um pouquinho é capaz de fazer a diferença - iStock

"Estou com o peito cheio a ponto de sentir desconforto entre as mamadas". Este é um dos relatos mais frequentes das mães que escolhem doar o leite não consumido pelo seu bebê para salvar a vida de outros recém-nascidos, segundo informações da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano/Fundação Oswaldo Cruz (rBLH-BR/Fiocruz).

Hoje, 19 de maio, é celebrado em mais de 20 países o Dia Mundial de Doação de Leite Humana. A data foi criada para incentivar a doação e também conscientizar as pessoas sobre a importância de um gesto tão simples e tão poderoso ao mesmo tempo, capaz de reduzir a mortalidade neonatal e infantil em todos os cantos do mundo. 

Marli Miller, Izabel Duva Rapoport e Luciana Bugni, da Redação AnaMaria, em um dos momentos mais sublimes das suas vidas.

Como funciona a doação?
Antes de mais nada, vale falar que não é necessário ter uma produção demasiada de leite para se tornar doadora. Além disso, não existe quantidade mínima para a doar. Isso porque um pouquinho de leite já faz muita diferença. Só para ter uma ideia: um litro pode alimentar até 10 recém-nascidos por dia. Muitos prematuros, por exemplo, que ocupam a lista prioritária dos Bancos de Leite Humano (BLH) do Brasil, já conseguem se nutrir com 1 ml a cada vez que for alimentado. Todo o leite doado é analisado, pasteurizado e submetido a um rigoroso controle de qualidade, feito dentro dos próprios bancos de leite, antes de ser ofertado a uma criança. 

Quem pode ser doadora?
Algumas mulheres quando estão amamentando produzem um volume de leite além da necessidade do bebê, o que possibilita que sejam doadoras de um banco de leite humano. Além disso, ela deve ser saudável, não usar medicamentos que impeçam a doação e se dispor a ordenhar e a doar o excedente ao banco de leite humano mais perto da sua casa. Para encontrá-lo, clique aqui

Veja também:
Sabia que o tempo te torna mais parceira da sua mãe?
Leite materno: muito mais que um alimento
Mil dias que valem por uma vida

Como é feita a coleta?
Em casa, no trabalho ou no ambiente hospitalar, a coleta precisa seguir o passo a passo abaixo:
■ Ferva um vidro de tampa plástica rosqueável por 15 minutos e deixe-o secar sozinho – é nele que o leite será armazenado.
■ Lave bem as mãos e coloque um lenço no cabelo e outro tampando nariz e boca.
■ Com as mãos ou com o auxílio de bombas extratoras, manuais ou elétricas, despreze as primeiras gotas e tire o restante do leite do seio, depositando o líquido no frasco.
■ Ao terminar, adesive o recipiente com seu nome, data e hora da coleta, e reserve no congelador. A identificação é importante para garantir o prazo daquela leva.

Envio do leite
O frasco pode ser levado até um banco de leite em uma bolsa térmica por qualquer pessoa. Há também o serviço de coleta domiciliar: para isso, basta entrar em contato com o banco de leite mais próximo de você. Informações: www.rblh.fiocruz.br