AnaMaria

Entenda a importância de proteger o animal de estimação contra pulga e carrapato

Não é porque você mora em apartamento que seu bichinho está livre dos parasitas

Da Redação Publicado em 07/11/2020, às 08h00

As pulgas podem transmitir verminoses e diversos males nos cães e gatos - Karin Laurila/Pixabay
As pulgas podem transmitir verminoses e diversos males nos cães e gatos - Karin Laurila/Pixabay

Para nós, veterinários, esse costuma ser um assunto difícil de abordar com os tutores, pois a maioria acredita que se seus pets não têm parasitas externos como pulgas e carrapatos só porque moram em apartamento ou por não achar esses bichinhos entre os pelos. 

A verdade é que esses animais podem correr sérios riscos mesmo tendo pouco acesso à rua. Isso porque os humanos podem trazer os parasitas quando chegam em casa. Sim, isso é mais comum do que você imagina. O problema é que esses bichinhos costumam dar coceira nos peludos e ainda carregam consigo doenças que podem até levar o animal a óbito. 

Além da possibilidade de desencadear um quadro alérgico e dermatite, as pulgas podem transmitir verminoses e diversos males nos cães e gatos. A mais conhecida e perigosa entre os felinos é a micoplasmose, que pode resultar em pneumonia e anemia hemolítica grave. 

Da mesma forma, os carrapatos também podem desencadear um quadro alérgico e transmitir doenças perigosas. Nos cães, as mais conhecidas são a erlichiose e babesiose, que envolvem microrganismos diferentes, podendo, muitas vezes, estar associados no animal, provocando anemia grave e destruição de células de defesa. 

Outro ponto importante para explicar a importância da prevenção é que esses parasitas se multiplicam rapidamente, infestando sua casa em poucos dias. For a isso, são extremamente resistentes no ambiente e podem sobreviver fora dos animais por longos períodos. 

Agora que você já sabe que o melhor é proteger seus bichinhos, saiba também que existem algumas formas de fazer isso. Hoje, encontramos no mercado pipetas para aplicar no dorso, comprimidos palatáveis e até mesmo coleiras. 

Escolha o método que seu pet melhor se adaptar e que também possua uma fórmula atualizada na qual os parasitas ainda não apresentem resistência. Na dúvida do melhor método, procure um especialista para lhe ajudar nessa tarefa tão importante. 

MARCELA BARBIERI BORO, zootecnista, médica veterinária, adestradora