Família/Filhos Comportamento

É indicado ou não dar liberdade para o filho se vestir e brincar do que quiser?

Confira as orientações dos especialistas para entender o comportamento dos seus filhos

domingo 18 novembro, 2018
Cada criança possui desejos e necessidades que estão além do gênero
Cada criança possui desejos e necessidades que estão além do gênero Foto:Getty Images

Os meninos gostam de carros e as meninas de princesas. Eles podem praticar esportes e elas devem brincar de panelinha. Roupas azuis, cinza e pretas caem bem neles. As versões estampadas e brilhantes combinam com elas. 

Eis alguns exemplos de estereótipos de gênero estabelecidos na infância pelos pais, professores, amigos e a sociedade em geral e que podem ser prejudiciais no decorrer da vida. Saiba o que os terapeutas pensam sobre isso.

Notícias Relacionadas

ENTENDA GÊNERO
O que determina se somos do sexo feminino ou masculino é a natureza. Já a maneira como nos comportamos e nos vestimos aprende-se ao longo de nossa vida. 

Isto é, as diferenças entre homens e mulheres não são naturais, mas influenciadas pelos padrões histórico-culturais. Sendo assim, o gênero significa uma mistura de como a pessoa se percebe e se expressa. Em geral, classificado entre os conhecidos masculino e feminino.

A IMPORTÂNCIA DA IGUALDADE DE GÊNERO
Primeiro, tenha em mente: cada criança possui desejos e necessidades que estão além do gênero (feminino e masculino). 

“Os pais capazes de particularizar aquilo que é singular em cada um dos seus filhos e dar suporte para exercerem tais diferenças criam indivíduos mais conscientes de seus dons”, esclarece Priscila Segal, psicanalista no Espaço PSInfantil (RJ). 

Para a psicóloga Simone Ottoni, o maior benefício está relacionado ao fato de ter a liberdade para construir a própria identidade, sentindo que pode ser aceito e continuar amado pelos pais em qualquer circunstância. 

“Ainda há um grande caminho a ser percorrido, mas quanto mais famílias passarem a educar crianças com igualdade de gênero, maior será a contribuição para a formação de uma sociedade menos machista”, acrescenta a psicóloga.

PANELINHAS PARA AS MENINAS E CARRINHOS PARA OS MENINOS
Nenhum brinquedo tem gênero. Os adultos fazem a distinção do que seria um brinquedo ideal para meninas e meninos e, por isso, vemos essa divisão nas lojas. 

Mas a verdade é que, ao brincar, a criança explora seu mundo interno e encontra uma forma de lidar com as diferentes emoções e conteúdos absorvidos do mundo real. 

“Quando um menino pega uma boneca, por exemplo, experimenta cuidar do outro. Impedir que os pequenos brinquem com o que desejam é não permitir entrarem em contato com o que precisam explorar e conhecer”, afirma Simone.

“VAI VIRAR HOMOSSEXUAL?”
Não! Inicialmente, a criança não entende que há diferença entre os gêneros. Só a partir dos 4 ou 5 anos de idade elas começam a perceber as diferenças sexuais. Além disso, a orientação sexual é multifatorial, ou seja, além da genética, interage com fatores psíquicos e sociais. Isso comprova que não se trata de uma escolha ou apenas de identificação: a questão determinante é complexa e repleta de fatores. 

“Quando os pais impõem à criança agir de acordo com seu gênero biológico e determina como deve ser, estão mostrando que ela só pode se desenvolver daquela forma. Porém, uma criança criada dessa maneira, ao crescer e se perceber interessada por alguém do mesmo sexo, pode ter muita dificuldade em aceitar-se. Muitos acabam tentando se “ajustar” ao que é esperado para eles e vivem uma grande angústia e tristeza”, diz a psicóloga. 

Assim, ao se perceber “diferente”, pode ser traumático e acarretar sérias consequências de adoecimento e até mesmo suicídio.

O QUE OS OUTROS PENSAM...
... não importa! A criança deve vestir o que a faz se sentir mais confortável, para ter liberdade de brincar. Cores não são relacionadas ao gênero, essa é mais uma característica adotada de forma errônea. Inclusive, o uso de peças coloridas e estampadas é até recomendado para os meninos, pois garante um ar alegre. 

O esporte é saudável e muito recomendado. Praticar lutas, por exemplo, não é só para os garotos, e sim uma excelente opção para crianças mais agitadas. Afinal, além de descarregar a energia, aprendem a canalizar a raiva e não sair agredindo os colegas.

 “Infelizmente, muita gente se preocupa mais com o que os outros vão pensar na hora de fazer o que tem vontade. Ter autoestima elevada é algo que, com certeza, garante uma vivência bem mais leve. Poi o que importa realmente é sentir-se bem de verdade”, finaliza Simone.
 

Com Reportagem de Júlia Arbex
Leia Mais:

Assine a Revista Digital

  • Assine a revista AnaMaria

BEM-ESTAR

  1. 1 Confira um guia completo para evitar as varizes Saiba como evitar as varizes com um guia completo
  2. 2 Especialistas esclarecem mitos e verdades sobre a gripe
  3. 3 O que posso usar para substituir o açúcar?
  4. 4 Por que o câncer é mais comum em algumas famílias?
  5. 5 Conheça as 3 fases para emagrecer com saúde