Você no azul: Olha o golpe!

Por mais que a pessoa pareça “do bem”, não se esqueça de que os golpistas, em geral, não parecem pessoas desonestas

Marcela Kawauti Publicado segunda 8 maio, 2017

Por mais que a pessoa pareça “do bem”, não se esqueça de que os golpistas, em geral, não parecem pessoas desonestas
Você no azul: Olha o golpe! - iStock
"Minha mãe já é idosa e, pela segunda vez, caiu no conto do vigário. O que ela deve fazer para se proteger?

I. I., por e-mail

Infelizmente, é comum que os idosos sejam alvo de golpistas. Eles se aproveitam da ingenuidade deste público e da pouca afeição à tecnologia para passar a perna e conseguir roubar dados pessoais, cartões, senhas e até mesmo dinheiro vivo. Sendo assim, a preocupação em proteger a sua mãe é muito importante. Como fica difícil deixar de fazer transações financeiras e bancárias, já
que todo mundo precisa comprar e tirar dinheiro em algum momento, o melhor mesmo é orientá-la. A primeira dica é nunca aceitar ajuda ou quaisquer orientações de estranhos. Por mais que a pessoa pareça “do bem”, não se esqueça de que os golpistas, em geral,
não parecem pessoas desonestas. Diga a sua mãe que se tiver alguma dúvida, deve sempre procurar algum funcionário da loja ou do banco que tenha um crachá de identificação. Há tentativas de golpe também pelo telefone. Por isso, ela não deve passar
os dados pessoais a nenhum estranho, já que os golpistas se aproveitam desta informação para conseguir empréstimos ou fazer compras no nome da vítima. Caso o interlocutor se identifique como sendo funcionário de um determinado banco ou ainda de uma prestadora de serviços, diga a sua mãe que desligue o telefone e ligue para o serviço de atendimento ao consumidor para confirmar
qualquer pedido de informação. Pela internet, na dúvida, não clique. Caso receba algum e-mail com links, é melhor sempre ligar para a empresa e confirmar se esse clique é correto ou não. Todo cuidado é pouco!


Bom demais para ser verdade? Desconfie!

Sempre que alguma oferta parecer irresistível, tenha cuidado. É importante verificar a veracidade do ofertante e da empresa que
ele representa antes de aceitar ou de assinar qualquer contrato. Sabemos que isso acaba dando bastante trabalho, mas pode salvar
a gente de uma fria daquelas! 


Fui vítima. E agora, o que devo fazer?
Procure imediatamente a polícia para registrar um boletim de ocorrência e buscar orientações. Caso você tenha sofrido o golpe
dentro de um estabelecimento comercial ou agência bancária, avise imediatamente o gerente para que ele possa tomar
providências. Não se esqueça também de cancelar cartões de banco ou cheques, se for o caso.



Marcela Kawauti é formada em economia pela USP e tem mestrado da FGV. Com mais de dez anos de experiência, é economista-chefe do SPC Brasil e colaboradora do portal de Educação Financeira Meu Bolso Feliz.


Envie suas perguntas para Marcela Kawauti pelo e-mail anamaria@maisleitor.com.br

Último acesso: 26 Nov 2021 - 13:33:41 (1028001).