AnaMaria
Família/Filhos / Adolescência

Puberdade: saiba como ajudar os filhos a passarem pela fase de forma tranquila

Saiba como passar pela puberdade de uma forma tranquila

Ana Bardella Publicado em 06/10/2019, às 14h30

Com tantas transformações, muitos incômodos podem surgir - Banco de Imagem/Getty Images
Com tantas transformações, muitos incômodos podem surgir - Banco de Imagem/Getty Images

Entre os 11 e 13 anos de idade se inicia, no corpo feminino, uma série de alterações permanentes. Conhecida como puberdade, a fase é marcada pela “ebulição” dos hormônios sexuais, nascimento de pelos e também pela chegada da primeira menstruação

Com tantas transformações, muitos incômodos podem surgir. Karina Tafner, ginecologista obstetra e assistente do ambulatório de reprodução assistida da Santa Casa, lista os problemas mais comuns do período e explica como tornar a etapa mais tranquila para as meninas.  

GANHO DE PESO
Pré-adolescentes em estirão de crescimento ou que não possuem tendência a engordar podem passar ilesas por esse problema. Ainda assim, há grandes chances de aumento das medidas dos quadris, pernas, mamas e até da barriga. 

As garotas que estão gordinhas, por exemplo, tendem a ganhar três vezes mais peso do que aquelas que são magras. Para evitar que o processo ocorra de maneira muito exagerada, invista em uma alimentação balanceada e na prática regular de exercícios físicos. 

Contar com o acompanhamento de um médico também ajuda bastante a garantir que o aumento do peso esteja dentro do esperado para a fase.

ACNE
Cravos e espinhas estão relacionados ao aumento dos hormônios. Caso esteja incomodando, o ideal é procurar o auxílio de um dermatologista. Alguns hábitos, como lavar o rosto com sabonetes específicos, usar protetor solar, fazer limpeza de pele e hidratação, também podem ajudar a controlar o problema. 

AUMENTO DAS MAMAS
Hora de comprar o primeiro sutiã. Para que o momento não se torne incômodo, prefira sempre os tecidos confortáveis, como algodão. Evite os modelos que apertam demais os seios.

CRESCIMENTO DOS PELOS 
Eis um dos sinais mais característicos da puberdade. No início, quando os pelos ainda são escassos, lâmina e cera podem ser boas opções para controlá-los, caso seja da vontade da menina. Já para alternativas mais complexas, como a depilação a laser, peça a opinião de um dermatologista de confiança.

ALTERAÇÕES DE HUMOR
Não é mito: com as variações hormonais, os ânimos podem ficar à flor da pele. Principalmente durante a TPM, a irritação tende a crescer. Uma pesquisa norte-americana recente revelou que mulheres com a dieta rica em ferro têm menos riscos de sofrer com os sintomas da TPM em comparação com as que consomem pequenas quantidades do mineral. Invista, portanto, em alimentos como carne vermelha, vegetais verde-escuros e leguminosas, como grão-de-bico, lentilha, ervilha e feijão.

MENSTRUAÇÃO DESREGULADA
Nos primeiros dois anos após a primeira menstruação, naturalmente, os ciclos ocorrem em espaçamentos diferentes de dias. No entanto, ainda é cedo para usar pílulas que regulam o ciclo menstrual. Aguarde o desenvolvimento natural de todo o sistema reprodutor feminino, já que nessa idade eles não indicam a existência de um problema de saúde. 

CÓLICAS
Taí uma das alterações mais indesejáveis da puberdade. Ela acontece porque durante o período menstrual o útero se prepara para uma gestação e a sua camada interna (endométrio) se prolifera. Na ausência de uma gravidez, essas células precisam ser eliminadas para que o ciclo se inicie novamente. 

Então, elas se descamam em forma de sangramento, a famosa menstruação. Durante o processo, a musculatura do útero se contrai e a região se inflama naturalmente, gerando a dor conhecida como cólica. 

Para combater o problema, uma das saídas são os medicamentos anti-inflamatórios e antiespasmódicos (siga a recomendação do ginecologista). Alguns hábitos também podem prevenir as dores: a prática de atividades físicas, o uso de bolsa de água quente na região e seguir uma alimentação saudável no decorrer do mês. 

Aposte em ingredientes ricos em vitaminas, cálcio (leite, brócolis e chia) e magnésio (tomate, espinafre e aveia).