AnaMaria

Gasolina está cara? Saiba mais sobre como os carros elétricos funcionam

Modelos de carro elétrico são sustentáveis, mas ainda saem caros para o consumidor

Da Redação Publicado em 06/04/2022, às 08h00

Michael Marais/Unsplash
Michael Marais/Unsplash

De um tempo para cá, tem crescido bastante o interesse pelos carros ou veículos elétricos. A grande vantagem é que eles se movimentam usando energia elétrica, e não a dos combustíveis fósseis, como é o caso da gasolina. Esses veículos, entretanto, precisam de um sistema completo de baterias, que uma vez recarregadas, possibilitam sua autonomia para poder transitar pelas ruas, cidades e rodovias.

Importante destacar que, o que antes era uma questão de sustentabilidade, agora está se tornando uma necessidade básica, devido à alta nos preços dos combustíveis fósseis, particularmente no Brasil, impulsionada também pela Guerra na Ucrânia. Além disso, os carros elétricos, que antes tinham preços exorbitantes, hoje já possuem valores mais competitivos. Mesmo assim, precisamos admitir que ainda são caros: uma média de R$ 150 mil.

Um estudo, publicado no Portal IG, mostra que os consumidores já pensam seriamente em ter um carro elétrico, coisa que não acontecia no passado. Isso porque esses clientes não acreditavam muito no potencial dos carros elétricos, particularmente no Brasil. A sensação era impulsionada, talvez, pela falta de infraestrutura - em termos de locais de abastecimento pelas cidades - e o custo das baterias (que precisam ser substituídas de tempos em tempos), cujo custo geralmente é bastante elevado.

Outras pessoas enxergavam o carro elétrico como um suposto “elefante branco”, ou seja, uma vez adquirido, seria difícil de revender depois. Ou, se vende-se, teria muita desvalorização no seu valor de mercado. Entretanto, um ponto favorável, em relação aos carros elétricos, é que eles têm baixo custo de manutenção, pois não é necessário trocar óleo, velas, bobinas, bicos injetores, entre outras peças.

OS DOIS MUNDOS

Gostaríamos de destacar que nem todos os veículos ditos elétricos são totalmente assim. Alguns deles são híbridos, ou seja, funcionam mesclando a utilização de combustível fóssil (gasolina) com a energia elétrica. Podemos destacar aqui alguns dos primeiros modelos híbridos que surgiram no Brasil, como é o caso do Ford Fusion, e também o Toyota Prius.

No caso deste último, ele é considerado um modelo híbrido total, onde seu sistema consegue operar no modo puramente elétrico, até uma velocidade máxima de 40 km/h. Acima disso, começa a utilizar em conjunto o combustível de origem fóssil. O Prius, em específico, possui dois motores que funcionam de acordo com a necessidade, sendo de forma isolada ou conjunta.

As opções em carros elétricos no Brasil cresceram bastante. Existem os modelos compactos por menos de R$ 160 mil; aqueles mais tradicionais, na faixa de R$ 200 mil a R$ 300 mil, e os de luxo que ultrapassam a barreira dos R$ 400 mil.

Um exemplo é o Caoa Chery Arrizo 5e, que custa R$ 159,9 mil, tem potência de 122cv e autonomia de 322km. O Chevrolet Bolt custa R$ 317 mil, com potência de 203cv, autonomia de 416km, e consegue fazer de 0 a 100km/h em 7,3 segundos. De acordo com informações do Portal AutoPapo Uol, a produção do Bolt está temporariamente suspensa nos Estados Unidos, devido casos de incêndio. Entretanto, a GM do Brasil já tinha aberto a pré-venda.

O Fiat 500e custa R$ 255,9 mil com potência de 118cv, autonomia de 320km, e faz de 0 a 100km em 10,7s. O JAC E-JS1, que é baseado no J2 (que já foi vendido no Brasil), custa entre R$ 164,9 mil e R$ 179,9 mil, tem potência de 62cv, com autonomia de 302km, e faz de 0 a 100 km/h em 10,7s.

Entre outros modelos, podemos destacar o Nissan Leaf, com valor de R$ 293,7 mil, com potência de 149cv, autonomia de 272km, e atinge de 0 a 100 km/h em 7,9 segundos. O Peugeot e-208, cuja versão elétrica é importada da França, custa R$ 269,9 mil, com potência de 136cv, autonomia de 340km, e faz de 0 a 100 km em 8,3s. Também gostaríamos de destacar o Renault Zoe E-Tech, que custa entre R$ 204,9 mil e R$ 229,9 mil, com potência de 135cv, autonomia de 385 km, e faz de 0 a 100 km/h em 9,5 segundos. Essas informações foram tiradas do Autopapo UOL.

DAQUI E DALI

Como modelo híbrido, podemos destacar o Toyota Corolla. Com a tecnologia híbrida flex, o Corolla pode ser encontrado em duas versões: Altis Hybrid e Altis Hybrid Premium, com valores variando entre R$ 142,9 mil e R$ 149,8 mil. Por se tratar de um carro híbrido, ele tem melhor consumo nas cidades do que nas estradas, devido ao uso dos motores elétricos para ajudar nas acelerações e, também, retomadas de velocidade. Ainda, de acordo com o Programa Brasileiro de Etiquetagem do Inmetro, o Corolla Hybrid possui um consumo de 10,9 km/l no cenário urbano, e 9,9 km/l nas rodovias usando etanol; enquanto que na gasolina faz 16,3 km/l na cidade, e 14,5 km/l nas estradas. Essas informações são do Portal MobiAuto.

Desde 2013, algumas cidades brasileiras estão com projeto em andamento para utilização de táxis elétricos como uma maneira de divulgar e fomentar o uso dessa tecnologia pelas pessoas em geral. Em São Paulo, o projeto começou com dois modelos do Nissan Leaf. O carro é 100% elétrico e, no final do ano de 2013, já contava com 10 unidades, sendo um sucesso entre os clientes. Em 2017, a cidade já estava contando com 20 táxis híbridos, entretanto, do modelo Toyota Prius.

Durante os Jogos Olímpicos de 2016 no Rio, a Nissan, patrocinadora da competição, trouxe também seu carro elétrico para ser usado como táxi durante o evento. Em 2015, em Campinas/SP, foram adquiridos táxis elétricos, para compor sua frota. No caso, o modelo escolhido foi o BYD e6, da montadora chinesa BYD, o qual tinha autonomia de cerca de 400 km. Outras cidades brasileiras que também adquiriram o BYD e6, foram Palmas, no Tocantins; Belo Horizonte/MG, e Curitiba/PR.

Esperamos ter desbravado um pouco o mundo dos carros elétricos, e até o próximo artigo!!!

*JULIANO SCHIMIGUEL é Pesquisador, Orientador de Pós-Doutorado, Doutorado e Mestrado, Professor Universitário (Universidade Cruzeiro do Sul – São Paulo/SP, Centro Universitário Anchieta – Jundiaí/SP) e escreve sobre Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), além de seu impacto na sociedade e no ensino e aprendizagem. Para encontrá-lo, basta acessar seu LinkedIn, seu Instagram, seu Canal no Youtube ou mandar um e-mail: schimiguel@gmail.com