Coronavírus: O que realmente funciona na hora de aumentar a imunidade?

Especialistas dão dicas de como fortalecer seu sistema imunológico

Juliana Ribeiro Publicado sexta 20 março, 2020

Especialistas dão dicas de como fortalecer seu sistema imunológico
Uma pessoa com o sistema imunológico adequado tem muito mais defesas - Banco de Imagens/Getty Images

Diante da velocidade da disseminação do Covid-19 em todo o mundo, inclusive no Brasil,  aumentou bastante  a preocupação sobre as medidas necessárias para evitar o contágio da doença.

Além das orientações sobre as formas de higiene e limpeza de ambientes, também cresceu a preocupação quanto ao fortalecimento do sistema imunológico, que responde pela proteção do organismo.

Como ainda não existe vacina ou medicamentos contra o vírus, a melhor forma de defesa é blindando seu corpo, e alguns cuidados podem ajudar (e muito!) na hora de enfrentar a doença. 

Em entrevista à AnaMaria Digital, especialistas alertam que, apesar de não impedir o contágio específico ao Coronavírus, algumas medidas podem dar suporte ao corpo para otimizar as defesas do organismo.

Confira!

PRAZER, SISTEMA IMUNOLÓGICO!

O sistema imunológico nada mais é do que uma rede extremamente complexa de células e moléculas responsáveis por proteger as pessoas de vírus, bactérias, fungos e outros agentes que causam doenças. 

Fátima Rodrigues Fernandes, diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, explica que ainda falta muito para entender todas as ações do sistema imunológico.

"Nem sempre o sistema imune muito ativo é desejável, pois o mais importante é que ele responda de maneira precisa e na dose certa. O excesso de resposta de maneira inadequada pode levar a hipersensibilidade como as alergias ou autoimunidade, como alguns tipos de diabetes e doenças reumáticas", diz.

CUIDADO COM OS EXCESSOS

De acordo com a imunologista, há diversas formas de você dar uma força para a sua imunidade. Consumir suplementos de vitaminas e minerais é uma delas, porém, ela alerta que é preciso atenção.

"Tomar dose alta de uma vitamina ou mineral sem ter carência (falta) comprovada por exames não vai melhorar o seu sistema imunológico e pode até causar intoxicações e doenças pelo excesso. Algumas, como a vitamina C e B, não permanecem no seu organismo, e outras se acumulam e podem causar problemas", explica. 

Ela ainda destaca que, até o momento, não existe evidências de que tomar quantidades extras de qualquer vitamina melhore o sistema imunológico ou garanta proteção, caso a pessoa não tenha deficiências de micronutrientes. 

"No entanto, os mais velhos, com maior probabilidade de ter tais deficiências, devem discutir essa questão com um médico que tenha conhecimento sobre nutrição geriátrica", ressalta.

VACINAÇÃO EM DIA

Para a médica, a maior arma para reforçar a imunidade é manter as vacinas em dia. Ela explica que muitas infecções graves podem ser prevenidas por uma simples imunização. 

"Estudos indicam que indivíduos que tem sua vacinação completa podem estar mais protegidos contra outros microorganismos emergentes e, além disso, ajudam na proteção passiva da comunidade (o chamado efeito rebanho)", diz.

A especialista ainda ressalta que muitas pessoas deixam de tomar vacinas por medo dos efeitos colaterais, o que é um grande erro.

"Este risco existe, mas é raro e, se formos analisar os riscos e benefícios, elas nos dão muito mais vantagens do que desvantagens. O risco de uma reação séria de uma vacina é muito pequeno em comparação com a grande quantidade de vacinas que se aplica", afirma. 

ALIMENTAÇÃO

Para o médico Daniel Magnoni, chefe de Nutrologia do Instituto Dante Pazzanese do Hospital do Coração - HCor, não tem como aumentar a imunidade sem mudar a alimentação. "A produção de células de defesa depende disso. O desnutrido tem baixa imunidade, o idoso também", explica.

Segundo o nutrólogo, dentre os alimentos que ajudam a aumentar as defesas do organismo, a proteína ganha destaque e é a mais associado à melhora da imunidade. E pode ser de qualquer tipo: animal, whey protein e soja estão entre as opções.

"A proteína animal tem um coeficiente maior, um índice, chamado QR, que mede a capacidade do alimento ingerido de produzir proteína no nosso organismo. A melhor proteína vegetal é a soja, que tem o perfil de aminoácidos mais parecido com o da proteína animal. Mas esta última versão ainda é melhor", garante.

Contudo, Magnoni explica que, caso a pessoa não consuma carne, ovos ou leite, por exemplo, existem outras opções de alimentos ricos em proteína. 

"Se não ingere nada disso, se é vegetariano, não quer dizer que vai ter imunidade zero, mas tem que se concentrar nos vegetais com bastante proteína, como trigo, ervilha, soja e leguminosas de uma forma geral. Quanto mais 'in natura' o vegetal, maior seu aporte de proteínas e minerais. Brócolis cozido tem menos propriedades do que brócolis fresco na salada", destaca.

"Além disso, você também tem que aumentar a ingestão de zinco, selênio, magnésio, cálcio e vitaminas A, B e C. As frutas são as melhores fontes desses nutrientes", sugere. 

Uma alimentação saudável contribui para o aumento das defesas do organismo FOTO: Getty Images

ESTRATÉGIAS SAUDÁVEIS

Para Fátima, todo organismo, incluindo o sistema imunológico, funciona melhor quando é protegido contra ataques ambientais e lança mão de estratégias de vida saudável. 

Diante disso, ela destaca: "Não fumar e não se expor ao fumo passivamente, fazer exercícios regulares, manter um peso saudável, controlar doenças crônicas, ingerir álcool com moderação, dormir adequadamente e ter boa higiene são ótimas atitudes". 

Magnoni completa que, quando se está com a imunidade reforçada, a pessoa se recupera com mais rapidez de diversas doenças, e isso vale para os pacientes com Covid-19.

"Uma pessoa com o sistema imunológico adequado, normal, tem muito mais defesas, a própria formação de anticorpos vão levar você a ter uma resposta mais rápida e melhor". garante. 

ATENÇÃO REDOBRADA

A imunologista deu algumas dicas importantes que contribuem para manter os vírus afastados de forma simples, seguindo apenas bons hábitos de higiene pessoal e medidas a seguir:

LIMPE AS MÃOS: Enquanto alguns germes são transmitidos pelo ar, na maioria das vezes, a doença ocorre depois que você toca uma superfície contaminada. Os germes se movem das mãos para os olhos, nariz ou boca. Portanto, faça um esforço para não tocar seu rosto.

MOMENTOS CRUCIAIS: Lave as mãos com água e sabão antes de preparar a comida e depois de usar o banheiro.

AO ESPIRRAR OU TOSSIR: Cubra a boca e o nariz com um lenço de papel e depois lave as mãos. No entanto, é sempre melhor tossir no cotovelo e não na mão.

CUIDADO COM OS FERIMENTOS: Lave e proteja todos os cortes e ferimentos na pele. Qualquer corte grave, ou mordida de animal ou humano, deve ser examinado por um médico. 

NÃO MEXA: Não espremer feridas, manchas ou espinhas. Fazer isso permite a entrada de germes.
 

Último acesso: 17 Jan 2021 - 00:02:51 (1103580).