AnaMaria

No Dia Mundial do Livro, separamos 10 obras para crianças sobre diversidade

Abordar temas importantes sobre às diferenças nem sempre é uma tarefa fácil para os pais e responsáveis

*Priscila Correia, do Aventuras Maternas, colunista de AnaMaria Digital Publicado em 23/04/2022, às 09h00

Jerry Wang/Unsplash
Jerry Wang/Unsplash

O Dia Mundial do Livro é comemorado neste sábado, 23 de abril, e a coluna celebra a data trazendo uma seleção de livros que tem como temática central a diversidade, mostrando às crianças o entendimento de que somos todos diferentes, mas merecemos respeito e qualidade de vida igualmente.

Abordar temas importantes para que exista, de fato, respeito às diferenças nem sempre é uma tarefa fácil para os pais e responsáveis. Há quem fique pensando sobre qual linguagem usar, qual conteúdo é adequado para cada idade e o que falar para que a criança entenda realmente o que quer dizer, por exemplo. E, nessa hora, “usar” os livros para levantar essas questões talvez seja a forma mais acertada. Afinal, por meio da literatura e de uma linguagem lúdica, a compreensão sobre o tema se torna prática e fácil.

Nos últimos anos, a quantidade de publicações com protagonistas plurais cresceu, o que ajuda a abrir a mente das crianças e de toda a família e olhar para a diversidade de forma natural, assim como acontece na vida real. Portanto, confira abaixo a nossa seleção que traz temas de extrema importância para serem conversados com nossos filhos.

“Princesas poderosas: e seus mascotes Click e Drick”

livro princesas poderosas
Crédito: Divulgação

Lançado pela Literare Books International e com autoria de Cláudia Danienne Marchi, o livro , por meio de uma divertida narrativa, leva os pequenos leitores a conhecer as princesas do mundo moderno: Vic, Nina, Lica, Tivi, Dim e Cici.

Cada qual com suas mascotes, estas, análogas aos modelos mentais que todos temos. Click evidencia boas ideias, tal qual a expressão corriqueira “deu um click no pensamento” e, a outra mascote, a Drick, remete a pensamentos confusos que, às vezes, assolam nossas mentes.

Ambos são do bem e reforçam a importância do equilíbrio entre razão e emoção para que tenhamos bons resultados nas experiências da vida! Com o decorrer da história, percebe-se que as princesas poderosas são muito diferentes das princesas dos contos de fadas tradicionais e, sim, meninas do mundo real. Enquanto uma é cientista, a outra é atleta, a outra artesã…Enquanto uma ama tecnologia, a outra ama pintar.

A diversidade e inclusão também são causas fortes evocadas no livro, detalhadamente pensadas na composição das personagens. Com uma história leve e envolvente em seu enredo, a obra evidencia a pluralidade de perfis e comportamentos, de modo a fomentar uma reflexão de que quanto mais plural for o relacionamento humano, equipes, interações, melhores serão as oportunidades, pois a mensagem que importa é o SER e não o ter ou aparentar – a essência e os sentimentos é que são inspiradores e não devemos rotular ou sermos superficiais. Clique aqui para comprar!

“Joca e Dado: uma amizade diferente”

Joca e dado
Crédito: Divulgação

Escrito por Henri Zylberstajn, um empreendedor social e empresário de São Paulo que mudou de vida quando o filho mais novo nasceu com síndrome de Down (ele, inclusive, fundou um instituto que apoia gratuitamente outras famílias e tem muitas iniciativas por inclusão), o livro fala da amizade entre dois meninos, um deles com T21, e a intenção é mostrar às crianças que tudo bem ser diferente.

A história de Joca e Dado, que se tornam amigos após se conhecerem na escola, ilustra a importância do convívio com a diversidade desde a infância. Dado e o amigo interagem e trocam experiências, ensinando que a coexistência inclusiva possibilita um rico processo de aprendizagem para qualquer pessoa, independente de característica ou condição.

Lançado pelo Leiturinha e pelo Instituto Serendipidade, o livro faz parte da série Originais Leiturinha e tem ilustrações feitas por uma equipe que inclui artistas com deficiências intelectuais- como síndrome de Down e autismo -, trazendo representatividade para a produção e ressaltando a importância de oferecer oportunidades a todos.

O trabalho foi realizado pela La Casa de Carlota, um estúdio de criação que aposta na mistura de talentos entre pessoas com e sem deficiências. O texto e suas coloridas ilustrações estimulam a criatividade e a conexão entre o contador da história e as crianças. Na parte final, há páginas interativas nas quais os pequenos podem desenhar e participar de jogos, complementando a diversão. Vale lembrar que o livro esgotou e uma próxima tiragem sairá em breve.

“Compreender e acolher”

Compreender e acolher
Crédito: Divulgação

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma condição do neurodesenvolvimento que afeta aspectos ligados à comunicação e ao comportamento de uma pessoa - de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 1% a 2% da população mundial está no espectro autista; no Brasil, estima-se mais de 2 milhões de pessoas com essa condição.

No livro “Compreender e acolher”, a partir de muito trabalho clínico e pesquisa, a neuropediatra Deborah Kerches, especialista em autismo, apresenta o espectro autista a todos de uma forma lúdica, empática e com embasamento científico. Seu conteúdo é voltado a crianças, adolescentes e adultos, para que todos possam se informar e conscientizar sobre o espectro autista, possibilitando o reconhecimento dos sinais precoces e a construção de uma sociedade inclusiva.

O livro, lançado pela Literare Books International, vem em um formato "vira-vira", onde cada lado possui uma abordagem diferente. De um lado, destacam-se informações referentes ao TEA na infância, seguidas de uma história em quadrinhos direcionada ao público infantil; do outro, considerações relevantes sobre o TEA na adolescência e uma nova história em quadrinhos direcionada a adolescentes e jovens.

Para a autora, além dos adultos, é essencial que crianças e adolescentes compreendam melhor o que é o autismo e, assim, possam contribuir na construção de uma sociedade mais acolhedora, empática e inclusiva. Em tempo: a obra ficou por 33 semanadas na lista dos mais vendidos do PublishNews entre 2021 e início de 2022, sendo um livro inédito em que diferentes públicos podem se beneficiar das lições da autora, seja pelas páginas com conteúdo escrito, seja por meio da história em quadrinhos. Clique aqui para comprar!

“O Pequeno Grande Tião: o Menino com Nanismo”

pequeno grande tião
Crédito: Divulgação

Escrito por Celina Bezerra e lançado pela Editora Inverso, o livro conta a história de Tião, uma criança feliz que mora no interior. Ele tem família, amigos e colegas de escola que o respeitam como é: um menino com nanismo.

Mas nem sempre Tião foi bem aceito e acolhido. Ao mudar de cidade, ele enfrenta preconceito por sua baixa estatura. Mas encontra na amizade a importância do respeito à diversidade. Uma tocante história sobre respeito, diversidade e inclusão. Onde comprar?

“Princesa Kevin”

princesa kevin
Crédito: Divulgação

O livro de Michaël Escoffier e Roland Garrigue, da Companhia das Letrinhas, é para pequenos e grandes leitores.

É o dia de ir fantasiado na escola de Kevin, mas ele não quer ir de caubói, de pirata ou de dragão, como todos os outros meninos.

Kevin quer se vestir de princesa! E que problema haveria nisso? Por que meninos não podem ser princesas, e meninas, cavaleiros?

Com ilustrações vibrantes e um texto cheio de graça, “Princesa Kevin” apresenta aos leitores um menino corajoso e cheio de criatividade, que sabe que, no fim do dia, o que importa é estar bem consigo mesmo e se divertir, seja usando sapatos de salto ou uma capa de super-herói. Onde comprar?

“Trilogia Elétrico: um garotinho com TDAH”- “Elétrico”, em 2019. “Distraído”, em 2020. “Falante”, em 2021.

triologia elétrico
Crédito

O capítulo final da trilogia com histórias de Bernardo, uma criança com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) retrata a evolução do personagem ao longo dos anos. TDAH é um transtorno neurobiológico, que aparece na infância e frequentemente acompanha o indivíduo até a fase adulta. Com ilustrações do renomado cartunista e artista plástico Paulo Stocker, o livro de Eduardo Ferrari, lançado pela Literare Books International em parceria com a EFeditores, conta com três obras do pequeno Bernardo e é baseado nas experiências reais do autor Eduardo Ferrari, que também é portador de TDAH tardiamente diagnosticado. Onde comprar?

“O Solzinho de todas as cores”

solzinho de todas as cores
Crédito: Divulgação

Um livro que ensina para as crianças a importância da aceitação de si e das diferenças. Essa talvez seja a melhor definição para a publicação.

Na história, em uma incrível jornada de autoconhecimento, o solzinho se aventura nas sete cores do arco-íris em busca de sua essência, afinal, "ninguém é igual a ninguém e todo mundo é bonito do seu jeito!". Regado pela importância da aceitação de si e das diferenças, “O solzinho de todas as cores” (Literare Books International) se firma como um livro de apoio pedagógico infantil contemporâneo.

A obra da autora Cristina Martinez trata da importância de sermos e respeitarmos como somos, pois, ninguém é igual a ninguém e cada um é bonito do seu jeito. Em um caminho de descobertas, o curioso solzinho irá mergulhar num mundo cheio de cores, emoções e sentimentos. Com leitura dinâmica, cativante e de fácil compreensão para as crianças, a história conta, ainda, com ilustração de Theo Augusto Tresolavy. Onde comprar?

“Nuang - Caminhos para a Liberdade”

Nuang
Crédito: Divulgação

Da escritora infantojuvenil Janine Rodrigues, lançado pela editora Piraporiando, e com ilustrações da artista visual Luciana Nabuco, a história fala sobre a liberdade a partir do olhar de uma criança. Janine Rodrigues começou a escrever esta história ainda na infância, quando tinha apenas nove anos de idade.

A autora fala dos Uthando, um povo conhecido por sua sabedoria, pela honra de suas palavras e por sua beleza preta. A personagem Nuang é uma Uthando alegre e talentosa, que gostava de deitar no colo de sua avó e ouvir histórias, até que um terrível acontecimento muda a vida da personagem.

A história traz fortes elementos da cultura afrobrasileira e africana, incluindo palavras do tronco grupo etnolinguístico bantu. Para Janine, é fundamental que a cultura negra seja ensinada nas escolas para a formação da sociedade brasileira.

Vale destacar que os livros de Janine já foram adotados em mais de 60 escolas públicas e particulares e que ela já recebeu o Prêmio Destaque Artístico Cultural da Sociedade Europeia de Belas Artes, na Áustria, e o Prêmio Latino Americano de Excelência pela Academia de Letras de Rosário, na Argentina. Além de difundir a riqueza cultural africana e afrobrasileira, a autora deseja, ainda, intensificar ainda mais suas ações em escolas em favor do cumprimento da Lei 10.639/03 que versa sobre o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana. Onde comprar?

“Olívia tem dois papais”

Olivia tem dois papais
Caption

O livro de Márcia Leite, lançado pela Companhia das Letrinhas, conta a história de Olívia, uma menina esperta, que sabe bem o que quer e tem plena noção de como usar algumas palavras para conseguir o que deseja.

Quando tem de ficar sozinha enquanto os pais trabalham, ela diz que está muito "entediada". Como não gosta de ver a filha "entediada", papai Raul para imediatamente de trabalhar e, quando percebe, já está deitado no chão ao lado dela, brincando de filhinho e mamãe, ou cercado por um monte de bonecas.

Para chamar a atenção de seu pai Luís, Olívia fala que está "desfalecendo", afinal de contas, desfalecer de fome é uma coisa muito séria, e Luís é o melhor cozinheiro da família.

"Intrigante" é outra palavra de que Olívia gosta muito, isso porque todas as coisas do mundo são muito intrigantes para ela. Olívia quer saber, por exemplo, como seu papai Raul sabe brincar de boneca e seu papai Luís cozinha tão bem.

Quer saber também como vai aprender a usar maquiagem e sapatos de salto alto, se na casa dela não mora nenhuma mulher. A família da Olívia é um pouco diferente, e totalmente "encantadora", outra palavra que ela adora usar. Onde comprar?

“Do jeito que a gente é”

do jeito que a gente é
Crédito: Divulgação

Escrito por Márcia Leite e lançado pela Editora Ática, o livro conta a história de Beá, uma menina de 14 anos que detesta sua aparência (é muito alta e magra), e Chico, um garoto de 17 anos apaixonado por cinema, que está deprê porque o melhor amigo reagiu mal quando ele lhe contou que é gay. Apesar de caminhos tão distintos, as vidas de Beá e Chico vão se cruzar quando a mãe dela e o pai dele resolvem se casar. Onde comprar?