AnaMaria

Dormir é uma arte: manual para fazer sua criança dormir sem traumas

Só aprendemos o quão importante é o ritual do sono ao nos tornarmos mães

*Priscila Correa, do Aventuras Maternas, colunista de AnaMaria Digital Publicado em 02/07/2021, às 08h20

Como fazer o ritual do sono sem traumas? - Adriana Maciel
Como fazer o ritual do sono sem traumas? - Adriana Maciel

Um banho morno alguns minutos antes, um copo de leite, chupeta, amamentação. Silêncio, luzes apagadas, histórias para embalar o sono. Aromaterapia, cromoterapia, novos lençóis e fronhas. Canções de ninar, meditação, carinhos, colo, oração. Cada mãe tem seu ritual e cada criança tem seu próprio processo antes de dormir, mas o fato é que, até chegar ao ponto de deitar, fechar os olhos e descansar por oito horas seguidas, muitas tentativas e erros até criar essa rotina de sono serão testados – assim como, provavelmente, um dia nossas mães fizeram com a gente.

Segundo a National Sleep Foundation, ter hora para dormir deve ser levado tão a sério quanto uma boa alimentação e higiene, já que é no período de descanso que o corpo libera os hormônios de crescimento. Em outro estudo, dessa vez realizado pela Academia Americana de Medicina do Sono, em parceria com pediatras, é verificado que dormir pelo tempo recomendado pode ser associado à melhora da atenção, da memória, do comportamento, da aprendizagem e do controle emocional - evidentemente, que esse tempo de sono varia de acordo com a idade:

• De 0 a 3 meses: deve-se dormir entre 14h e 17h por dia; 
• Dos 4 aos 11 meses, de 12h a 15h; ]
• Entre 1 e 2 anos, de 9h a 16h;
• Dos 3 aos 5 anos, de 10h a 13h;
• Entre 6 e 13 anos, de 9h a 11h. 

Mas a gente sabe que nem sempre nossos filhos seguem esse “protocolo”, não é mesmo? Um estudo australiano publicado em maio de 2020, no periódico Sleep Medicine, por exemplo, mostra um novo caminho para melhorar o sono das crianças de 1 ano e meio a 4 anos. O método, chamado de bedtime fading, consiste em adiar um pouco o horário de deitar para que a criança chegue na cama já bem sonolenta. No caso dos bebês menores, porém, o bedtime fading pode dar o efeito inverso, deixando a criança mais irritada. Outra parte controversa do método é que, embora deixá-los acordados um pouco mais de tempo possa fazer eles dormirem mais rapidamente, é fato também que quanto mais tarde eles dormem, mais tarde vão acordar - e nem sempre é isso que queremos, especialmente quando nossos filhos têm atividades pela manhã e já começamos o dia naquela correria.

Por aqui, eu aposto em uma rotina equilibrada e muita tranquilidade envolvendo a hora de dormir, mas como nem todas as famílias têm o mesmo ritmo e rotina que a minha, vale ouvir o que os especialistas têm a dizer para nos ajudar a tornar o momento dos sonhos mais agradável para toda a família, e não apenas para nossos pequenos.

SEM PRESSÃO PARA DORMIR
Hoje em dia é muito comum a busca pelo trabalho de consultores de sono, que sugerem as mais diferentes abordagens para criar esse ritual com a criança. "Alguns deles, inclusive, indicam que o contato dos responsáveis com a criança na hora de dormir é prejudicial. Não recomendam embalar ou deixar dormir no peito ou no colo e indicam tabelas de sono e tempos determinados de sonecas”, conta o psicólogo Marcio André Bosse.

Segundo ele, o padrão de sono infantil é muito diferente do sono de um adulto. De forma resumida, o sono dos bebês é composto pelo sono “REM” (uma fase mais ativa em que o bebê se mexe, resmunga, choraminga ou muda de lado) e pelo sono “não REM” (uma fase de sono mais calmo). E, para passar de um ritmo para outro, os bebês apresentam o que chamam de “sono de transição” - durante toda a noite, há alternância entre esses tipos de sono. Cada ciclo pode durar de 90 a 110 minutos, e, quanto menor a idade, mais curto o ciclo. Em alguns momentos, a criança terá um pequeno despertar, irá abrir os olhos e procurar os pais.

O psicólogo reforça que, para adormecer, a criança precisa se sentir segura. E, obviamente, essa segurança significa o colo, o peito e a presença dos pais. "É como o instinto de preservação que nos acompanha desde os primórdios. Não há como 'treinar' o sono dos bebês. A médica australiana Pamela Douglas, por exemplo, conseguiu provar que bebês submetidos a algum tipo de treinamento de sono antes dos 6 meses de idade podem sofrer desmame precoce. E tem mais: o leite materno noturno é rico em substâncias que são auxiliares no sono do bebê. E se o bebê ingere menos deste leite, pode ter um sono mais agitado, apesar de todas as técnicas ensinadas.

Alguns treinamentos de sono sugerem, ainda, que o bebê permaneça no berço. Para a criança, porém, estar longe dos pais pode ser percebido como ameaça à sua sobrevivência. E o choro não atendido pode levar a um estado de hiperativação do corpo da criança, com liberação de hormônios do estresse que aumentam a frequência cardíaca, dilatam a pupila, elevam a respiração e causam suor. "Deixar de atender aos 'chamados' do bebê leva ao desamparo aprendido, com impactos para toda a vida, ensinando a criança a se acostumar com situações ruins sem motivação para buscar ajuda. Acolha sempre seu bebê”, esclarece.

DICAS PARA UMA ROTINA DE SONO
E como incluir uma rotina de sono na vidas dos filhos? A seguir, a pediatra Loretta Campos sugere oito dicas para facilitar a hora de dormir.

1. Estabeleça uma rotina do dia: o bebê tem que perceber a luz do dia, para que ele perceba que é durante o dia que acontecem as coisas. Durante as sonecas, não escureça o quarto, para que o bebê entenda que é só uma soneca;

2. Estabeleça uma rotina da noite: à medida que se aproximar a hora de dormir, reduza as atividades e os estímulos. Diminua os estímulos visuais e a iluminação da casa. Dê um banho relaxante, leia uma história e cante canções de ninar;

3. Faça uma massagem no bebê quando se aproximar o horário de dormir: ela tem a capacidade de relaxá-lo;

4. Dê um banho antes de colocar o bebê para dormir (e antes da massagem acima): ele ficará mais relaxado;

5. Amamente o seu bebê: você pode tentar a mamada dos sonhos. Geralmente, dá-se uma mamada antes de dormir e outra mais ou menos meia noite, para o bebê dormir por mais tempo. Alguns bebês respondem muito bem dessa forma, outros não. Só 'testando' para saber como cada um será;

6. Seja consistente no ritual do sono do bebê: mantenha luzes apagadas, evite fazer barulho e, na hora de dormir, evite o contato visual. O olho no olho é muito estimulante;

7. Observe o bebê: como é seu temperamento? O que o estimula? Quando conhecemos o que estimula e o que acalma o bebê, isso pode ajudar no sono;

8. Não precisa ficar acordando o bebê para trocar a fralda com xixi: Caso ele acorde, aproveite e troque a fralda, e depois o amamente. E lembre-se: sem bate-papo nesse momento.

AMBIENTE RELAXANTE

Um recurso muito usado por alguns para deixar o quarto do bebê e da criança propício ao sono é manter uma decoração leve – nós, adultos, também 'respondemos' melhor na hora de dormir quando o local é aconchegante e tem uma iluminação calmante.

A arquiteta Paula Matta explica que, quando se pensa em bebês, logo se imagina um papel de parede com temática de desenhos, personagens de histórias em quadrinhos, super-heróis ou princesas. Para o quarto infantil, porém, ela indica usar papéis de parede que apresentam uma estética mais leve, com cores mais suaves e neutras, evitando criar um ambiente estressante em vez de relaxante. Entre as sugestões, Paula cita papéis de parede infantis que tenham textura de tecido, listras, xadrez ou bolinhas, que dão charme, mas sem marcar muito. E mais: além de ajudar a tornar o local mais acolhedor, o papel de parede traz também benefícios para a saúde das crianças, principalmente aquelas mais alérgicas, por não acumular poeira e ter fácil manutenção para limpeza.

Outro detalhe na decoração dos quartos infantis que podem ajudar no sono das crianças é em relação à decoração do espaço. Materiais naturais, como a madeira, aquecem e levam aconchego ao espaço. Outro ponto importante é a iluminação. “Optar pela temperatura de luz mais quente torna o ambiente mais acolhedor”, pontua.

ESSÊNCIAS QUE ACALMAM


Os óleos essenciais desempenham um papel importante na regulação do sono das crianças, podendo ser usados desde a gestação. A farmacêutica e arteterapeuta Eveline Romanelli, da Sô Aromas, explica que estas substâncias extraídas de plantas possuem em sua composição compostos químicos que atuam em diversos fatores, dentre eles a ansiedade, a inquietação e o medo. “Como são também muito concentrados, devem ser sempre diluídos, respeitando a faixa etária considerada segura para cada óleo. Para isso, é importante entender a procedência do produto, bem como as advertências que devem estar no frasco”, destaca.

Quando se trata de sono, os óleos mais buscados são o Lemongrass (Capim Limão) e o de Lavanda, que trazem a sensação de acolhimento e nutrição, e, por isso, são indicados para borrifar no quarto das crianças antes de dormir. "Para os mais agitados, podemos fazer, ainda, uma massagem na sola dos pés usando um roll on com Lavanda e Camomila Romana diluída em óleo vegetal de semente de uva, que irão promover descanso e relaxamento”, sugere, explicando que rituais diários realizados todas as noites antes de dormir criam não apenas um ambiente mais propício para o sono, como também aproximam pais e filhos.

Para as crianças com medo de dormir sozinhas e que têm pesadelos, a dica é um ritual de proteção. Eveline, inclusive, criou um Kit de Proteção que conta com materiais para a confecção do Olho Divino, um símbolo de proteção de origem indígena, e um spray essencial. "Após confeccioná-lo, a criança o coloca ao lado da cama ou na porta do seu quarto e, todas as noites antes de dormir, pode junto aos pais borrifar o spray. Além de ajudar a criança maior de 2 anos a acolher seus medos, esse ritual junto aos pais ajuda a criar uma noite de sono mais tranquila”, complementa.

PIJAMAS E HISTORINHAS TAMBÉM AJUDAM

Além do entorno ser super importante na hora de dormir, também faz parte do ritual do sono a troca de roupa para peças mais confortáveis - leves ou quentinhas, de acordo com a temperatura da época do ano -, assim como o momento de contar histórias para aumentar o tempo de conexão com os pais, a sensação de segurança e o bem-estar que devem preceder o sono.

E para auxiliar nas escolhas para esse soninho gostoso dos nossos filhotes, sugerimos abaixo 5 livros que tem “a hora de dormir” como enredo:

“Sono”, de Luciana Romão, lançamento da Saíra Editorial

“Boa noite”, diz a mamãe. É aí que tudo começa! Afinal, quem nunca teve medo de dormir quando as luzes se apagaram? Quem nunca conferiu embaixo da cama para checar se não tinha nada assustador por lá, além de poeira? O livro dialoga com esse e outros medos, que todos temos. O enredo narra a dificuldade para dormir de uma pequena garotinha, que passa a imaginar monstros na escuridão depois do beijinho de boa-noite da sua mãe. Ela precisa encontrar, dentro de si, uma forma de transpor a noite sem que o medo seja mais forte que a vontade de descansar e ter uma boa noite de sono e de sonhos. 

“Sono” é um livro para ser lido e visto. As ilustrações complementam o que as palavras não dizem e vice-versa. As sensações e os sentimentos, tão protagonistas quanto a garotinha cuja história se conta, aparecem em ilustrações surpreendentes de Luciana Romão, também autora do texto. A obra se apresenta como uma espécie de terror infantil – mas que, claro, não assusta ninguém. A história pode ser ouvida em leitura compartilhada por crianças a partir de dois anos, como uma forma de afastar medos sobre o escuro, sobre o dormir e, por que não, ajudar os pequenos a se livrarem de outros fantasmas.

Valor: R$ 19,90 e pode ser encontrado aqui

"O menino que dormia na banheira - uma história sobre xixi na cama"

Ele acontece na calada da noite e, sem perceberem movimenta toda a casa. Troca a roupa de cama, coloca tudo na máquina e muda o pijama da criança. A saga das famílias que passam pelo famoso “xixi na cama” parece não ter fim. Para auxiliar os pais, educadores e profissionais da saúde nessa rotina estressante, a médica e escritora Silvana Deodato, lançou o livro infantil “O menino que dormia na banheira – uma história sobre xixi na cama”. Com uma escrita repleta de rimas divertidas, o personagem principal é apresentado como “o menino” – uma criança comum, que brinca, corre, come e se diverte.

À noite, se prepara para dormir e sempre tem o mesmo relaxante sonho: que está tomando banho em uma banheira. Quando acorda, vem o pesadelo, e, em seguida, as águas rolam pelo colchão. Sua mãe, sem saber mais o que fazer, lhe dá um novo “brinquedo”, um relógio “diferentão”, que só poderia ser usado à noite. O brinquedo, na verdade, é um alarme para ser colocado no braço e lembrar o menino de acordar no meio da noite, quando o xixi começa a surgir e entra em contato com o dispositivo na roupa da criança, evitando os
incidentes noturnos, mas também a exaustiva maratona para deixar tudo em ordem. 

Apesar de ser uma história lúdica para os pequenos, a intenção da autora foi repassar o seu conhecimento como médica de família e comunidade às pessoas que sofrem com esse dilema. Em tempo: Silvana Deodato, antes de se formar médica, trabalhou como cuidadora de crianças em creche, o que lhe confere bagagem teórica e prática sobre o assunto. 

Valor: R$32,00 e pode ser encontrado aqui 

"O mesmo sonho"

A publicação de Ana Maria Machado, que chega pela Editora Moderna, traz como principal temática as diferenças que fazem cada um ser único - mas que, nem por isso, nos faz totalmente isolados uns dos outros - pelo contrário: é pela união das diferenças, sempre em prol de um mundo melhor, que se chega muito longe. “O mesmo sonho” conta a história de Zeca e seus amigos. 

Zeca é fascinado por sonhos, quer entender como eles acontecem, se podem se repetir, e por que cada um sonha de uma maneira tão distinta do outro. Ao ouvir quais foram os sonhos dos amigos, ele e sua turma descobrem o prazer de sonhar e compartilhar as histórias, a fim de criar novas. Eles, então, passam a ter um sonho em comum: conseguir unir todos os sonhos, cada um do seu jeito, para criar um lugar muito feliz.

Valor: R$43,17 e pode ser comprado aqui

"O Lobo não vai aparecer?"

Deitado na cama, olhos bem abertos, o coelhinho questiona sua mãe: como ela pode estar tão convencida de que o lobo não irá aparecer em sua casa? Com paciência e segurança, força e convicção, a mãe do coelhinho nega todas as possibilidades do lobo aparecer na casa deles, provando que é impossível para um lobo escapar dos perigos da mata e da cidade, encontrar o

endereço deles e o prédio certo e, ainda, saber pegar o elevador e bater na porta! impossí... Toc, Toc, Toc. 

Valor: R$17,95 (versão Kindle) por este link 

"Muito cansado e bem acordado"

O porco-espinho, a raposa, o burrico, o pelicano e o jacaré estão todos dormindo, muito cansados. Mas a foca está bem acordada. E ela não quer saber de ficar na cama! E agora? O que os outros dorminhocos vão fazer? Este livro, para leitores bem pequenos, torna a hora de dormir um momento mais divertido e gostoso para toda a família. Se a hora de dormir é difícil para algumas crianças, imagine para estes seis animais que não conseguem ficar parados na cama, porque a toda hora lembram de algo que têm para fazer. 


Valor: R$17,43 (versão Kingle) e pode ser encontrado neste link 

Separamos ainda algumas dicas de pijamas:

Pijama Infantil com camiseta de malha e calça de ribana da Brandili. R$99,90. www.brandili.com.br

Pijama xadrez DeMillus infantil R$55,99  www.demillus.com.br 

Pijama de dinossauro da Elian. R$85,29 oibem.com.br 


Pijama infantil Pinball da T-Jama. Calça R$ 75,00 e camisa R$60,00 www.tjama.com