AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria

O que avaliar na hora de escolher o melhor esporte para as crianças?

A ideia de apresentar esportes para crianças ainda bem pequenas é mais do que importante

*Priscila Correia, do Aventuras Maternas, colunista de AnaMaria Digital Publicado em 03/06/2022, às 09h00

Carol Telhado e seus alunos do muay thai mostram a importância dos esportes para as crianças. - Arquivo pessoal
Carol Telhado e seus alunos do muay thai mostram a importância dos esportes para as crianças. - Arquivo pessoal

Judô, ballet ou natação. Uma dessas três atividades já deve ter passado pela sua mente ao pensar em matricular seus pequenos em uma prática de exercício físico. Afinal, seja como opção extra na própria escola ou em um espaço no bairro, destinado ao esporte, a ideia de apresentar alternativas às crianças ainda bem pequenas é mais do que importante, é prescrição médica para que eles se exercitem e cuidem da saúde física desde cedo, além de se conectarem a crianças que gostem da mesma atividade.

E foi pensando nisso que Mirella Stival, mãe da Manuella, de 9 anos, inscreveu a filha na capoeira há três meses. Ela conta que foi a própria filha que demonstrou vontade de começar as aulas depois que assistiu as amigas da escola fazerem. “Mesmo depois de pouco tempo praticando, percebo que a Manu se tornou mais ativa. Eu, particularmente, gosto muito que ela esteja tão animada. Além de fazer a minha filha se movimentar mais, também traz novas amizades, pois todos interagem e praticam juntos, mesmo quando não estão no centro da roda. Quem está ao redor também canta, dança, se movimenta. E existe também a questão histórica, pois as músicas contam sobre a escravidão e a luta dos negros, que é um assunto importantíssimo a ser abordado com as crianças”, comenta.

Paula Toyansk, Gerente Nacional Acqua e Kids Bodytech Company, explica que manter hábitos saudáveis é necessário em qualquer fase da vida, mas é na infância que são adquiridos gostos e hábitos que prezam pela saúde e pelo bem-estar. Segundo ela, inserir os exercícios na rotina desde cedo possui vários benefícios, tanto para o presente quanto para o futuro, como:

  • desenvolvimento motor;
  • redução e controle de doenças cardiovasculares;
  • fortalecimento do sistema muscular;
  • controle de peso,-;
  • melhora da resistência aeróbia;
  • domínio do próprio corpo;
  • melhora da postura e do equilíbrio;
  • aumento da qualidade do sono;
  • melhora da autoestima, do foco e da concentração.

"Crianças ativas são mais saudáveis e serão adultos com menos tendência ao sedentarismo”, comenta. Ela diz, ainda, que o esporte torna as crianças mais ágeis e resistentes, pois sua prática regular e variada auxilia na formação neural, já que elas aprendem habilidades motoras diferentes. Fora essas vantagens, as chances dos pequenos ativos se tornarem adultos apaixonados pelo exercício e com hábitos saudáveis são muito maiores.

Além dos benefícios no corpo de forma geral, a prática regular de esportes também é responsável por outros ganhos, como promover a criatividade, a habilidade social, o raciocínio e o controle das emoções. Toyansk pontua, ainda, que  segundo alguns estudos, o exercício físico auxilia no aumento do foco mental e do controle executivo, que consiste na resistência à distração e manutenção do foco, bem como a memória de trabalho e a flexibilidade cognitiva.

“Isso significa que contribui para que as crianças sejam menos impulsivas e mais focadas, o que as torna mais preparadas para aprender. Quando a criança brinca, por exemplo, de queimada ou participa de um jogo cooperativo, ela é estimulada a trabalhar as chamada soft skills, como comunicação, pensamento crítico, resiliência e liderança. Isso ocorre porque as aulas em grupo estimulam as crianças a desenvolver sua capacidade de interação com o mundo em que estamos inseridos, ajudando a se tornarem adultos mais saudáveis, equilibrados e conscientes”, esclarece.

E, para ajudar nossos filhos a escolherem um esporte que seja a cara deles, conversamos com alguns professores de esportes tradicionais e outros mais diferentes, que vão contar o que cada modalidade reserva para os pequenos esportistas infantis, pontuando não apenas o lado bom da prática, mas também o que fazer quando acontece algum exagero na atividade.

MUAY THAY

Por Carolina Telhado, professora de Muay Thai na academia Lifefit, que dá aulas para crianças de 5 a 12 anos.

O Muay Thai em si auxilia muito o desenvolvimento da disciplina, respeito, cultura do esporte e, também, a confiança. O muay thai é um esporte completo, que envolve todos os grupamentos musculares com golpes de mão, joelhadas, chutes, cotoveladas, e desenvolve as funções motoras, contribuindo para um melhor condicionamento físico, equilíbrio, coordenação e flexibilidade.

Benefícios além dos físicos e contraindicações:

A prática do muay thai desenvolve a autoconfiança na criança e acima de tudo a disciplina e o respeito, onde ela aprende que o combate deve ser feito apenas em aula com a presença do professor. Auxilia também no cognitivo, afetivo, social e psicológico. Por ser um esporte de combate, os alunos estão sempre trabalhando em duplas onde um auxilia o outro, respeita o próximo e estão sempre se comunicando para um bom andamento do treino. Não há contraindicação para crianças praticarem o muay thai. O professor precisa conhecer o seu aluno e abordar o esporte de forma completa, respeitando o individual de cada um. O Muay thai é para todos! Tenho alunos autistas, alunos com TDAH, alunos que almejam competição, alunos que gostam apenas de se exercitar e todos amam o esporte.

Campeonatos: pontos positivos e cuidados

Acredito que estimular o aluno a participar de um campeonato vai depender muito de como o professor vai orientar e desenvolver o trabalho. Podemos formar grandes atletas, mas também crianças competitivas de forma não sadia e podemos fazer com que a criança desista do esporte. É preciso ter muito cuidado e atenção com o aluno e sempre respeitá-lo. Vivemos em uma geração onde as crianças, ainda que menores de 5 anos, são excessivamente atraídas e estimuladas pelas mídias sociais. Introduzir a prática esportiva na rotina da criança é um desafio, e manter essa criança no esporte acaba sendo ainda mais difícil. A prática esportiva precisa ser prazerosa e atrativa. De forma que a criança ame estar no local de treino, e ame realizar as atividades. O campeonato pode entrar como fator de estimulação, sendo um desafio e encorajando o aluno a superar seus limites.

Quando pode ser prejudicial para as crianças?

O muay thai de alto rendimento para crianças, no Brasil, está longe de acontecer. Tudo depende também da cultura. Na Tailândia, país de origem desse esporte, as crianças praticamente já nascem treinando e participando de lutas. Isso porque é cultural lutar para ajudar a família com as despesas, em uma classe não remunerada de forma adequada. Acima de tudo, a prática precisa atender as necessidades de cada aluno, respeitando suas características e individualidades. São crianças diferentes, com perfis diferentes e objetivos diferentes. É importante que a família mantenha um vínculo com o professor, para que possam juntos administrar o esporte na vida da criança. Mantendo uma rotina de treino, alimentação balanceada, descanso, o foco na rotina escolar e o respeito pelas pessoas.

CAPOEIRA

Por William Torres, conhecido como contramestre Cebolão. Ele é licenciado em História com pós graduação em africanidades e cultura afro-brasileira e instrutor de capoeira na Associação de Capoeira Nossa Luta - Grupo Angolinha, onde dá aulas para crianças a partir dos cinco anos.

A capoeira proporciona vários benefícios para os praticantes em geral. Mas dentro da infância, é válido citar o desenvolvimento da coordenação motora, a integração social, a melhoria na timidez e na autoconfiança, além do conhecimento da história e da cultura brasileira. É preciso dizer, ainda, que é uma atividade completa que engloba luta, defesa pessoal, folclore, cultura, musicalidade e história.

Benefícios além dos físicos e contraindicações:

É uma atividade que motiva o praticante e desenvolve sua confiança e autonomia, sobretudo nas crianças. Por ser um esporte coletivo, no qual, além do parceiro de jogo, depende-se também do ritmo exercido pelos instrumentos, a prática da atividade faz com que a criança desenvolva sua autoconfiança, diminuindo a timidez, pois além da prática da luta, o praticante aprenderá a tocar os instrumentos, a cantar, além da disciplina inerente de qualquer arte marcial, hierarquia e disciplina de uma forma natural, o que refletirá também no seu desenvolvimento como pessoa. Não existe contraindicação. Basta a criança se identificar, querer fazer e buscar um bom profissional.

Campeonatos: pontos positivos e cuidados

Crianças são competitivas por natureza. A prática desportiva fará com que elas desenvolvam o espírito competitivo, sabendo ganhar e sabendo perder também, como um bom esportista. Também estimula o aprimoramento técnico e desenvolve o auto controle”.

Quando pode ser prejudicial para as crianças?

No meu entender, a prática esportiva é essencial no desenvolvimento da criança. Entretanto, devemos estimulá-la a fazer uma atividade que ela goste e que tenha afinidade, não porque, por exemplo, nós, pais e tutores, queremos que a criança faça, pois tal atitude pode traumatizar a criança na prática esportiva. Por isso, recomendo que busque uma atividade que a agrade e com um bom profissional, procurando pesquisar o histórico e currículo deste e, sempre que puder, os pais devem acompanhar as aulas. Não podemos esquecer de não sobrecarregar a criança com expectativas e cargas de treino excessivas, pois cada uma tem seu tempo. Por fim, deve estar em primeiro plano sua atividade escolar, além de incentivar também atividades de lazer e família.

TÊNIS

Por Michel Delnero, educador físico, professor e criador do projeto Tênis na Escola, da Rede Primeiros Passos, que dá aulas para crianças entre dois e oito anos.

O tênis pode ser considerado um esporte completo para as crianças, pois permite que a criança desenvolva  toda a parte motora, como a coordenação fina ou grossa e as habilidades e capacidades motoras, melhora os reflexos, ajuda no fortalecimento e tonificação muscular e, é claro, incentiva o gosto pela prática de atividades físicas. Além disso, melhora a concentração, a agilidade, a força e a flexibilidade.

Benefícios além dos físicos e contraindicações:

Ele traz benefícios como aumento da concentração em sala de aula ou em outras atividades esportivas. No desenvolvimento da coordenação motora fina, por exemplo, auxilia a segurar um lápis de forma correta e ter mais precisão. Além do desenvolvimento motor, a prática esportiva estimula a criatividade, a expressão corporal e sua posição em relação ao mundo. Acredito que crianças e adultos, devam, em algum momento, experimentar este fantástico esporte, que é o tênis. Seus movimentos, a luta para chegar até a bola, o prazer em ganhar um ponto bem jogado e também lidar com as frustrações... Tudo é um grande aprendizado em uma partida de tênis. E não existe contra indicação. O tênis é considerado  um dos esportes mais completos, pois trabalha físico e emocional simultaneamente.

Campeonatos: pontos positivos e cuidados

A participação em campeonatos é importante para que as crianças lidem com vitórias e derrotas. Tudo deve ser dosado, ou seja, tão importante quanto o ganhar e perder,  é a aprender e entender a importância da participação.

Quando pode ser prejudicial para as crianças?

Toda prática mal direcionada e orientada pode causar malefícios ao desenvolvimento da criança. Por isso, é sempre muito importante procurar profissionais preparados, com trabalho direcionado para cada idade e modalidade. Quando levado ao extremismo, qualquer prática esportiva se torna prejudicial.

CROSSTRAINING

Por Kamille Almendra Garcia, educadora física e coordenadora do programa de crosstrainning para crianças e adolescentes, o SAUT KIDS, da academia SAUT – Escola do Movimento. Ela dá aulas para crianças de cinco a 12 anos.

Os benefícios de uma atividade física durante a infância são muitos. Afinal, a criança que é estimulada desde cedo a praticar esportes tende a ter uma vida mais ativa quando adulta, prevenindo problemas de saúde como hipertensão, diabetes, obesidade etc. Além de contribuir para a manutenção da saúde, há também os benefícios cognitivos, emocionais e sociais. E o crosstraining traz a junção de diversas modalidades, entre elas a  ginástica olímpica, o levantamento de peso olímpico e movimentos básicos como agachar, empurrar, puxar, saltar, correr etc, que, juntos, contribuem para que a criança tenha contato com uma diversidade de movimentos, que futuramente pode utilizar como base para qualquer outro esporte que venha a praticar em sua vida.

Benefícios além dos físicos e contraindicações:

As aulas que acontecem em grupo proporcionam uma interação social rica que impõe desafios às crianças e as fazem desenvolver as áreas social, cooperativa e competitiva. Nossa proposta nas aulas infantis é proporcionar um estilo de vida saudável para as crianças, fornecendo o máximo de estímulos cognitivos e motores para seu desenvolvimento, incentivando a optarem sempre por hábitos saudáveis. E não há contraindicações para crianças praticarem o crosstraining. Todos os movimentos podem ser adaptados às necessidades dos pequenos.

Campeonatos: pontos positivos e cuidados

Já sabemos que o esporte gera incontáveis benefícios para a saúde das crianças. Mas, além disso, muitas outras áreas são beneficiadas com o estímulo às atividades esportivas durante a infância, como a coordenação motora, o reflexo, o equilíbrio, a socialização e a cooperação. Os exercícios regulares também estimulam a competitividade de maneira saudável, promovendo, inclusive, melhora no aprendizado.

Portanto, a participação de crianças em campeonatos é, sim, saudável, pois estimular a competitividade da maneira correta é benéfico para o desenvolvimento infantil. Porém, é preciso ter cuidado, já que a orientação e o estímulo à competitividade não devem carregar as exigências que têm atletas de alto rendimento, quando o menos apto é excluído e a busca por performance é o principal objetivo. Ao invés disso, é importante tratar a competição como um momento de diversão para que os pequenos busquem superar seus desafios e ter contato com diversas experiências.

Quando pode ser prejudicial para as crianças?

Mesmo sendo extremamente importante para a manutenção da saúde,  a atividade física passa a fazer mal no momento em que não são respeitados os limites do nosso corpo. Dessa forma, corremos o risco de nos lesionar ou até causar danos mais sérios ao nosso organismo”.

AULAS CIRCENSES

Por Mizael Alves, que tem formação em Licenciatura em Educação Artística com habilitação em Música, mas atua como  ator, palhaço e arte educador, que dá aulas de circo para crianças a partir de dois anos.

Além da ludicidade, as aulas de circo trabalham o corpo como um todo: fortalecimento, flexibilidade, alongamento, equilíbrio, entre outros aspectos.

Benefícios além dos físicos e contraindicações:

As atividades circenses são um encontro e diálogo com suas limitações, medos,  inseguranças, mas também com suas potências. Elas possibilitam um corpo mais presente, vivo e ativo. Conseguir executar um movimento, que a princípio parece difícil, é uma conquista muito grande. O circo é uma arte coletiva, ainda que um determinado número seja executado como solo, e toda a preparação para esse número passa por um lugar de confiar em quem está ajudando nessa montagem.

Então, digo que não se faz circo sozinho, pois o trabalho coletivo está sempre presente. As aulas de circo também trabalham a coordenação motora, executando acrobacias de solo, como também manipulando os objetos de malabares. Foco, atenção e prontidão e afeto são coisas que o fazer circense possibilita. Fora que, além de tudo isso, os alunos estão em conexão com uma arte milenar. E não há, de forma nenhuma, contraindicação. O circo pode e deve ser praticado por todas as crianças. E confesso que fico imensamente feliz de, no final da aula, as crianças dizerem que queriam que todas as aulas fossem de circo. É uma arte milenar que continua a encantar.

Campeonatos: pontos positivos e cuidados

Sou a favor de um lugar onde a criança possa mostrar suas habilidades sem um julgamento de melhor ou pior, de ganhar ou perder.  Somos colonizados na competição, logo, para que um ganhe, é preciso que um outro perca. A criança que sempre está acostumada a ganhar, se por acaso um dia ela perder, terá um choque, e isso invalidará, de uma certa forma, tudo que ela já fez. Portanto, sou a favor de criança que brinca e, por isso, busco trazer muito esse lugar do brincar nas atividades circenses.

Quando pode ser prejudicial para as crianças?

A prática de esporte se torna prejudicial a partir do momento em que é introjetado na criança, que ela tem que ser a melhor, pois isso é um peso muito grande a se carregar. E, assim, o que era para ser prazeroso, se torna uma obrigação, pois começam os excessos de treinos, fadiga do corpo e não ter tempo para o ócio.

BALLET CLÁSSICO

Por Monique Iwasaki, professora de ballet clássico, sapateado, jazz, desenvolvimento de bebês e vivência motora na Competition, onde dá aulas para crianças a partir dos três anos.

O Ballet Clássico traz muitos benefícios para as crianças, pois trabalha a postura, o controle do movimento, a coordenação motora, a consciência corporal, a força muscular, a flexibilidade, a lateralidade, o equilíbrio, a noção espacial, a expressão corporal, o ritmo, a concentração, a memória e a disciplina. É importante dizer também que a dança no Brasil sofre muito preconceito, mais especificamente o ballet clássico, onde a maioria é somente formada por meninas. Se todos soubessem os benefícios que a modalidade traz para o desenvolvimento infantil, seria mais valorizada e não teríamos todos esse preconceito.

Benefícios além dos físicos e contraindicações:

O ballet ajuda muito na disciplina, já que a criança aprende a esperar a vez dela e a respeitar o espaço do amigo. Também trabalha a coletividade e faz a criança entender que tem a hora de brincar e a hora de prestar atenção. Outro benefício é como auxilia a criança a se soltar, principalmente as que são muito tímidas. Além disso, ajuda a desenvolver a criatividade nas atividades em que, por exemplo, cada aluno precisa inventar a sua pose, dança livre ou expressão facial  quando fazemos atividades onde precisam mostrar a carinha de triste, feliz, brava etc.

Como é uma aula que tem bastante interação entre as crianças, estimula também a fazer amigos. É preciso dizer que a dança é uma excelente modalidade para todos e não há contraindicação! Porém, é importante ter um bom profissional que conheça a modalidade que vai dar aula, que entenda sobre o corpo humano, seu desenvolvimento e movimento, e que saiba lidar com todos os tipos de comportamento das crianças. Afinal, cada uma é única.

Campeonatos: pontos positivos e cuidados

A participação em competições traz diversos benefícios. Na dança/ballet clássico, trabalha a memória, a concentração, ajuda a melhorar a técnica pela repetição da coreografia nas aulas e a criança passa pela parte de ganhar e perder, frustração/desapontamento e felicidade/prazer/satisfação.

Quando pode ser prejudicial para as crianças?

É muito importante a prática do ballet clássico/atividade física para o desenvolvimento das crianças. Porém, o excesso passa a deixar de ser saudável, afinal, a criança tem que ser criança e ter tempo livre para brincar.

JUDÔ

Por Paulo Roberto A. Ferreira, faixa preta de Judô 4*Dan e Professor de Judô na Competition para crianças de três a 13 anos.

A prática do judô tem inúmeros benefícios para o desenvolvimento das crianças, como a melhora das habilidades motoras, físicas, cognitivas, sociais e até educacionais. Sobre a parte física especificamente, o judô ensina quedas e, por meio delas, ajuda a preservar uma lesão, que poderia machucar de forma grave. Porém, aprendendo a cair de forma correta, é possível amenizar as consequências de uma queda.

Benefícios além dos físicos e contraindicações:

O judô, além de desenvolver todo o conhecimento do seu próprio corpo, é capaz de desenvolver a educação e a disciplina. Também tem o benefício mútuo, que nada mais é do que respeitar e compreender as capacidades do próximo, não só pensando em si, mas nas dificuldades e qualidades de quem está treinando com você. Não existe nenhum tipo de contraindicação para a prática de judô, pelo contrário, é um esporte até recomendado por muitos médicos”.

Campeonatos: pontos positivos e cuidados

A competição para crianças, quando realizada de uma forma lúdica e educativa, só traz benefícios, porque ensina, na prática, o lance de ganhar e perder, se expor na frente das pessoas, lidar com pressão e frustração. Porém, quando há uma cobrança muito forte, com exigência de resultados, você deixa de estimular a criança no esporte e pode até fazer com que ela desista de praticar uma atividade, que é algo que pode fazer diferença para toda a vida dela”.

Quando pode ser prejudicial para as crianças?

Quando as aulas cobram uma intensidade acima do que é recomendado para aquela faixa etária, o que pode causar não só lesões físicas como até traumas psicológicos.

KICKBOXING

Por Emerson Masella, Sensei de Kickboxing japonês da Dojo Masella Artes Marciais, que dá aulas para crianças a partir de quatro anos.

Os principais benefícios que o kickboxing pode trazer às crianças são melhoria da resistência, flexibilidade, agilidade, reflexo, força, melhora a concentração e redução do estresse. Artes marciais, no geral, auxiliam um crescimento saudável, além de manter as crianças sempre ativas.

Benefícios além dos físicos e contraindicações:

O kickboxing ajuda na formação do caráter e da personalidade da criança. Eles têm aprendizados importantes, como o respeito ao próximo, disciplina e, automaticamente, levam isso para a evolução escolar e, quando crescidos, para o profissional. Não há contra indicações, desde que a criança esteja apta a praticar esportes.  Eu dou aula para crianças com deficiência intelectual e física e, pela minha experiência, o kickboxing só trouxe benefícios para elas - tanto emocional quanto físico.

Campeonatos: pontos positivos e cuidados

Os campeonatos podem trazer benefícios para as crianças, desde q sejam bem orientadas e que seja feita uma análise minuciosa dentro do tatame, para que seja decidido o momento certo de competir e para que este desafio seja um momento saudável, ganhando ou perdendo, já que eles devem aprender a lidar com isso.

Quando pode ser prejudicial para as crianças?

A prática de esportes para as crianças pode ser prejudicial se não respeitar seu limite de treino, pois ainda estão na fase de crescimento e podem aparecer lesões. Também é prejudicial quando são cobrados em excesso por resultados, o que pode trazer frustração e desmotivação.

JIU-JITSU

Por Daniel Ferreira, professor da modalidade na Jiu-jitsu Ferreira, que dá aulas para crianças de todas as idades.

A modalidade, além de proporcionar aos alunos maior auto controle emocional, aumento da motricidade e do foco/concentração/disciplina, ainda trabalha a autoestima, auxilia na socialização (inclusive para enfrentar possíveis episódios de bullying), ajuda na defesa pessoal e, é claro, promove o desenvolvimento físico.

Benefícios além dos físicos e contraindicações:

O Jiu-jitsu, na sua própria dinâmica de combate, exige que você ganhe ou desista. Com as desistências nos treinos, os alunos, principalmente quando crianças, aprendem a ter humildade e respeito. Por muitas vezes, durante o combate, nos encontramos em situações onde você tem que segurar o que tem, relaxar perante a pressão que está sofrendo e, agir no momento certo. Outro ponto importante sobre a modalidade é que a criança que faz exercício, seja ele qual for, desenvolve mais ainda as aptidões que possui, como, por exemplo, quando a criança é criativa ou possui inteligência para uma outra arte, elas têm suas qualidades mais afloradas. E isso é consequência da prática do esporte.

Quanto às contraindicações, um esporte, quando bem direcionado, não possui. O jiu-jitsu, por exemplo, é um "xadrez humano" e requer muito foco e atenção. Caso a criança tenha alguma condição especifica, isso deve ser observado pelo professor e médico. Eu, por exemplo, tenho um aluno que não tem uma mão, um que tem o fêmur menor que o outro. Mas quando colocamos as costas no chão, essa condição desaparece. Jiu-Jitsu é uma luta do chão, o que "permite"  sua prática nesses casos. E caso a criança não tenha um corpo propício para fazer aquela atividade ou exercício, em alguns casos trabalhamos antes a parte da musculatura e desenvolvimento para depois iniciarmos a criança na luta.

Campeonatos: pontos positivos e cuidados

Existem os que competem por ego e os que competem por satisfação pessoal. Na fase infantil, há os que perdem e choram e os que perdem e querem ir de novo. Difícil saber se, na maioria, os pais incentivaram ou foi por incentivo. A competição serve mais para mostrar o caráter da criança/atleta do que moldar o caráter. O molde fica com a derrota ou vitória.

Quando pode ser prejudicial para as crianças?

A prática torna-se prejudicial para uma criança quando não há um acompanhamento fora da atividade e quando o responsável pelos treinos não traz o que é necessário para um treino saudável. Muitas crianças, quando estão com preguiça, recebem incentivo dos pais para faltar o treino. Por muitas vezes, pedem para sair da atividade somente pela falta da sua "zona de conforto", seja por um exercício ao qual a criança ainda não superou ou, por qualquer motivo de insatisfação. Nessa hora, aconselho ao responsável a continuar trazendo a criança.

VOLEIBOL

Por Luiz Henrique Augusto, Técnico de Voleibol da Confederação Brasileira nível 4 e Técnico da Associação Desportiva Vôlei Mãozinha, que dá aulas para crianças a partir dos dez anos.

Os benefícios do voleibol vão além da atividade física. Além de toda contribuição para o sistema motor e cognitiva, há o social porque a prática é a mais social de todas, pois não tem como jogar sozinho, precisa ter mais de um contato na bola. Há benefícios para autoestima, elementos psicomotores, elementos de bilateralidade e benefícios além de toda parte biológica e anatômica, bem como para o sistema terapêutico, ainda mais pós pandemia, com tantos problemas emocionais que essa época causou nas pessoas, em especial, nas crianças.

Benefícios além dos físicos e contraindicações:

Aprender a respeitar as regras, descobrir seus limites, aprender a trabalhar em grupo, lidar com situações técnicas da modalidade, autocontrole, autoestima. Voleibol é extremamente completo, exigindo acervo motor muito grande. É um esporte onde todos os movimentos são construídos, nenhum natural do ser humano, como impedir que a bola caia no chão. Exige do praticante um desenvolvimento das capacidades físicas: força, velocidade. Não existe contraindicações. O problema está em como isso será praticado. O esporte até os dez anos de idade tem de ser usado como pano de fundo e desenvolver as habilidades motoras nesta pratica esportiva. A partir dos dez anos começa a especificar as ações e gestos técnicos da referida modalidade.

Campeonatos: pontos positivos e cuidados

A vida é uma competição. Se pegarmos desde a concepção dos espermatozoides para chegar ao óvulo, já somos competitivos. A questão da competição está na forma como ensinamos, como é feita nas crianças. Adversário não é inimigo. Sem ele não há competição. Temos de referenciar o adversário, agradecer a presença dele, pois sem ele do outro lado não há como competir. Na competição, acessamos emoções que treinamento nenhum acessa, é a cereja do bolo no processo de formação deles, traz sentimentos de união, garra, de grupo, de persistência. Contempla a formação deles.

Quando pode ser prejudicial para as crianças?

Só é prejudicial à criança se for precocemente inserida tendo como objetivo resultado, rendimento. Isso tem de ser feito respeitando as características da faixa etária. Tem de ser lúdica, recreativa, onde o objetivo é estimular o movimento motor. Não podemos exigir performances. É natural que a criança inserida de forma competitiva, abandone a prática no início da adolescência pois satura. A criança não tem saúde física e emocional para lidar com cobrança. Se esse processo não for feito de forma adequada, é prejudicial, sim, à criança.

NATAÇÃO

Por Paulo Roberto Onorato, professor da Competition, onde dá aulas para crianças dos nove aos 11 anos.

Considerado um dos esportes mais completos, além dos benefícios físicos, já que a natação trabalha o corpo todo, a prática desse esporte também ajuda na coordenação motora, por meio dos movimentos das pernas, dos braços e da respiração em cada nado; a coordenação espaço-temporal; o autocontrole; a autoconfiança e a disciplina.

Benefícios além dos físicos e contraindicações:

Na natação, desenvolvemos a autoconfiança, já que trabalhamos a conquista de pequenos objetivos durante a aula. Isso também ajuda a criança a perceber que ela é capaz de fazer algo e melhorar. Por outro lado, também ajudamos a lidar com a frustração, quando ela não consegue realizar algum movimento proposto, mas também a resiliência, para que ela não desista na primeira tentativa. Além disso, a natação também desenvolve a socialização, o respeito ao próximo – seja com colegas ou professores - e a disciplina.

Por fim, a modalidade ajuda na conscientização das crianças com relação à água e aos cuidados necessários para evitar afogamento. Mesmo sabendo nadar, é importante alertar a criança da importância de não entrar sozinha em ambientes com água, seja piscina, mar, rio, represa. Não existe contraindicação quando a atividade física está adequada à rotina da criança, junto da escola, da família, de sono, da alimentação e de outras atividades que ela tenha. Quanto mais prática esportiva, melhor, pois isso vai contribuir com o desenvolvimento físico, intelectual e social.

Campeonatos: pontos positivos e cuidados

Para que essa competitividade precoce não apareça, é importante que haja uma adaptação a um ambiente competitivo, começando pelos festivais, em que todos os participantes são premiados, sem uma cobrança excessiva por resultados. Dessa forma, a criança vai vivenciar como é um ambiente de competição. Depois, vamos avaliando como ela se sentiu e a evolução dela e, a partir daí, podemos prepará-la para participar de competições e campeonatos futuros, de acordo com a faixa etária e com o que ela já sabe fazer. É preciso ter um cuidado muito grande, começando com os festivais, que são positivos para a vida da criança.

Quando pode ser prejudicial para as crianças?

A prática de esportes pode ser prejudicial quando há uma cobrança exagerada. Nas crianças, essa cobrança acaba vindo dos pais, que criam expectativas, quando a gente nem consegue saber ainda se a criança vai realmente praticar essa modalidade. É importante que os pais motivem e digam para a criança o quanto ela evoluiu, mas sem cobranças. O ideal é que a criança se sinta livre para praticar o esporte, que ele faça parte da rotina dela, mas sem a obrigação de resultados.

Em tempo: “A criança é ativa por natureza, mas se ela não tiver estímulo, buscará o caminho mais fácil. Os videogames e jogos online, por exemplo, são muito atrativos. Mas quando a gente imagina o momento de lazer de criança e adolescente, pensa em brincadeiras na praça, andar de bicicleta ou jogos com irmãos e amigos. É preciso buscar outras saídas e os pais devem estimular isso. Se quem cuida não incentivar essas atividades, fica mais fácil para a criança aderir a comportamentos sedentários. É importante lembrar que os filhos se espelham nos pais. Se os adultos da família se alimentam bem e se são ativos, inclusive nos momentos de lazer, as chances das crianças adotarem esses comportamentos são maiores. Portanto, a busca pela atividade física não deve ser somente das crianças, mas também dos pais”, conclui Paula Toyansk, da Bodytech Company.

*PRISCILA CORREIA é jornalista, especializada no segmento materno-infantil. Entusiasta do empreendedorismo materno e da parentalidade positiva, é criadora do Aventuras Maternas, com conteúdo sobre educação infantil, responsabilidade social, saúde na infância, entre outros temas. Instagram:@aventurasmaternas

{# Taboola Newsroom #}