AnaMaria

Bebida falsificada na folia pode cegar; veja como se proteger

Risco está quando os drinques vêm com adição de metanol; saiba como evitar problema

Da Redação Publicado em 05/03/2019, às 09h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

Cuidado com a bebida que você compra no Carnaval - iStock
Cuidado com a bebida que você compra no Carnaval - iStock

O consumo de bebidas alcoólicas no Brasil supera a média global segundo levantamento da OMS (Organização Mundial da Saúde) divulgado em 2018. Os dados do Ministério da Saúde apontam que a ingestão  abusiva atinge 27,1% dos homens contra e 19,1% das mulheres no país.  

No período do  Carnaval nem é preciso dizer que a população bebe ainda mais. O maior problema é a comercialização por destilarias clandestinas de bebidas com mais metanol do que o permitido pela legislação.

Segundo o  oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, dependendo da concentração, esta substância causar neurite óptica, uma lesão no nervo óptico que pode levar à perda definitiva da visão. 

O especialista ressalta que o máximo de metanol permitido nos destilados pela legislação é 0,25ml/100 ml de álcool anidro, limite que geralmente é desrespeitado no uísque, vodka e até na  cachaça falsificada.

SINTOMAS E DIAGNÓSTICOS
Queiroz Neto afirma que quando o metanol é metabolizado produz substâncias que provocam neurite óptica, uma desmineralização do  nervo óptico  que tem como sintomas dor de cabeça, náuseas, vômitos , queda na visão de contraste e até cegueira. 

Simultaneamente causa  danos nos rins, fígado, coração, pâncreas e até alterações na camada externa do cérebro que caracterizam a esclerose múltipla. A intensidade dessas reações, observa, depende da quantidade ingerida e mesmo que a intoxicação passe despercebida, ela deixa sequelas que  podem dar sinais depois de algum tempo.

O diagnóstico da neurite óptica  é feito com ressonância nuclear magnética dos nervos ópticos. “Para minimizar as sequelas de uma possível esclerose múltipla, o paciente é encaminhado a um neurologista”, afirma. Estudos mostram que mulheres afetadas pela neurite óptica têm o dobro de chance de ter esclerose múltipla quando comparadas à população masculina.

TRATAMENTO
O especialista afirma que o tratamento depende da avaliação de cada caso, mas geralmente são aplicadas injeções de corticóide para reduzir a inflamação do nervo óptico. 

A recuperação pode demorar semanas ou meses e ocorrer queda da visão de contraste e de cores, mesmo nos casos em que a exposição ao metanol é pequena. Nas exposições mais intensas as lesões no nervo óptico causam perda irreversível da visão.

PREVENÇÃO
Antes de comprar qualquer bebida no Carnaval, as dicas do oftalmologista para prevenir complicações são:

  • Evitar o consumo de doses caso não possa checar o rótulo
  • Checar o lacre da garrafa
  • Verificar no rótulo da garrafa o registro do Ministério da Agricultura.

OUTROS RISCOS
Queiroz Neto ressalta que no carnaval as aglomerações em salões fechados também aumentam a propagação de conjuntivite, inflamação da conjuntiva, membrana que reverte a pálpebra e a parte branca dos olhos.

O tipo mais comum é a viral, causada por suor, compartilhamento de maquiagem e mãos suja, salienta. Ao primeiro desconforto, geralmente identificado como sensação de areia nos olhos,  indica fazer compressas frias. Não desaparecendo os sintomas em dois dias é necessário consultar um oftalmologista. 

A penetração de maquiagem, espuma de carnaval e glitter nos olhos pode causar a conjuntivite alérgica que também tem como primeiro socorro a aplicação de compressas frias para diminuir a coceira.

As dicas de prevenção do médico que garantem que a pessoa curta a festa com mais conforto para seus olhos são: lavar as mãos com frequência, não compartilhar maquiagem e evitar o excesso de brilho.