AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria

Dê um chega pra lá no estresse

Selecionamos quatro automassagens que, além de relaxar, combatem os males causados pelo nervosismo nosso de cada dia. Aposte nelas!

Redação Publicado em 25/04/2016, às 10h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h44

Dê um chega pra lá no estresse - Shutterstock
Dê um chega pra lá no estresse - Shutterstock
Acúmulo de funções, trânsito, pressão em casa e no trabalho, notícias de crise e violência que se espalham aos montes... Todas vivemos expostas a esses problemas diariamente. Por mais que a gente procure se blindar, nem sempre dá certo. 
A qualidade de vida acaba comprometida por desconfortos físicos e mentais, como dores e ansiedade. “Tais males aparecem porque a pessoa não consegue relaxar e voltar ao eixo após uma situação estressante. O corpo permanece em estado de alerta, descarregando hormônios e acelerando a respiração e os batimentos cardíacos”, diz a psicóloga Ana Maria Rossi (RS), presidente da International 
Stress Management Association no Brasil (Isma-BR).
A boa notícia é que aliviar essas tensões está nas nossas mãos...  Literalmente! “A massagem certa dissolve tensão e proporciona relaxamento. A pausa na rotina ainda promove bem-estar e desvia o foco das preocupações”, afirma. 
Para não sobrecarregar mais seu organismo e acabar deixando-o doente, repense  sua rotina. Desacelere o que for possível e contorne o estresse com estes movimentos simples. Em poucos minutos você sentirá uma boa diferença!


Dor de cabeça

Estudos apontam que nove em cada dez mulheres sofrem de dores tensionais – que geralmente surgem após um dia exaustivo. Originária da ayurveda (a medicina tradicional indiana), a massagem abhyanga pode trazer alívio quase imediato. “Usamos óleo vegetal para facilitar os movimentos e nutrir os marmas (pontos energéticos do corpo). O óleo também ajuda a movimentar a energia e as toxinas acumuladas, combatendo a dor”, diz Elaine Cecília Guerra, terapeuta ayurveda do espaço Cítara Saúde (SP). 

Como fazer: Pingue óleo de amêndoas nos dedos indicador e médio de uma das mãos e posicione-os no primeiro ponto marma, localizado entre as sobrancelhas. Faça movimentos circulares no sentido horário, pressionando suavemente 
até a dor passar. 


Dor de estômago

“O estômago possui ligação direta com o sistema nervoso central – daí ser muito sensível às mudanças de humor. Quando estamos sob pressão, ele produz mais ácido gástrico, que normalmente só é liberado para digerir os alimentos. Essa reação leva à dor e à queimação”, conta a massoterapeuta Tahiana Ferraço, do Instituto Holístico Florescer (SP). Ela indica o do-in, técnica de automassagem baseada na medicina tradicional chinesa, que usa os mesmos pontos da acupuntura para normalizar o fluxo de energia no corpo e dar fim ao mal-estar.

Como fazer: Vire a palma da mão esquerda para cima e, com o polegar da direita, pressione o punho (a dois dedos de distância da base da mão) por cinco minutos. Descanse um minuto 
e repita até a dor sumir.


Angústia e ansiedade

Aquele aperto no peito, somado à mente atribulada, pode ser superado com um exercício de Jin Shin Jyutsu, um tipo de terapia oriental. “O corpo possui vários caminhos energéticos que nutrem as células. Quando um deles é bloqueado, sentimos desconfortos e até dor. A prática reorganiza a circulação da energia”, diz Alessander Luigi Palma, coordenador do Escritório Brasileiro do Jin Shin Jyutsu (SC).

Como fazer: Cruze os braços calmamente sobre o peito e deixe as mãos embaixo deles. Fique na posição por alguns minutos e perceba a tensão indo embora. Desfaça o abraço somente quando você voltar a se sentir mais segura.


Tensão no pescoço

Quando fica enrijecida, essa sensível região faz com que cada movimento da cabeça vire um tormento de dor. O incômodo pode se estender para os ombros e braços. Como combater? Usando a reflexologia podal. “Essa técnica vê os nossos pés como um mapa, no qual temos pontos correspondentes a todas as partes do corpo. Ao estimulá-los, dissolvemos as tensões”, detalha Cleide Ribeiro, massoterapeuta no Zahra Spa e Estética (SP). 

Como fazer: Com os polegares, explore firme e delicadamente a sola do pé. Depois, segure um dedo por vez e puxe-o suavemente na sua direção. Capriche ao chegar ao polegar: na lateral externa desse dedo, perto da base, está o ponto reflexo ao pescoço. Repita o procedimento no dois pés, ok?



A evolução do estresse

“Essa emoção não é boa nem ruim – tudo depende da forma como é interpretada”, diz Ana Maria. Confira os seus três níveis:

Fase de ALARME
Indica que algo merece atenção. Para nos preparar para a reação, há uma descarga hormonal que nos põe em alerta. 

Fase de RESISTÊNCIA 
Ocorre quando, após o evento estressante, a pessoa continua fora do seu eixo. Surgem dores e outros sinais desagradáveis.

Fase de EXAUSTÃO
Se não houver uma intervenção para romper os sintomas negativos, o indivíduo entra num estresse crônico. Aqui, os desconfortos podem se transformar em doenças.


Conteúdo Revista Máxima
{# Taboola Newsroom #}