AnaMaria
Dinheiro / Economia

Recebi um dinheiro extra, devo pagar o cartão ou investir o dinheiro?

Quando se trata do cartão de crédito é quase impossível algum rendimento superar o custo da dívida

Da Redação Publicado em 19/05/2019, às 08h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h47

Especialista explica que o ideal é priorizar o pagamento do cartão - Banco de Imagem/Shutterstock
Especialista explica que o ideal é priorizar o pagamento do cartão - Banco de Imagem/Shutterstock

“Vou receber um dinheiro extra. O que vale mais a pena: investir esse dinheiro ou pagar o cartão de crédito?” J.G., por e-mail

O ideal é priorizar o pagamento do cartão, pois os juros cobrados estão entre os maiores do mercado. Caso deixe a dívida correr, o custo dela pode aumentar significativamente. Em janeiro de 2019, por exemplo, os juros do cartão de crédito variaram entre 163,1% e 286,9%, ao ano.

Caso resolvesse não pagar o que deve e aplicasse o dinheiro na poupança, você ganharia, atualmente, cerca de 4,55% ao ano. Mesmo se optasse por investir em algum título de renda fixa – papéis ainda considerados conservadores, mas com rendimento superior à poupança –, pode-se dizer que conseguiria algo em torno de 5% ou 6% ao ano, em média, sem levar em conta o imposto de renda. 

Ou seja, quantia muito inferior ao que pagaria de juros ao cartão de crédito, não é mesmo? Leve isso para a vida: sempre que tiver escolhas desse tipo para fazer, uma boa forma de tomar a melhor decisão é analisar e comparar as taxas de juros. 

No caso de dívidas e financiamentos em geral, só vale a pena manter a grana investida se o retorno da aplicação for maior do que o custo da pendência, realidade bastante difícil de ocorrer. O crédito imobiliário, por exemplo, costuma ser uma exceção, pois possui taxas de juros baixas e um montante total muito elevado.

Logo, torna difícil quitar toda a dívida de uma única vez. Mas, quando se trata do cartão de crédito, devido às tais altas taxas de juros realizadas, é praticamente impossível algum rendimento superar o custo da dívida. 

Por isso, vale lembrar que o cartão de crédito deve ser usado sempre com muita responsabilidade, mantendo um controle dos gastos e parcelas. E, lembre-se, tenha como prioridade o pagamento integral do valor da fatura.

MARCELA KAWAUTI aprendeu economia na graduação da Universidade de São Paulo e no mestrado da Fundação Getúlio Vargas, além de ter mais de dez anos de experiência. É economista-chefe do SPC Brasil e colaboradora do portal de Educação Financeira Meu Bolso Feliz.