AnaMaria

Evite acidentes domésticos com as crianças

Saiba o que fazer para evitar que esses episódios aconteçam e quando socorrer seu filho

Júli Arbex Publicado em 05/03/2018, às 14h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h45

Evite acidentes domésticos com as crianças - Shutterstock
Evite acidentes domésticos com as crianças - Shutterstock

Fim de ano chegou e a criançada está de férias. Agora, elas têm mais liberdade para brincar e experimentar diversas atividades. Por conta disso, os acidentes domésticos são muito comuns nesta época do ano: materiais que estão em casa e são utilizados no dia a dia e parecem inofensivos podem causar danos à saúde dos pequenos. Pensando nisso, Priscilla Pereira, coordenadora do serviço de pediatria da clínica Doktor’s (SP), deu dicas para proteger seu filho contra essas armadilhas.

11 situações perigosas mais comuns

Garrafas reutilizadas: não coloque produtos de limpeza em garrafas de refrigerante ou em recipientes que sejam de comida ou bebida.
A criança não sabe que os produtos estão trocados e pode ingerir! 

Envenenamento: nunca deixe produtos de limpeza, cosméticos e remédios na altura dos pequenos. O ideal é que eles fiquem guardados
em local fechado e, de preferência, trancados para evitar os riscos.

Gavetas: coloque travas de segurança nas gavetas onde têm objetos de risco guardados, como facas, tesouras, grampeador, clipes e tampas de caneta. Todo cuidado é pouco.

Choques: os fios devem ser posicionados atrás dos móveis porque a criança pode se enrolar neles e até mesmo tomar choque.

Asfixia: se tiver filho recém-nascido, coloque-o sempre de barriga para cima, sem cobertores ou almofadas ao redor. Evite também deixar botões, moedas, bexigas e objetos pequenos ao alcance da criança, principalmente até os 3 anos de idade porque é comum o hábito de levar objetos à boca nesta fase.

Banho seguro: fique sempre atenta para não deixar o piso molhado e coloque tapetes antiderrapantes dentro e fora do boxe.

Queimaduras: não deixe que a criança entre na cozinha ou chegue perto do forno enquanto você estiver cozinhando. É importante também colocar o cabo das panelas para a parte interna do fogão.

Afogamento: procure deixar os baldes e as bacias vazias e virados de cabeça para baixo. Tampe os vasos sanitários e, se a casa tiver piscina, assegure-se de que a criança não tenha acesso ao local sem um adulto por perto.

Quedas: tenha redes de proteção ou grades em janelas e corrimão nas escadas. Evite deixar seu filho sozinho em cima da cama-beliche (é melhor evitar que eles durmam lá em cima até terem idade suficiente para descer) ou do trocador. Além disso, não o coloque em andadores (a não ser que o pediatra tenha recomendado), pois podem causar acidentes.

Brinquedos: fique de olho quando seu filho estiver perto de sacos plásticos e balões de borracha, pois podem causar sufocamento. E certifique-se de dar apenas os brinquedos autorizados e com selo do Inmetro – e apropriados à idade e habilidade dele.

Mordidas de animais: apesar de os pets fazerem um bem danado para os pequenos, é preciso ter certo cuidado quando forem brincar juntos. Isso porque os animais têm alguns micro-organismos na boca e, ao morderem, podem causar infecções específicas. É bom também evitar o contato até que o bebê complete 3 meses de vida.

“O que eu faço se meu filho tiver um problema desses?”
Se você trabalha durante o dia e deixa seu filho aos cuidados de alguém, a médica orienta que você faça uma lista com os telefones essenciais, como do pediatra, bombeiro e do hospital mais próximo, para evitar desespero caso algo aconteça. Agora, se você estiver junto da criança, leve-a imediatamente ao pronto-socorro se ela apresentar:
■ Vômitos, perda de consciência ou sangramento após uma queda.
■ Perda de consciência depois de levar um choque.
■ Mordidas de animais.
■ Sinais de envenenamento (levar o produto/embalagem para o pronto- socorro).
■ Queimaduras agudas, que causam dor e alteração na pele.