AnaMaria
Busca
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaYoutube AnaMariaTiktok AnaMariaSpotify AnaMaria
Coluna Bianca Vilela / Revolução silenciosa

Inteligência Artificial na comunicação e os novos horizontes para carreiras e negócios

Entenda o que a revolução da Inteligência Artificial pode significar para a carreira e negócios

Estamos imersos em uma revolução. E não, não falamos de grandes manifestações nas ruas, e sim de uma transformação silenciosa, impulsionada pela Inteligência Artificial (IA) que invade nossos celulares, computadores e, até mesmo, eletrodomésticos. Mas como a IA está reformulando a comunicação e, por consequência, nossas carreiras e negócios?

Convidei Marc Tawil, estrategista de Comunicação, Nº 1 LinkedIn Top Voices e TEDxSpeaker, para decifrar este enigma moderno. E ele já começa traçando o panorama atual: “A Inteligência Artificial está reinventando a maneira como nos comunicamos. Seja por meio de chatbots em sites de empresas, assistentes virtuais ou sistemas de análise de dados, a IA está criando uma nova linguagem”.

Pergunto o que isso significa para nossas carreiras? Tawil reflete: “É uma faca de dois gumes. Por um lado, cargos puramente operacionais estão sendo automatizados. Por outro, surgem oportunidades para profissionais que podem trabalhar em conjunto com essa tecnologia, entendendo-a e otimizando-a”.

O mesmo se aplica aos negócios. Enquanto a IA pode otimizar processos, oferecer insights através da análise de dados e até mesmo melhorar a experiência do cliente, também requer uma adaptação. “Negócios precisam reavaliar suas estratégias, integrando a IA de forma que beneficie tanto o cliente quanto a operação interna”, sugere Tawil.

E, com a crescente adoção da IA, as habilidades humanas, como empatia, criatividade e pensamento crítico, tornam-se ainda mais valiosas. “Em um mundo dominado por algoritmos, a verdadeira conexão humana é o nosso diferencial”, enfatiza.

PODE TUDO?

Aqui, a questão ética entra em cena. Com a IA analisando e prevendo comportamentos, onde traçamos a linha entre utilidade e invasão de privacidade? “É fundamental que, como sociedade, estabeleçamos regras e limites para o uso da IA na comunicação, garantindo que ela sirva a humanidade e não o contrário”, alerta o estrategista.

Ao olhar para o futuro, Marc Tawil se mostra otimista: “Se bem direcionada, a IA tem o potencial de melhorar a eficiência, a personalização e a experiência em diversas áreas. Mas o coração da comunicação, aquele fator humano, permanecerá insubstituível”.

Ele ainda nos deixa com uma reflexão: “A IA é uma ferramenta, um complemento. Em nossas carreiras e negócios, cabe a nós determinarmos como essa melodia tecnológica será orquestrada. Afinal, a batuta está em nossas mãos”.

A evolução tecnológica já começou e é uma onda impossível de deter. Já a capacidade de nos adaptarmos, aprendermos e reinventarmos é o que nos torna únicos. O futuro é um livro em branco, esperando para ser escrito por todos nós!