Filhos: saiba como dizer não à criança para evitar ataques de birra

Crianças que nunca são contrariadas se tornam adultos irritados, agressivos e até infelizes

Da Redação Publicado sábado 20 junho, 2020

Crianças que nunca são contrariadas se tornam adultos irritados, agressivos e até infelizes
Quando usado sem moderação, o não perde força e convida à desobediência - Banco de Imagem/Pixabay

“Minha filha tem apenas 3 anos, mas vive fazendo birra. Estou assustada. Como lidar com isso?” M. I., por e-mail. 

Entre os 2 e 4 anos, as crianças testam os limites dos pais diante da frustração de um não. As reações são conhecidas: choram, esperneiam, gritam, se jogam no chão. Tudo isso porque não aprenderam a lidar com essa sensação. 

Mas a birra pode começar aos 6 meses e só terminar aos 8 anos. Tudo depende da criação que a família der, porém a personalidade dos pequenos também influencia. Como evitar? O ataque de birra começa muito antes dos berros e choro

É uma manha, um pedido que não pode ser realizado, um lugar agitado e cheio de gente, sono, cansaço etc. Quando os primeiros sinais surgirem, é hora de negociar. O ideal é mudar de ambiente e, caso ela esteja querendo um brinquedo, fale a verdade. 

Explique com calma que ela pode escolher para ganhar em alguma data comemorativa ou simplesmente que você não tem dinheiro naquele momento. Depois, proponha rápido uma outra atividade para mudar o foco. E atenção: nada de palavras difíceis! Converse na linguagem da criança e baixe na altura dela. 

Existe prevenção para birra? É importante que a criança tenha uma rotina em casa e não somente quando vai à escola. Isso passa segurança e vale para tudo na vida, como tomar banho, fazer lição, comer e dormir. E, para isso, a família precisa se organizar, a fim de não confundi-la quanto ao que é certo ou errado. Ensinar é dar exemplo. 

Além disso, é importante valorizar o não para que sua filha perceba que não terá tudo na hora que pedir. Crianças que nunca são contrariadas acabam se tornando adultos irritados, agressivos e até infelizes. 

Mas atenção: nada de desperdiçar a palavra em situações desnecessárias. Quando usado sem moderação, o não perde força e convida à desobediência.

PAULA CRUZ BORELLI BARROS Especialização em Pediatria no Hospital Infantil Menino Jesus e Reumato Pediatra pelo Instituto da Criança - HCFMUSP. @pediatra_paula_ borelli_barros

Último acesso: 05 Aug 2020 - 15:07:49 (1113695).