AnaMaria

Ensine a criança a lidar com as emoções

Tão importante quanto estudar as matérias da escola, é saber lidar com sentimentos. E se a lição for aprendida cedinho, fica mais fácil colocá-la em prática!

Ana Bardella Publicado em 14/11/2017, às 10h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h45

Ensine a criança a lidar com as emoções - iStock
Ensine a criança a lidar com as emoções - iStock

Se alguém perguntasse que qualidades um profissional deve ter para se dar bem na carreira, o que você responderia? Dominar as técnicas de trabalho é um fator importante, mas está longe de ser o único. “De acordo com um relatório produzido pelo Fórum Econômico Mundial, entre as dez principais competências de um profissional completo, oito estão relacionadas às nossas emoções”, explica Camila Cury, psicóloga, diretora da Escola da Inteligência e filha do autor Augusto Cury. Ou seja, ensinar nossos filhos a lidar bem com sentimentos é importante não só para o seu bem-estar, mas também para que possam se desenvolver no futuro. Aprenda como!

Inteligência emocional: o que é?

Nós estamos sempre sob a influência de algum sentimento, já reparou? Raiva, medo, ansiedade... Saber reconhecer as próprias emoções, e
as das pessoas ao redor e lidar bem com ambas é uma habilidade que ficou conhecida como “inteligência socio-emocional”.

Como ensinar isso para as crianças?

1 Compartilhe suas histórias com o pequeno. Diga, por exemplo: “Amanhã tenho uma reunião importante no trabalho e por isso estou ansiosa”. Dessa maneira, ele entenderá que é natural ter esse tipo de reação. Da mesma forma, se cometer um erro, converse com ele sobre a lição que aprendeu.

2 Não tente bancar a super-heroína. Evite frases do tipo: “Na minha época as coisas não eram assim” ou “Quando era criança não tinha tantos
brinquedos e reclamava bem menos”. Mostrar suas fraquezas não é sinônimo de perder a autoridade. Pelo contrário, é por meio da sinceridade que você conseguirá se aproximar.

3 Acolha os sentimentos da criança. Quando ela disser que está se sentindo triste, por exemplo, não responda dando a entender que não existem motivos para estar assim. Torne o ambiente propício para que ela se expresse sem medo.

4 Ensine-a a respirar. Quando estamos estressados, inconscientemente travamos nossa respiração. Mas, ao oxigenar o cérebro compreendemos melhor os fatos. Respirar e soltar o ar devagar ajuda a perceber o que costuma passar batido na hora da raiva.

5 Elogie antes de criticar. Imagine que o pequeno está fazendo a maior bagunça na sala, construindo uma cabana improvisada para brincar.
Em vez de chegar dando aquela bronca, que tal reconhecer seu esforço primeiro? Diga que a cabana está benfeita... Essa postura desarma a
criança. Depois, explique que aquele não é o local mais apropriado.

Adultos mais competentes

Flexibilidade, criatividade, trabalho em equipe, capacidade de liderança... Tudo isso faz parte do pacote de um profissional completo. E, para desenvolver essas qualidades, é necessário ter bases sólidas de personalidade, que devem ser construídas ainda na infância. Mas não é necessário esperar tantos anos para ver os resultados: crianças que trabalham bem suas emoções se dão melhor com os colegas e têm até resultados melhores nas provas, porque sabem gerenciar a própria ansiedade.

Pais felizes, crianças bemcomportadas

As emoções começam a nos atingir antes do nascimento. “A maneira como a mãe lida com a gestação interfere nas sensações do filho. O bebê ainda não consegue elaborar pensamentos, mas já é capaz de sentir”, diz a psicóloga. Por isso, se a mulher fica ansiosa, essas emoções são captadas pelo bebê. E depois do nascimento, continuam sendo influenciadas pelo estado de espírito dos pais. Só sabendo enfrentar é que podemos criar crianças saudáveis emocionalmente.