AnaMaria

6 principais exames indicados para os idosos

É importante que os pedidos de exames sejam individuais. Mas tem alguns que são mais comuns...

Redação Revista AnaMaria Publicado em 24/03/2017, às 10h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h45

Idade é relativo! Prevenção é tudo! - Shutterstock
Idade é relativo! Prevenção é tudo! - Shutterstock
"Quais são os principais exames que os idosos precisam fazer?”

B. L., por e-mail


Quando nascemos, somos muito parecidos entre nós no que diz respeito ao desenvolvimento de doenças. Mas com o passar dos anos, vamos nos diferenciando. Ainda que existam doenças mais comuns entre quem está na terceira idade, há diferenças entre as pessoas. Por isso, é importante que os pedidos de exames sejam individuais – não é só pedir por pedir. Aí, a conversa com o médico e um exame clínico atencioso são fundamentais para uma boa consulta. Mas, no geral, se costuma pedir:

 Colesterol e triglicérides: para avaliar os riscos cardíacos.
 Colonoscopia: para avaliar o cólon e o reto e alterações que podem se transformar em tumores. Se tiver histórico na família, o exame deve ser feito antes dos 50 anos.
 Exame de próstata: a Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que seja feito por homens a partir dos 50.
 Exames de fundo e pressão do olho: para observar a área mais profunda do globo ocular e a pressão intraocular, identificando alterações que podem prejudicar a visão, como o glaucoma.
 Mamografia: ajuda a detectar o câncer de mama na fase inicial. A partir dos 50 é primordial. Se há histórico familiar, faça até antes disso.
 Densitometria óssea: analisa a densidade e integridade dos ossos. Nos casos de menopausa precoce ou histórico familiar de  osteoporose, deve ser feito antes dos 65.


Precisa mesmo?
Orientar o paciente a fazer um determinado exame cabe ao médico. E esse é um tema bem polêmico, pois aos poucos estamos
percebendo que nem sempre é útil fazer uma bateria de exames. Recentemente, nove sociedades médicas americanas lançaram uma lista solicitando maior rigor ao pedir alguns testes. Por exemplo, nem sempre é necessário fazer uma tomografia para casos de
sinusite ou dores de cabeça. Eletrocardiogramas também devem ser feitos com parcimônia. Além do desgaste físico, custa caro!


Dr. Paulo Camiz é geriatra e professor da Faculdade de Medicina da USP. É também idealizador do projeto “Mente Turbinada”, que desenvolve exercícios para o cérebro. Para ler outros artigos escritos por ele, acesse ogeriatra.com.br


Envie suas perguntas para dr. Paulo Camiz pelo e-mail anamaria@maisleitor.com.br