AnaMaria

Idade é relativo! Essa falta de ânimo é normal?

Você não irá correr os 100 m aos 80 anos, mas deve ser capaz de andar tranquilamente esses 100 m!

Dr. Paulo Camiz Publicado em 07/11/2017, às 16h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h45

Idade é relativo! Essa falta de ânimo é normal? - iStock
Idade é relativo! Essa falta de ânimo é normal? - iStock

"Meu marido sempre foi muito ativo, mas agora anda cansado, reclama de insônia e não quer transar. Será que ele está doente ou só está ficando velho?”
R. T., por e-mail

Tema frequente no consultório é o que atribuir à doença e o que atribuir à idade. Afinal, envelhecer é por si só sinônimo de disfunção? Não!
Quando nascemos, somos totalmente dependentes para tudo e vamos nos tornando progressivamente mais funcionais e independentes até
atingirmos um auge de funcionalidade física, mas não necessariamente intelectual, por volta dos 30 anos. Essa funcionalidade tende a declinar com o passar dos anos. Dessa forma, você não irá correr os 100 m aos 80 anos, mas deve ser capaz de andar tranquilamente esses 100 m! Por que então muitos idosos não são funcionais? Porque envelheceram de maneira não saudável! Os idosos que envelheceram de maneira saudável estão plenamente independentes e funcionais para fazer o que desejarem. Especificamente no caso da leitora que levantou a questão, o seu marido não está tendo esse desempenho ruim por estar velho, ainda que esteja envelhecendo como todos estão... Se a funcionalidade dele está ruim, isso se deve a alguma doença que está afetando seu desempenho e não à velhice! Corrigindo esse problema (que deve ser identificado pelo médico dele), a funcionalidade será preservada para os anos vindouros! Repito: envelheça com saúde!

"Você não vai correr os 100 metros aos 80 anos, mas deve ser plenamente capaz de andar esses 100 m. Para isso, é preciso envelhecer com saúde!"

Sexo é saudável!
Três em cada dez brasileiros sofrem de disfunção erétil. As causas podem ser físicas – sedentarismo, má alimentação, diabetes, tabagismo e alto colesterol – e psicológicas, como ansiedade, estresse e depressão. Também vale um tratamento médico, afinal, não é porque ficamos mais velhos que devemos abdicar de nossa saúde sexual. E antes de sair dizendo que transar não é mais para você, saiba que a sexualidade afeta o humor e isso está totalmente ligado ao surgimento de doenças.

Dr. Paulo Camiz é geriatra e professor da Faculdade de Medicina da USP. É também idealizador do projeto “Mente Turbinada”, que desenvolve exercícios para o cérebro. Para ler outros artigos escritos por ele, acesse ogeriatra.com.br

Envie suas perguntas para dr. Paulo Camiz pelo e-mail anamaria@maisleitor.com.br