AnaMaria
Bem-estar e Saúde / Você em primeiro lugar

Autoconhecimento: confira 6 dicas para ajudar você a alcançar mais sucesso

Confira 6 dicas para ajudar você a elevar a autoestima com o autoconhecimento

Júlia Arbex Publicado em 27/10/2019, às 14h30

É preciso assumir que somos responsáveis por tudo que acontece em nossa vida - Banco de Imagem/Getty Images
É preciso assumir que somos responsáveis por tudo que acontece em nossa vida - Banco de Imagem/Getty Images

O autoconhecimento é a prática para identificar as crenças e os padrões mentais que alimentam a nossa personalidade, ações e visões de mundo. 

Tatiana Pimenta, fundadora da Vittude, plataforma que conecta psicólogos e pacientes, dá seis dicas para ajudar você a elevar a autoestima, conquistar – e manter! – relações sinceras, além de alcançar mais sucesso na vida.

O QUE É UMA VIDA SEM AUTOCONHECIMENTO?
Relacionamento ruim, discussão no trabalho ou na família, falha em um projeto pessoal... Repare, algumas situações de sua vida se repetem, mesmo que você deseje nunca mais passar por elas. 

Pode acreditar, isso não é uma conspiração universal contra nós. Na realidade, sem percebermos, às vezes, perpetuamos padrões capazes de reproduzir esses episódios várias vezes. A mesma coisa acontece para as situações boas: se forem constantes em nossa vida, significa que estamos fazendo algo para vivenciá-las. 

QUESTIONE-SE
As perguntas são as principais aliadas para revelar o que está bem diante de nossos olhos, mas não conseguimos ver. Por isso, questione-se sobre o que é importante para você, o que gosta e não gosta e se sua vida está como imaginava quando era mais nova. Você pode também relembrar situações ruins do passado e procurar entender o que nelas não lhe agradou. Quando estiver certa das respostas, procure meios para mudar o seu comportamento. Esta é a principal premissa do autoconhecimento: antes de agir, é preciso se conhecer e compreender os porquês. 

MONITORE-SE
Assim que você identificar suas qualidades, defeitos, crenças e pensamentos, fique atenta para quando se manifestarem no dia a dia. Com essa prática diária, os momentos em que antes você agia por impulso ou inconscientemente se tornarão mais claros. Ou seja, ao identificar o “motivador” para as suas ações e pensamentos, conquistará o poder para escolher alternativas um pouco mais saudáveis.

CONHEÇA A SUA PERSONALIDADE
Responder à pergunta “quem é você?” nem sempre é fácil. Estamos cheios de dúvidas em relação a quem somos e quem desejamos ser. Mas as características que formam a nossa personalidade contêm dicas valiosas para encontrarmos essa resposta. Para conseguir isso, procure adquirir o hábito da autorreflexão. Por exemplo: uma pessoa tímida pode não se dar tão bem em uma profissão que exija constante interação com o público. Ela pode até desempenhar as atividades quando necessário, mas, com o tempo, sentirá que está no lugar errado. Em vez de encarar a situação como fracasso, o autoconhecimento fornece a consciência necessária para escolher uma profissão mais adequada.

ASSUMA A SUA PARCELA DE RESPONSABILIDADE 
É preciso assumir que somos responsáveis por tudo que acontece em nossa vida. No entanto, isso não quer dizer que você tenha que se sentir culpada por algo ruim que aconteceu no passado. Muitas coisas estão além do nosso controle, mas nós somos responsáveis por nossa reação diante da dificuldade. Ao assumirmos a responsabilidade, temos a capacidade de pedir perdão quando necessário e buscar o desenvolvimento pessoal. 

MANTENHA UM DIÁRIO
Um bloco de anotações é um espaço para escrever livremente. Neste caderno ou documento virtual: Registre sua evolução no processo de obter conhecimento sobre si. Identifique crenças formadas no passado. Responda às perguntas honestamente. Relembre atributos positivos e negativos, procurando melhorá-los sempre.  Elenque seus objetivos, planos e metas para motivar a mudança de comportamento.

EXERCITE O AUTOPERDÃO
Se autoconhecer é perdoar a si mesmo. E isso inclui nossas falhas, nossos piores momentos e até mesmo nossos pensamentos e sentimentos negativos. Sem o autoperdão, não é possível avançar profundamente no autoconhecimento. Em outras palavras, devemos olhar para o nosso “eu” do passado e do presente com compaixão. Eventualmente, cometemos erros ou falamos o que não devíamos. O ressentimento nos impede de aceitar quem somos de verdade.