AnaMaria
Dinheiro / Economia

Você sabe o que é uma cooperativa de crédito? Conheça as vantagens da instituição

Entenda o que faz essa instituição ser mais vantajosa do que um banco tradicional

Lígia Menezes Publicado em 02/01/2021, às 14h30

A lógica é a seguinte: sozinho é difícil comprar barato de um fornecedor ou adquirir crédito para seu negócio - Michal Jarmoluk/Pixabay
A lógica é a seguinte: sozinho é difícil comprar barato de um fornecedor ou adquirir crédito para seu negócio - Michal Jarmoluk/Pixabay

Cooperativas de crédito são instituições financeiras formadas pela associação de pessoas com interesses em comum, que se uniram para conseguir benefícios melhores do que os oferecidos pelos bancos. 

O cliente é também um associado – o que significa ser dona de uma parte da cooperativa. Até 2003, elas eram fechadas, ou seja, um médico só poderia entrar em uma cooperativa médica e um advogado em uma cooperativa advocatícia.

Em 2007, alguns conceitos foram modernizados e o Banco Central autorizou a criação de cooperativas mistas, formadas por empreendedores de vários segmentos ou pessoas físicas. A lógica é a seguinte: sozinho é difícil comprar barato de um fornecedor ou adquirir crédito para seu negócio. 

Quando diversos empreendedores se unem por meio de uma cooperativa criam um patrimônio maior e capital conjunto, que usam como garantia para a tomada de crédito a juros mais baixos e outras vantagens financeiras. Entenda melhor. 

BENEFÍCIOS DO COOPERADO
Poder de decisão e participação nas ”sobras financeiras”
As cooperativas são instituições sem fins lucrativos. Toda receita obtida vai para o pagamento de seus custos de existência, como infraestrutura e funcionários. O que sobra desse valor retorna para os cooperados no fim do ano, de acordo com as movimentações de cada um. “Quanto mais serviços utilizados, maior será essa participação”, explica Vanildo Leoni, diretor-executivo da Viacredi, cooperativa de Blumenau (SC). 

Também há a possibilidade de participar, opinar e manifestar o interesse sobre temas importantes da instituição, para que ela entregue produtos mais adequados ao seu perfil.

Segurança
Todas as cooperativas são regulamentadas e fiscalizadas pelo Banco Central. No site do BC, é possível ver a lista de todas as cooperativas brasileiras divididas por cidades.

Caso a instituição quebre, seus investimentos ficam segurados pelo FGCOPO (Fundo Garantidor do Cooperativismo). Nos bancos, há o FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Na prática, os dois oferecem a mesma segurança a seus clientes.

Produtos financeiros
As cooperativas oferecem os mesmos produtos financeiros que o mercado em geral, como conta corrente, linhas de crédito, cobrança de títulos, operações no mercado financeiro, cartões de crédito e débito, pagamentos, seguros e até previdência privada. “Muitos com vantagens em relação aos bancos, principalmente, por ter características próprias de seu público e defender os interesses dele”, diz Vanildo.

Linhas de crédito atrativas
Geralmente, as cooperativas possuem taxas de juros abaixo do mercado. Dessa forma, contribuem para o desenvolvimento de micro e pequenos negócios. O valor dos serviços, quando não inclusos, também costuma ser mais baixo. “De modo geral, elas têm menores custos e estruturas mais enxutas”, observa o especialista.

Economia sustentável
A cooperativa ajuda os pequenos empresários, faz o dinheiro circular na economia e retornar a eles. “Existe um cálculo que mostra o quanto as pessoas economizaram e o quanto a cooperativa proporcionou de ganho por serviços e créditos tomados”, aponta. 

Além disso, elas são instituições financeiras locais e têm maior proximidade com a comunidade do que os bancos. O interesse maior é no desenvolvimento das pessoas, dos negócios e apoio ao desenvolvimento econômico e social locais.

Atendimento personalizado
Pela proximidade com a comunidade, as cooperativas oferecem um atendimento mais personalizado e próximo à população

COMO SE ASSOCIAR 

  • Para se associar, primeiro, é preciso analisar o Estatuto Social da cooperativa. Nele, estão as regras, os deveres e as obrigações do cooperado. 
  • É preciso comprar uma cota de capital, que geralmente é na faixa de R$ 25 (variável conforme a cooperativa). Você decide quantas cotas comprará e, caso tenha sobras anuais, você as receberá proporcionalmente às suas cotas. 
  • Mensalmente, haverá uma contribuição a ser feita, como um investimento, chamado de conta-capital, definida também no Estatuto. É esse dinheiro que garante a sobrevivência da cooperativa, cujas sobras são devolvidas no fim do ano.