Dossiê da cárie: o que é, como tratar e o que fazer para não ter nunca mais

Esclarecemos as principais dúvidas sobre o assunto e ainda damos dicas de como manter uma boa higiene bucal

Da Redação Publicado sábado 18 julho, 2020

Esclarecemos as principais dúvidas sobre o assunto e ainda damos dicas de como manter uma boa higiene bucal
O correto é visitar o dentista regularmente a cada seis meses - Martin Slavoljubovski/Pixabay

A cárie é uma doença bucal multifatorial, caracterizada por lesões que, quando não tratadas, podem atingir regiões mais profundas do dente, como a dentina e a polpa. E é nesse momento que a sua simples cárie pode virar um belo tratamento de canal. E só quem já passou por isso, sabe o quanto é doloroso. Infelizmente, um dos principais motivos para o surgimento da cárie é o excesso de consumo de carboidratos e açúcares, principalmente a sacarose.

“Associado a uma higiene bucal inadequada, isso vai favorecer a lesão de cárie, uma vez que as bactérias presentes na placa irão metabolizar o açúcar consumido, produzindo um ácido, responsável por desmineralizar a superfície dental e iniciar a lesão", explica a cirurgiã-dentista Brunna Bastos, da GUM, marca americana de cuidado bucal.

AnaMaria Digital separou as principais dúvidas sobre o assunto. Após a leitura, apostamos que você nunca mais vai esquecer de escovar os dentes!

ADULTO TAMBÉM TEM CÁRIE?
Sim, apesar de muito se discutir sobre a cárie em crianças, devido ao alto consumo de açúcar e higiene bucal inadequada, adultos também estão sujeitos às lesões de cárie, principalmente a cárie radicular. 

Esse tipo de desgaste dentário acontece pois, conforme vamos envelhecendo, a gengiva vai se retraindo e deixando exposta parte da raiz do dente. Esta, mais frágil por não conter a proteção do esmalte dentário, fica mais suscetível à cárie.
 
DÁ PARA SABER SE TENHO UMA CÁRIE ANTES DE IR AO DENTISTA?
A fase inicial da doença é caracterizada por uma mancha branca quase que imperceptível e pode não apresentar nenhum sintoma a princípio. Por isso, o dentista é o profissional apto a diagnosticar a lesão. Caso não for tratada, essas pequenas lesões acabam aumentando e causando sensibilidade e/ou mesmo dor ao consumir alimentos doces ou bebidas quentes ou frias. 

Deste modo, para não ocorrer a progressão da doença, o correto é visitar o dentista regularmente a cada seis meses, assim como atentar-se para uma boa higiene bucal, com escovação ao menos 2x ao dia com gel dental com flúor e o uso diário de fio dental.

CÁRIE CAUSA DOR?
Sim, especialmente nos estágios mais avançados, quando o esmalte dentário já sofreu desgaste e a região da dentina já foi atingida. Em casos extremos, pode ainda ocasionar a inflamação da polpa (parte inervada do dente), causando infecção.

"Deste modo é importante não ignorar o incômodo gerado, assim como não se automedicar, uma vez que a dor sinaliza que a há algo de errado com o dente, sendo necessário agendar uma consulta ao dentista, profissional apto a diagnosticar e tratar a doença bucal antes que ela se agrave", ressalta Brunna.

COMO FUNCIONA O TRATAMENTO?
Depende do estágio da cárie, mas voltamos a ressaltar que a melhor forma é a prevenção, adotando uma higiene bucal adequada com uma correta escovação e o uso do fio dental diariamente, além de consultas regulares ao dentista.

"Existem atualmente produtos inovadores que facilitam o uso do fio dental, como o fio dental com haste, indicado tanto para adultos, por ser mais prático de usar, quanto para crianças, na sua versão infantil, por possuir um sabor atrativo e ser de fácil manuseio, inserindo o hábito de uso do fio dental ainda na infância. Há também escovas infantis que possuem um cronômetro com luz, indicando o tempo adequado para a escovação e motivando a criança para o cuidado bucal", destaca.

No caso do tratamento, o melhor é procurar ajuda odontológica ainda no início do problema, ou seja, quando existem apenas lesões de manchas brancas, sendo possível reverter a lesão, remineralizando o esmalte dental com a aplicação tópica de flúor. Caso a lesão de cárie esteja em estado mais avançado, a opção será a restauração, removendo o tecido cariado e restaurando a anatomia dental, com a resina composta, por exemplo. 

“O importante será conscientizar o paciente e motivá-lo sobre a necessidade de adotar novos hábitos, como a realização de uma boa higiene bucal e consumo de alimentos saudáveis, prevenindo assim a doença", ressalta a especialista.

Último acesso: 06 Aug 2020 - 21:53:11 (1117011).