AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria

Não espere mais: largue o cigarro você também!

Após fumar por anos, Ana Maria Braga decidiu abandonar o vício. Infelizmente, o empurrão veio com o diagnóstico de câncer de pulmão. Que tal aproveitar o alerta feito por ela para tomar coragem e se livrar do cigarro você também?

Júlia Arbex e Luciana Bugni Publicado em 20/01/2016, às 10h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h44

AM - shutterstock
AM - shutterstock
Na semana passada, a apresentadora Ana Maria Braga surpreendeu o Brasil ao revelar, em seu programa, que há três meses extraiu
um tumor maligno do pulmão. Diagnosticado em estágio inicial, ele foi retirado com 40% do pulmão esquerdo. A primeira atitude foi parar de fumar. “É uma droga poderosa e pode matar. Mas parar é muito difícil, porque as pessoas são dependentes. Fumei
durante muitos anos e parei em uma circunstância terrível”, disse a loira. De acordo levantamento do Inca (Instituto Nacional de Câncer), o câncer de pulmão, entre todos, é o que mais mata no Brasil, sendo o cigarro responsável por nove em cada dez casos.
Se por um lado tal dado assusta, por outro revela que a doença pode ser evitada na grande maioria dos casos. Basta parar de fumar. Com ajuda de Mauro Gomes, pneumologista do Hospital Samaritano de São Paulo, reunimos informações e orientações práticas para você vencer essa batalha!

Por que é tão difícil parar?

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), apenas dois em cada dez fumantes conseguem abandonar o vício na primeira tentativa. “A nicotina é uma droga que dá a sensação de prazer e bem-estar e melhora a capacidade de concentração. Seu uso frequente leva à dependência química”, diz Gomes. Apesar da dificuldade, tenha força de vontade! Se não conseguir parar sozinha, procure um médico. A própria Ana Maria precisou tomar remédio e ainda usa adesivos que inibem a vontade de fumar.

Muito além do pulmão

A fumaça do cigarro tem mais de 4,7 mil substâncias tóxicas. Além de câncer de pulmão, o cigarro está relacionado a tumores no esôfago, estômago, pâncreas, rim, boca, laringe, faringe, garganta... Fumar também aumenta as chances de enfisema pulmonar,
bronquite e problemas como AVC e ataque cardíaco.

Passo a passo para abandonar o vício

1) Saiba o porquê
Anote num papel os motivos que a fizeram decidir parar. Deixe-o sempre à vista, como na porta da geladeira, grudado no espelho...

2) Escolha um dia 
Se você fuma mais no final de semana, tente não fumar na segunda-feira. Se o vício é maior durante a semana, comece a ficar sem cigarro no sábado ou no domingo. Quando você perceber que é possível passar 24 horas sem fumar, tudo ficará mais fácil.

3) Prepare-se 
Diminua aos poucos a quantidade de cigarros fumados por dia. Na véspera de largar de vez o vício, jogue fora todos os maços, cinzeiros, isqueiros e evite ir a lugares que a façam lembrar do cigarro.

4) Faça exercícios
Atividade física ajuda a reduzir a dependência e a aliviar alguns sintomas de abstinência. No momento em que sentir aquela
vontade louca de fumar, calce um tênis e faça uma boa caminhada.

5) Não se Isole
Divida com seus amigos, familiares e colegas de trabalho que você está tentando parar de fumar. O incentivo deles pode fazer a diferença. Outra opção é participar de grupos de apoio ou conversar com um especialista, como seu médico, ou um psicólogo.

6) Se for preciso, tome remédios
Tem gente que decide parar e consegue, sem grandes traumas. Mas não é todo mundo que tem essa sorte. Às vezes, a dependência é tão grande que exige o uso de medicamento. “Precisei de ajuda, não sou de ferro. Tomei remédio e uso adesivos”, disse Ana Maria. De acordo com Gomes, os medicamentos devem ser utilizados com prescrição e supervisão médica.

7) Sai, sabotagem!
Algumas mudanças na rotina podem ser necessárias para evitar a tão temida recaída:
✔ Não tome café. Se não conseguir, beba o cafezinho em locais diferentes do que está acostumada;
✔ Evite bebida alcoólica;
✔ Escove os dentes após as refeições;
✔ Faça uma caminhada depois de comer;
✔ Pelo menos no começo, evite ir a locais (bares ou baladas) em que pode ter contato com o cigarro;
✔ Ocupe a mente e o tempo com alguma atividade diferente (exercícios, um curso, trabalho voluntário...)
✔ Ficou com vontade de fumar? Beba água na hora!


Vale a pena o sacrifício!

Depois de 20 minutos sem fumar: a pressão arterial e a frequência dos batimentos cardíacos diminuem. A temperatura de pés e
mãos aumentam.

❱ Depois 12 horas sem fumar: o monóxido de carbono atinge níveis normais no sangue.
❱ Depois de 24 a 48 horas sem fumar: o olfato e o paladar melhoram.
❱ Depois de 2 semanas a 3 meses sem fumar: a função pulmonar e a circulação sanguínea também melhoram.
❱ Depois de 1 a 9 meses sem fumar: a tosse, a congestão nasal, a falta de ar e o risco de infecções respiratórias diminuem.
❱ Depois de 1 ano sem fumar: as chances de sofrer um ataque cardíaco cai pela metade.
❱ Depois de 5 anos sem fumar: o risco de desenvolver câncer de boca, garganta, esôfago e bexiga caem bastante. Além disso,
a probabilidade de ter um AVC passa a ser próxima a de quem nunca fumou.
❱ Depois de 10 anos sem fumar: as chances de morrer de câncer de pulmão caem pela metade, comparadas as de quem continua fumando.
❱ Depois de 15 anos sem fumar: o risco de sofrer um infarto é igual ao de quem nunca fumou.
❱ Depois de 20 anos sem fumar: a probabilidade de desenvolver câncer de pulmão passa a ser próxima a de quem nunca fumou.


O nome dela é coragem!

Essa não é a primeira vez que Ana Maria enfrenta uma doença grave. Em 1991, quando ainda trabalhava no jornalismo impresso, ela teve um melanoma (tipo de câncer de pele). Logo depois, foi apresentar o Note Anote, na Record, e usava luvinhas coloridas para proteger o dorso das mãos das agressões da iluminação do estúdio, lembra?
Em 1998, teve outro tumor, dessa vez benigno, no útero. Mas foi em 2001 que a apresentadora comoveu o público, anunciando
ao vivo no Mais Você, na Globo, um rao câncer de intestino. Ela chorou durante a gravação, dizendo que as chances de cura eram de 70%. De lá, partiu para o Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, onde enfrentou seis meses de tratamento forte, com quimio e
radioterapia. Ana nunca teve medo de se expor: durante sua batalha, usava perucas coloridas e chegou a apresentar o programa
careca. Quando se curou, toda a equipe do programa usou uma camiseta com os dizeres: “Time da Guerreira”. Pessoas próximas afirmam que sua intenção ao revelar o que está passando é ajudar quem vive situações parecidas. Alguém duvida de que esse apelo recente contra o cigarro mexerá pra valer com um monte de gente que precisa largar o vício?