AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria

Comece a se exercitar e turbine a sua saúde

Descubra as atividades físicas que vão ajudá-la a dormir melhor, driblar a depressão e até melhorar a memória

Redação Publicado em 28/09/2015, às 14h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h44

bem-estar 988 - shutterstock
bem-estar 988 - shutterstock
Ioga = equilíbrio total

Além de garantir músculos tonificados e de melhorar o alongamento, os ásanas (nome das posturas) têm impacto direto nas emoções. “A interação dos movimentos, da respiração e da meditação reduz os níveis de ansiedade;  consequentemente, atua no tratamento da depressão”, diz Ricardo Monezi, pesquisador do Instituto de Medicina Comportamental da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Para começar – a respiração abdominal (ou diafragmática), praticada na ioga, traz mais bem-estar para quem a pratica. Experimente você também. Comece assim: pelo menos dez minutos por dia respire lenta e profundamente, levando o ar até a barriga – na inspiração, o abdômen se dilata e o tórax afunda. Na expiração, acontece o oposto. Com o tempo, você se sentirá mais serena e equilibrada.


Pilates = sono reparador

Mais do que garantir a barriga sequinha, esta atividade física pode render outro ótimo benefício: uma boa noite de sono. “Os movimentos de força e alongamento da técnica relaxam a musculatura tensionada durante o dia, colaborando para um sono reparador”, fala Liliane Ribeiro Ferreira, fisioterapeuta do Núcleo de Medicina Sistêmica (SP). Estudos mostram que a respiração diafragmática (também conhecida como otimizada) mobiliza a coluna vertebral na altura do tórax, interferindo no sistema nervoso autônomo e diminuindo a ansiedade. 

Para começar – deitada de barriga para cima, joelhos flexionados e braços ao lado do corpo, inspire pelo nariz, inflando o abdômen. Com a língua entre os dentes, solte o ar pela boca (aos poucos). Ao expirar, contraia o ventre, como se fosse “colar” o umbigo nas costas. Repita cinco vezes.


Tai chi chuan = menos estresse

O  tai chi chuan é procurado por quem deseja exercitar não só o corpo, mas também a mente. “Como exige concentração, o praticante precisa manter-se o tempo todo focado no movimento, de olhos bem abertos, com consciência do corpo e do ambiente ao seu redor. Por isso, o tai chi ensina a prestar mais atenção aos próprios limites para superá-los, quando necessário”, conta Angela Soci, diretora da Associação Brasileira de Tai Chi Chuan (SP). Em momentos de estresse, o aluno consegue manter a calma sem desperdiçar energia e, por fim, resolver o problema da melhor maneira possível.

Para começar – una-se a um grupo (há aulas de tai chi chuan em parques e praças de várias cidades). Depois, com mais experiência, dá para você treinar sozinha, numa boa.


Caminhada = memória tinindo

Estudos recentes provam também que exercícios aeróbicos, como a caminhada, têm relação direta com o aprendizado. “Diversas pesquisas mostram que há um aumento do fluxo sanguíneo no cérebro e, consequentemente, uma melhora na fixação da memória”, fala Ricardo Zanuto, doutor em fisiologia humana e biofísica pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP). Além disso, a caminhada estimula uma área do cérebro que aumenta a produção de neurônios, permitindo novos aprendizados.

Para começar – caminhe duas ou três vezes por semana de 20 a 30 minutos, num terreno plano, com tênis confortável e ritmo forte e constante. Na prática, isso equivale a uma velocidade de cerca de 4 km/h. Você ficará ofegante. Para saber se não exagerou, veja se consegue falar normalmente com uma amiga após o exercício.