AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria

Entrevista Lavínia Vlasak

"Eu me programei, mas tive medo, sim"

Roseane Santos Publicado em 20/04/2016, às 10h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h44

Entrevista Lavínia Vlasak - Dario Zalis
Entrevista Lavínia Vlasak - Dario Zalis
Longe das novelas havia nove anos (a última havia sido Vidas Opostas, na Record), Lavínia Vlasak retornou à Globo em Totalmente Demais, na pele da ex-modelo Natasha. Ex-mulher de Arthur (Fábio Assunção) e mãe de Jojô (Giovanna Rispoli), de 13 anos, a personagem pouco tem tempo para cuidar da menina –  situação oposta à de Lavínia, que até se afastou da TV para cuidar dos filhos Felipe, 6 anos, e Estella, 3. 


Como você define Natasha? 

Ela faz o papel de primeira dama. O atual marido viaja a trabalho e ela acompanha. Deixa a filha com o pai, que não dá atenção e é tão infantil quanto ela. Eles discutem de igual para igual. A menina tenta então fazer tudo ao contrário dos pais. Enquanto eles são bem vestidos, só andam bem arrumados, ela é descabelada e gótica. 



Por que você foi para a Record, em 2005? 

O negócio é o seguinte: eu gosto de trabalhar. Tive a oportunidade de fazer a protagonista e sempre senti curiosidade em saber como era fazer isso. Daria conta do texto? A carga dramática de um protagonista é completamente diferente. 



E deu um tempo para cuidar das crianças... 

Sim, eu parei um tempo para ser mãe, mas não totalmente. Fiz cinema,  participações pequenas. Se você pudesse, não ficaria em casa cuidando dos seus filhos nos primeiros aninhos deles?



E não deu vontade de voltar nesse tempo? 

O corpo da gente pede pra ficar com eles. Mesmo que a criança esteja bem, tem um pensamento da época das cavernas: se deixar meu filho sozinho, virá um tigre e comê-lo, não posso sair [risos]! Eu quis ficar com eles, eu pude e me programei para isso. 


E não bateu medo do mercado se fechar? 

Tive medo, sim. Quem ama tem medo de perder, seja uma pessoa amada ou um trabalho amado. Pensei: caramba, estou tomando uma decisão que vai ser linda, mas pode prejudicar a minha vida profissional. Mas, no fim, o que vai contar? Você ficou com seus filhos ou foi uma megaprofissional?