AnaMaria
Busca
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaYoutube AnaMariaTiktok AnaMariaSpotify AnaMaria

Como funciona a fila de adoção no Brasil? Entenda o processo

A adoção no Brasil conta com burocracias e exigências legais que podem tornar o processo demorado para as famílias; confira como funciona

Marina Borges

por Marina Borges

mborges_colab@caras.com.br

Publicado em 21/06/2024, às 18h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Adoção no Brasil é burocrática e conta com fila de espera - Freepik
Adoção no Brasil é burocrática e conta com fila de espera - Freepik

A adoção no Brasil é um processo complexo e repleto de desafios, especialmente no que diz respeito à diversidade e inclusão. Dados recentes mostram que crianças brancas, com até 3 anos de idade e sem sérios problemas de saúde, são as mais preferidas pelos mais de 35 mil adotantes na fila de espera. Esta realidade destaca a necessidade de uma maior conscientização e preparação dos futuros pais adotivos para acolherem crianças de todas as idades, raças e condições de saúde.

No entanto, a burocracia e as exigências legais também tornam o processo de adoção demorado e, por vezes, frustrante para as famílias interessadas. A seguir, AnaMaria explica como funciona a fila de adoção no Brasil e quais são os principais obstáculos enfrentados. Confira.

Como funciona a adoção no Brasil?

adoção no brasil
A adoção no Brasil requer paciência - Foto: Freepik

A adoção no Brasil é regida pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que estabelece normas e procedimentos para garantir que o processo seja conduzido de forma ética e segura, visando sempre o bem-estar da criança ou adolescente. O processo de adoção exige algumas etapas principais, confira:

1. Habilitação dos adotantes

O primeiro passo para quem deseja adotar no Brasil é se habilitar como adotante. Para isso, os interessados devem procurar a Vara da Infância e Juventude de sua cidade e apresentar uma série de documentos, incluindo comprovantes de renda, residência, certidões negativas cíveis e criminais, além de atestados de sanidade física e mental. Os candidatos também passam por entrevistas e avaliações psicossociais realizadas por profissionais especializados.

2. Cadastro Nacional de Adoção

Após a habilitação, os dados dos adotantes são inseridos no Cadastro Nacional de Adoção (CNA). Este sistema é utilizado para cruzar as informações dos adotantes com as crianças disponíveis para adoção em todo o país. O CNA é uma ferramenta crucial para agilizar e organizar o processo, garantindo maior transparência e eficiência.

3. Escolha do perfil

Os adotantes têm a possibilidade de definir o perfil da criança ou adolescente que desejam adotar, considerando idade, sexo, raça, e condições de saúde. No entanto, é importante destacar que quanto mais restritivo for o perfil escolhido, maior pode ser o tempo de espera. A preferência por crianças mais novas e brancas, sem problemas de saúde, é uma realidade que contribui para a demora na adoção de crianças mais velhas ou com necessidades especiais.

4. Processo judicial

Quando há uma criança ou adolescente compatível com o perfil desejado pelos adotantes, inicia-se o processo judicial de adoção no Brasil. Este processo inclui a guarda provisória, que permite aos adotantes conviverem com a criança por um período determinado pelo juiz, para que seja avaliada a adaptação mútua. Durante esse período, os profissionais do juizado acompanham de perto a convivência.

5. Sentença de adoção

Se a fase de convivência for bem-sucedida, o juiz emite a sentença de adoção, que confere ao adotante todos os direitos e deveres de um pai ou mãe biológicos. A partir desse momento, a criança ou adolescente adotado passa a ter um novo registro de nascimento, com o nome dos adotantes como pais.

6. Acompanhamento pós-adoção

Após a adoção no Brasil, o juizado pode realizar um acompanhamento da família adotiva para garantir que a adaptação continue de forma saudável e que os direitos da criança ou adolescente sejam plenamente respeitados.

Algumas considerações em relação ao processo de adoção de crianças no Brasil incluem desafios significativos, como a demora no andamento dos processos judiciais, a necessidade de maior sensibilização dos adotantes para aceitarem perfis mais diversificados de crianças, e a integração de medidas que promovam a adoção de grupos de irmãos ou crianças mais velhas. Além disso, é fundamental um apoio contínuo às famílias adotivas para assegurar o sucesso da adoção e o bem-estar dos adotados.

No Dia das Mães, mulheres falam sobre adoção monoparental no Brasil

Como funciona a fila de adoção?

adoção no brasil
A adoção no Brasil geralmente conta com fila de espera - Foto: Freepik

A fila de adoção no Brasil é gerida pelo Cadastro Nacional de Adoção (CNA), que organiza candidatos habilitados e crianças disponíveis para adoção em um sistema unificado. Para entrar na fila, os interessados devem passar por um processo de habilitação na Vara da Infância e Juventude, que inclui avaliações psicossociais e documentais.

Após a habilitação, os candidatos definem o perfil da criança que desejam adotar. O sistema do CNA então cruza esses perfis com as crianças disponíveis, priorizando a combinação mais adequada. O andamento da fila pode variar conforme a flexibilidade dos candidatos em relação ao perfil da criança e a disponibilidade de crianças que correspondam a essas preferências.

Leia também:

Como funciona o processo de adoção em países africanos? Jojo Todynho está tentando

Aline Wirley abre o coração sobre desafios da adoção de dois filhos