Saiba como identificar a endometriose; doença que afeta Tatá Werneck

Endometriose: confira indícios que você tem a doença

domingo 7 julho, 2019
Ela ocorre quando o endométrio, tecido que reveste o útero, cresce para fora do órgão
Ela ocorre quando o endométrio, tecido que reveste o útero, cresce para fora do órgão Foto:Banco de Imagem/Getty Images

A doença, que afeta uma em cada dez brasileiras, dificulta a gestação, mas não a impede de acontecer. Entenda melhor o problema, conheça os níveis de gravidade, os sintomas e os recursos para se ver livre do problema.

Cólica, dor pélvica, incômodo durante o sexo e menstruação irregular. Esses são os principais sintomas causados pela endometriose, uma doença que atinge cerca de 7 milhões de brasileiras. 

Veja mais

Segundo a Associação Brasileira de Endometriose, o problema afeta de 10% a 15% das mulheres em idade fértil (12 a 45 anos). A atriz Tatá Werneck, que espera o primeiro filho do também ator Rafael Vitti, está na luta contra a doença. Giovanna Ewbank e Wanessa Camargo já se submeteram à cirurgia.

ENTENDENDO A DOENÇA
Ela ocorre quando o endométrio, tecido que reveste o útero, cresce para fora do órgão. 

“O desenvolvimento do endométrio faz parte do ciclo reprodutivo da mulher. Ao longo desse período, o tecido cresce e, quando não ocorre uma gravidez, ele é eliminado mensalmente em forma de menstruação. Entretanto, em algumas mulheres, as células desse tecido chegam à cavidade abdominal, multiplicando-se e provocando a endometriose. A localização mais frequente do problema é a retrouterina, mas pode também comprometer os ovários, as trompas, a bexiga, o intestino e o peritônio (membrana fina que envolve os órgãos do abdômen)”, esclarece Geraldo Caldeira, ginecologista e obstetra membro da FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) e da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH). 

A doença acaba sendo associada à infertilidade para muitas mulheres, mas a gravidez é, sim, possível.

OS TIPOS
“Caracterizamos a endometriose como superficial quando há tecido endometrial acometendo a área que reveste as paredes do abdômen (peritônio). A versão moderada do problema ocorre quando os focos de tecido endometrial se fixam nos ovários, formando cistos ovarianos, os chamados endometriomas. Eles podem afetar diretamente na ovulação e na fertilidade da mulher. Já a endometriose profunda, o mais grave dos tipos, acontece quando o tecido endometrial atinge mais de 5 mm de profundidade e, com isso, afeta os ligamentos uterinos, a região retrocervical, a bexiga e o intestino também”, explica.

OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO

  • Sistema imunológico deficiente;
  • Começar a menstruar muito cedo;
  • Nunca ter tido filhos;
  • Ciclos menstruais frequentes;
  • Menstruações que duram muito (sete dias ou além disso);
  • Anormalidades no útero.

ELA PODE ATINGIR OUTROS ÓRGÃOS?
Ter a doença em outras partes do corpo não é sinal de agravamento. A causa mais conhecida para isso é a “menstruação retrógrada”, que acontece quando o fluxo sanguíneo volta pelas tubas uterinas e vai para órgãos próximos. 

“Os mais atingidos pela endometriose são os ovários, as trompas, os ligamentos útero-sacros, o peritônio e o útero. O intestino grosso, a bexiga e os ureteres também podem apresentar lesões. Em casos mais raros, a endometriose pode chegar ao diafragma e aos pulmões”, diz Caldeira.

OS SINTOMAS MAIS COMUNS

  • Infertilidade;
  • Dor no abdômen e/ou cólicas intensas que podem ocorrer até mesmo antes da menstruação;
  • Incômodo durante a relação sexual com penetração;
  • Fadiga;
  • Dor e sangramento ao urinar e evacuar, especialmente no período menstrual;
  • Diarreia.

EU TENHO?
O diagnóstico precoce é essencial para trazer de volta a qualidade de vida da mulher, além de preservar a fertilidade. Para isso, o ginecologista deve realizar exames clínicos, ultrassom intravaginal e ressonância magnética pélvica. É importante saber: não há prevenção.

OS POSSÍVEIS TRATAMENTOS
Primeiro, considere o estágio da doença, a idade e a vontade da paciente de ter filhos. Os medicamentos hormonais, como as pílulas anticoncepcionais, ajudam a reduzir consideravelmente, ou por completo, o sangramento menstrual. 

Isso impede o agravamento dos sintomas. Lesões maiores devem ser retiradas cirurgicamente. Quando a mulher já teve os filhos que desejava ou o caso é muito grave, a remoção dos ovários e do útero pode ser considerada uma alternativa.
 

Júlia Arbex
Leia Mais:

Assine a Revista Digital

  • Assine a revista AnaMaria

BEM-ESTAR

  1. 1 Alimentos certos podem te ajudar a controlar a pressão; entenda Saiba como controlar a pressão com os alimentos certos
  2. 2 Menopausa: ginecologistas dão dicas de como manter a libido
  3. 3 Esquizofrenia: o tratamento precoce reduz os danos
  4. 4 Confira dicas para manter os pés lisinhos durante o inverno
  5. 5 Pare agora de fumar: confira motivos e dicas para largar o hábito