AnaMaria
Famosos / Eita!

Cantor cancela participação em disco de Sérgio Reis após polêmica

Guttemberg Guarabyra, da dupla com Sá, disse que seu posicionamento atual é incompatível com o do cantor

Da Redação Publicado em 17/08/2021, às 18h55 - Atualizado às 18h56

Guarabyra, da dupla Sá e Guarabyra - Instagram/@saeguarabyraoficial
Guarabyra, da dupla Sá e Guarabyra - Instagram/@saeguarabyraoficial

Sérgio Reis não terá mais a participação do cantor Guttemberg Guarabyra, da dupla Sá e Guarabyra, em seu próximo álbum. O cantor e compositor anunciou que não vai mais participar do próximo álbum do artista sertanejo, em que ele vai regravar sucessos da MPB na companhia de convidados. E o motivo foi político.

A decisão dele veio após a divulgação do áudio em que Sérgio, defendendo o presidente Jair Bolsonaro, convocou uma paralisação de caminhoneiros para setembro até que o Senado afastasse os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de seus cargos. Gravado após reunião de Reis com o presidente do Brasil Jair Bolsonaro, o áudio foi repudiado por quase toda a classe artística.

"De Sérgio Reis, sempre tive enorme admiração pelo trabalho, bom gosto, extrema musicalidade. No disco dele que irá sair, inclusive participaria em uma faixa, gravação dele de 'Sobradinho'. Mas me considero incompatível com seu posicionamento atual e infelizmente declino do convite", escreveu Guarabyra em seu Twitter.

Se ninguém mais declinar, o álbum de Sérgio Reis ainda trará duetos com Anastácia na regravação do xote Eu só quero um xodó' (1973), com Maria Rita em 'Romaria' (Renato Teixeira, 1977) e com Zé Ramalho em 'Admirável gado novo' (Zé Ramalho, 1979), entre outros convidados.

O QUE ACONTECEU?
Sérgio Reis foi parar nos assuntos do momento, na última segunda-feira (16), após se envolver em uma verdadeira polêmica. Acontece que o cantor teve um áudio seu vazado, em que afirma que os caminhoneiros parariam o país, com o apoio dos produtores de soja, caso o STF (Supremo Tribunal Federal) não afastasse todos os ministros de seu cargo.

"Se em 30 dias não tirar os caras, nós vamos invadir, quebrar tudo e tirar os caras na marra. Pronto. É assim que vai ser. E a coisa está séria", diz o cantor.

O objetivo da manifestação era trazer de volta o voto impresso, cuja PEC (Proposta de Emenda à Constituição) foi rejeitada na Câmara dos Deputados recentemente - a medida precisava de, no mínimo, 308 votos favoráveis para ser aprovada, porém recebeu apenas 229. "Não é um pedido, é uma ordem. Assim que eu vou falar com o presidente do Senado", garantiu ele.

No entanto, a repercussão da gravação ganhou proporções negativas que acabaram afetando diretamente a saúde de Reis. Em entrevista ao jornal Metrópoles, a esposa do sertanejo, Ângela Bavini, informou que o artista está passando por um período depressivo: "Ele foi mal interpretado. Ele quer apenas ajudar a população. Está magoado demais".

"O Sérgio foi induzido por pessoas que dizem estar em um movimento tranquilo. No fim, todo mundo vaza [some], e sobra para ele, que é uma celebridade", acrescentou. 

Além disso, ela garantiu que é contra qualquer envolvimento político do marido e que sempre tenta alertá-lo das consequências que falas como essa podem gerar. Segundo Bavini, o estresse causado pelo áudio causou um pico de diabetes, mas que o cantor segue bem e descansando.

"O Sérgio às vezes não tem noção do nome dele, do tamanho dele", finalizou.