AnaMaria
Dinheiro / Você no azul

Você sabia que desconto em compra à vista não tem regra? Entenda

Entenda porque desconto em compra à vista não tem regra

Da Redação Publicado em 03/08/2019, às 19h00 - Atualizado em 18/08/2019, às 10h56

No caso de compras de valores muito baixos, o desconto à vista não faz sentido - Banco de Imagem/Getty Images
No caso de compras de valores muito baixos, o desconto à vista não faz sentido - Banco de Imagem/Getty Images

"Já li que, se eu pagar uma compra à vista, posso pedir desconto. Mas nunca consigo. No máximo, me oferecem os 10% de praxe. Como posso conseguir um bom desconto?” E. M., por e-mail

Não há uma regra quando se trata do desconto praticado no pagamento à vista. O valor vai depender da análise feita pelo empresário no momento da venda. Mas sempre é possível encontrar gente disposta a oferecer alguma vantagem quando se trata de fechar a venda com pagamento imediato.

Um dos motivos pelos quais o comerciante dá desconto no pagamento à vista é que os diferentes meios de pagamento têm custos distintos para quem vende. Tanto o cartão de crédito quanto o de débito exigem o pagamento de uma taxa sobre o valor da venda para a credenciadora do cartão. 

No caso das compras parceladas no crédito, a taxa de desconto é ainda maior. Outro ponto levado em conta na hora de conceder desconto tem relação com o preço do dinheiro no tempo. Se ele recebe o pagamento à vista, já pode começar a usar ou investir o valor, diferentemente do que acontece no pagamento parcelado.

Sabendo disso, tentar algum abatimento no valor da compra oferecendo outras formas de pagamento pode ser uma alternativa. É o que acontece muitas vezes nas vendas on-line, em que o abatimento para pagamento no boleto tem sido comum.

Mas lembre-se: no caso de compras de valores muito baixos, o desconto à vista não faz sentido. Também não há argumentos que justifiquem um grande desconto à vista versus um parcelamento de apenas dois meses. 

Por fim, mesmo que você não tenha desconto para o pagamento à vista, ainda assim pode ser vantajoso evitar o parcelamento. Dessa forma, você evita compromissos financeiros de longo prazo e o acúmulo de parcelas, que, muitas vezes, são responsáveis por desequilibrar o orçamento.

MARCELA KAWAUTI aprendeu economia na graduação da Universidade de São Paulo e no mestrado da Fundação Getúlio Vargas, além de ter mais de dez anos de experiência. É economista-chefe do SPC Brasil e colaboradora do portal de Educação Financeira Meu Bolso Feliz.