AnaMaria
Famosos / Homenagem

Babu Santana cumpre promessa e faz tatuagem em homenagem ao 'Big Brother Brasil 20'

Ator tatuou na pele um dos símbolos do reality global

Da Redação Publicado em 14/10/2020, às 21h40 - Atualizado às 21h40

Babu Santana mostrou a nova tatuagem nas redes sociais - Instagram/ @babusantana
Babu Santana mostrou a nova tatuagem nas redes sociais - Instagram/ @babusantana

Durante a passagem de Babu Santana pelo 'Big Brother Brasil 20', o ator fez uma promessa bastante ousada. Na época, ele prometeu fazer uma tatuagem em homenagem ao reality. 

Acontece que nesta quarta-feira (14), meses após o fim do programa, ele não só cumpriu o prometido como compartilhou um vídeo de todo o processo em seu perfil no Instagram.

A arte escolhida pelo artista, eternizada em seu braço, foi o desenho do Robbb, o famoso robô que é um dos símbolos do BBB.

"Conforme o prometido durante o confinamento, fiz minha tattoo com a minha amiga e “cumadi” Flávia Tatoo para eternizar na pele uma das experiências mais incríveis que vivi", escreveu ele na legenda da publicação.

Nos comentários, os seguidores de Babu deixaram inúmeras mensagens.

"Show paizão, adorei", escreveu uma internauta. "Arrasou! Foi marcante sua passagem no programa e com certeza foi muito importante para você", falou outro fã. "Rei do programa todinho", completou um terceiro. 

IMPORTÂNCIA DA MÃE

Babu Santana deu uma entrevista ao Canal Rap TV e fez diversas reflexões.

O ator iniciou o bate-papo falando sobre a importância da mãe, Maria Rosa, durante sua formação.

“Ela sempre falava: ‘Vai fazer, porque seus amigos vão depender de uma mulher para fazer isso e não é maneiro. A mulher não foi feita para ser empregada. Você só vai precisar de uma mulher para amar e ser amado. Eu estou criando filho para ser independente’. Minha mãe sempre falou isso desde que eu tinha 5 anos de idade”, revelou.

O cantor confessou que teve um pouco de dificuldade para entender o que era a masculinidade tóxica, mas afirmou que a presença da matriarca foi essencial.

“Quando foram criadas essas nomenclaturas, lembro que comecei a conversar com a minha amiga: ‘Cara, mas minha mãe sempre me falou isso e nunca teve esse nome, masculinidade tóxica, machismo’. A gente sempre lidou com isso”, contou.