AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria

Como lidar com choros e reclamações intermináveis dos filhos? Veja dicas

Descubra o que fazer para aprender a lidar com choros e reclamações dos pequenos

Karla Precioso Publicado em 11/06/2022, às 14h30

Aprenda a lidar com choros e reclamações dos pequenos - Freepik
Aprenda a lidar com choros e reclamações dos pequenos - Freepik

Você já tentou de tudo, mas a reclamação nunca termina? Não se preocupe, você não está sozinha. Ao entender o motivo da criança choramingar, você pode descobrir o que fazer para mudar essa realidade.

Quando seu filho choraminga, ele garante uma boa parte de sua atenção, mesmo que de forma negativa. Todos os seres humanos estão ligados a duas necessidades emocionais básicas: pertencimento e significância.

Uma das formas cruciais pelas quais os pais podem satisfazer a necessidade de pertencer a uma criança é dar atenção suficiente a ela. Vale reforçar que os pequenos não choram com a intenção de irritarem seus pais de propósito. Na verdade, elas reclamam porque necessitam de atenção – e quando não estão recebendo a atenção positiva de que necessitam, começam a buscar essa atenção de maneira negativa.

Então, elas investem em reclamar, chorar e negociar para, assim, conseguir encontrar a atenção positiva tão desejada. No entanto, isso não funciona, porque tudo o que conseguem é irritar os pais, que não compreendem o recado, se descontrolam ou cedem às pressões.

Segundo Telma Abrahão, Educadora Parental, membro da American Positive Discipline Association, especialista em Inteligência Emocional e em Perfil Comportamental, fundadora da escola de pais Positive Parenting Education, na Flórida, nos Estados Unidos, e autora do livro Pais que evoluem (Literare Books International), as crianças só continuam com aqueles comportamentos que funcionam para elas.

Quando choram e os pais cedem, elas percebem que as reclamações lhes dão o que querem. No entanto, ceder às demandas não é a única maneira de recompensar as reclamações de nossos filhos.

O simples fato de respondermos, mesmo que seja para repreendê-los, já é suficiente para alimentar esse ciclo vicioso, pois a criançada sabe que pode fazer isso de novo para obter sempre o mesmo resultado: a sua atenção negativa. Então, como frear esse ciclo? Aprenda agora!

FAÇA O SEU 'NÃO' VALER

Remova a recompensa e pare de dar o que a criança está pedindo apenas para se livrar da angústia do momento. Mantenha-se firme no NÃO, sem perder o controle. Se uma birra acontecer, mantenha a calma e deixe seu filho lidar com aquela frustração. Chorar faz parte, mas não ceda, pois em breve ele entenderá que fazer birra não fará você mudar de ideia.

NÃO DÊ ATENÇÃO NEGATIVA

Ao recusar-se a dar atenção a reclamações, você remove uma grande parte da recompensa. Então, explique o que vai acontecer de agora em diante. Em um momento de calma, olhe para o seu filho e diga:

“Você está crescendo tanto! Você já é grande o suficiente para pedir o que gostaria com uma voz normal, sem reclamar e ficar bem se não conseguir o que deseja. Se você me perguntar algo em uma voz chorosa, eu não responderei. Você pode tentar novamente com sua voz normal e ficarei feliz em falar sobre qualquer coisa que você deseje. Combinado?”.

Explique como você responderá de agora em diante. Diga: “se você continuar a falar chorando, eu não responderei. Em vez disso, irei fazer minhas coisas até que você queira falar com a sua voz normal e, assim, ficarei feliz em ouvir o que você tem a me dizer.” Em seguida, confirme a compreensão, dizendo: “Você pode repetir para mim como vamos conversar de agora em diante e o que farei se você decidir continuar a falar chorando?”.

Você vai precisar manter-se firme TODAS as vezes que seu filho fizer birra para que consiga ter resultado. Permaneça calma e sem dar atenção enquanto o choro não parar. Quando a criança usar sua voz normal, então, responda de forma calma e gentil.

DÊ ATENÇÃO POSITIVA DE FORMA PROATIVA

Para que essas etapas funcionem, você precisará dar atenção positiva para atender às necessidades emocionais de seu filho. Os pais devem tirar pelo menos 30 minutos de tempo de qualidade todos os dias com cada criança.

Se forem crianças pequenas, o tempo deverá ser maior que isso. Joguem um jogo, brinquem de bola... Deixe o celular de lado e esqueça as tarefas de casa. Invista em conectar-se, pois, quando você preenche a necessidade de atenção das crianças de forma positiva e proativa, elas tornam-se mais cooperativas e menos propensas a recorrer a birras como forma de ganhar sua atenção.

Sim, a vida é corrida e encontrar tempo extra pode ser desafiador no começo, mas pense nisso como um investimento de longo prazo no relacionamento com seus filhos. Educar crianças para se tornarem pessoas de bem dá trabalho e exige dedicação. E essa deve ser a nossa maior prioridade como pais.

{# Taboola Newsroom #}