AnaMaria
Família/Filhos / CUIDADOS

Conjuntivite em crianças: conheça o tratamento e a prevenção da doença

O risco se torna ainda maior em ambientes fechados

Da Redação Publicado em 30/05/2020, às 08h00 - Atualizado em 25/06/2020, às 23h14

É importante afastar seu filho das atividades diárias até que ele esteja recuperado - Banco de Imagem/Pixabay
É importante afastar seu filho das atividades diárias até que ele esteja recuperado - Banco de Imagem/Pixabay

“Meu filho tem 9 anos e está com conjuntivite. Quais cuidados devo tomar para tratar e prevenir o mal?” E. S., por e-mail. 

Em época de temperaturas mais altas, há uma tendência a aumentar o número de casos de conjuntivite viral. Mas a umidade do ar, ambientes fechados e refrigerados também são fatores que podem desencadear o problema. 

A conjuntivite é uma infecção que aparece na conjuntiva, uma membrana transparente que recobre a parte branca do olho e que acomete crianças, adolescentes e adultos. A conjuntivite viral é transmitida pelo contato com as mãos, secreção ou objetos contaminados, além da água de piscinas. 

O risco se torna ainda maior em ambientes fechados e com grande circulação, como escolas ou ônibus. Por isso, é tão importante afastar seu filho das atividades diárias até que ele esteja recuperado. 

Os principais sintomas são coceira, olhos vermelhos e lacrimejantes, sensação de areia nos olhos, secreção esbranquiçada, pálpebras inchadas e grudadas ao acordar e também visão levemente embaçada. 

As alterações podem atingir um ou os dois olhos durante uma semana ou até 15 dias. Por ser geralmente causado pelo adenovírus, muitos pacientes portadores de conjuntivite podem apresentar sintomas de resfriado associado. 

O tratamento da conjuntivite viral, geralmente, é feito com o controle dos sintomas recorrendo ao uso de lubrificantes, limpeza das secreções e compressas geladas.

Em alguns casos, quando a pessoa apresenta inflamação acentuada, o oftalmologista pode prescrever colírios anti-inflamatórios ou corticoides. O ideal mesmo é manter a atenção aos riscos de contágio, evitando maiores dores de cabeça. 

Prevenção em primeiro lugar sempre!

RACHEL GOMES @rachelgomesoftalmologia. Oftalmologista formada pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, doutorado e pós-doutorado em oftalmologia. Especialista em cirurgia de catarata, refrativa e congênita. Atende no Centro Oftalmológico Città, RJ.