AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria
Notícias / Famosos / Inconformada

Ana Maria Braga se revolta com anestesista que estuprou gestante: “Humano que não deu certo”

A apresentadora Ana Maria Braga se manifestou sobre caso de estupro por anestesista

Da Redação Publicado em 12/07/2022, às 17h31

Ana Maria Braga comentou sobre o caso de estupro durante o 'Mais Você' - Instagram/@anamaria16
Ana Maria Braga comentou sobre o caso de estupro durante o 'Mais Você' - Instagram/@anamaria16

Indignada, Ana Maria Braga deu sua opinião sobre o caso de estupro pelo anestesista Giovanni Quintella Bezerra, que foi preso em flagrante durante parto. A apresentadora soltou o verbo durante o ‘Mais Você’ desta terça-feira (12).

“Não posso deixar de manifestar minha indignação com a notícia que chocou o país, o caso do anestesista Giovanni Bezerra, que foi preso por estuprar uma parturiente, na sala de parto, durante uma cesariana… Quando ouvi essa notícia ontem, não tinha entendido direito, tamanho era o absurdo. Não cabe na imaginação. Um estupro dentro do centro cirúrgico durante o parto!”, disse.

Ana Maria detonou o médico, dizendo que a atitude foi desumana. “Tem alguns espécimes humanos que não deram certo. Um animal não faria isso. Casos como esse, flagrado por um celular escondido num armário do centro cirúrgico, fazem a gente agradecer a essa tecnologia que permite que verdades, muitas vezes escabrosas, venham a público”, continuou. 

Ela ainda defendeu que Giovanni não é digno de ser chamado de médico e lamentou que muitas mulheres já passaram por situações parecidas: “Esse anestesista, que se diz médico, não pode carregar esse honroso título, porque médico é aquele que cuida. A gente fica olhando isso e pensando quantos absurdos já foram cometidos contra o ser humano, e a gente nunca soube. Acho que a mulher é ainda mais vulnerável”.

Por fim, Ana torceu para que o criminoso fosse seriamente punido pela Justiça. "Vamos continuar acompanhando para ver se a Justiça tem poderes [para punir o criminoso], porque às vezes a Justiça quer, mas não consegue, pelas leis. Mas acho que é tão crasso o que aconteceu, que não tem como esse infeliz não ser seriamente punido”, completou.

MAIS COMENTÁRIOS

Thelma Assis, a vencedora do ‘Big Brother Brasil 20’, também comentou o caso.

Em entrevista ao ‘Encontro’, Thelminha, que é médica anestesista, disse que, além do crime cometido por Giovanni Quintella Bezerra, ele ainda cometeu imprudência médica ao dar uma dosagem tão alta de sedativo para a gestante.

Ela explicou qual é a maneira comum de sedar uma mulher na hora do parto e disse que em pouquíssimos casos é utilizada a anestesia geral: “Não é convencional sedar gestante. Além de mantê-la acordada para ter todo aquele momento sublime, especial de recepcionar o bebê, também tem um motivo técnico”.

“Ele cometeu um crime e também cometeu uma imprudência. É por isso que eu espero que o CRM (Conselho Regional de Medicina), mais do que nunca, seja rápido em puni-lo”, expressou Thelma.

A anestesista explicou melhor porque o que Bezerra fez foi também uma falta médica: “Ele estava expondo a paciente ao risco, se ele a sedou sem indicação. A gestante amamenta o bebê logo após o parto, e o sedativo pode interferir na amamentação. Tudo está errado nessa história. Além de todo o crime horrendo, nós temos uma imprudência”.

A ex-BBB comentou sobre a atitude das enfermeiras e das técnicas de enfermagem, a importância que elas têm na equipe do hospital e como é necessário valorizar mais essas profissões.

“Elas precisavam de uma prova. Além das enfermeiras, as técnicas que estavam ali diretamente com a paciente”, falou sobre o caso.

“Técnicos e auxiliares de enfermagem são profissionais que merecem ser muito valorizados. A enfermeira também, porque ela faz toda a gestão do centro cirúrgico. Mas o técnico é o que pega na sua mão, troca a fralda se precisar, então a gente tem que valorizar esses profissionais também. E o médico tem que parar com isso de ‘somos o detentor do conhecimento’. A gente tem que entender o nosso lugar”, opinou.

Thelminha ainda falou um pouco sobre como os anestesiologistas são vistos dentro da medicina, e como este caso piora ainda mais a situação desta especialidade na profissão.

“A nossa especialidade está de luto porque a gente não se sente representado. Na anestesiologia muitas vezes a gente tem que provar que é médico, porque muitas vezes falavam: ‘Anestesista faz um curso técnico?’. É uma subespecialidade de extrema responsabilidade dentro da medicina e agora a gente se depara com um caso desses”, relatou.

A anestesista finalizou dizendo que Giovanni Quintella Bezerra não é médico, e sim um criminoso. “Isso que aconteceu foi uma atrocidade. Esse criminoso não é médico”, começou.

“Ser médico é muito mais do que ser detentor de um conhecimento. Ser médico é você ser empático, é você se colocar no lugar do outro, é ter sensibilidade, solidariedade. Ele é portador de um CRM, que eu espero que ele perca o quanto antes, e isso é um consenso entre todos os colegas”, finalizou.