AnaMaria
Famosos / Polêmica

Ana Maria Braga usa expressão racista no ‘Mais Você’ e gera indignação na web

Apresentadora usou o termo ‘inveja branca’ para tecer alguns comentários durante o programa

Da Redação Publicado em 22/09/2021, às 13h30 - Atualizado às 13h32

Ao vivo, apresentadora usou o termo "inveja branca" e indignou internautas - TV Globo
Ao vivo, apresentadora usou o termo "inveja branca" e indignou internautas - TV Globo

A manhã desta quarta-feira (22) já começou com uma polêmica na TV Globo. Isso porque, durante alguns comentários no ‘Mais Você’, Ana Maria Braga usou o termo ‘inveja branca’, considerado racista por posicionar o branco como positivo, inocente e desprovido de maldade.

Tudo começou quando o repórter Fabrício Battaglini entrou ao vivo para mostrar uma bela plantação de girassóis em Cerquilho, no interior de São Paulo. Foi então que a veterana decidiu expor o que estava sentindo.

“Em alguns momentos, não quando vocês passam perrengues... eu fui repórter de rua durante muito tempo e morro de inveja, inveja boa, inveja branca de estar aí onde está. Você aí e eu aqui hoje. Que lindas!”, disse ela. 

Termos como esses - assim como “humor negro” e “denegrir”, por exemplo - reforçam esteriótipos racistas, que associam o preto a uma posição ruim. Ou seja, se a inveja é negativa, ao ser branca, ela seria suavizada. 

Em um país onde o racismo estrutural é comprovado mesmo por estatísticas, os internautas consideram de mau tom usar expressões deste tipo. Tanto que Ana Maria Braga não é a primeira a ser “cancelada”: no ‘Big Brother Brasil 21’ (TV Globo), Viih Tube também usou “inveja branca” e foi rechaçada nas redes sociais.

Vale lembrar que esta não é a primeira falha da apresentadora em relação a luta antirracista. A famosa já relacionou algumas atitudes no ‘BBB21’ com “racismo reverso”, em que pessoas negras “oprimiriam” brancas. Um dia depois, ela se desculpou ao vivo e convidou uma ativista negra para explicar porque o conceito é errôneo - afinal, o racismo se trata de uma relação de poder construída acima de uma sociedade excludente, que privilegia brancos em diversas esferas sociais.